Exportar registro bibliográfico

Heterogeneity of plural forms: a revised transaction cost approach (2016)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SCHNAIDER, PAULA SARITA BIGIO - FEA
  • Unidades: FEA
  • Sigla do Departamento: EAD
  • Subjects: CUSTO DE TRANSAÇÃO; ECONOMIA INSTITUCIONAL; AGRONEGÓCIO
  • Keywords: Agribusiness; Asset specificity; Ativo específico; Formas plurais; Incerteza; Plural forms; Transaction cost; Uncertainty
  • Language: Inglês
  • Abstract: Esta tese aborda uma importante regularidade empírica que ainda não é muito bem compreendida: uma mesma empresa, em um determinado contexto institucional, simultaneamente se baseia em diferentes arranjos organizacionais para governar transações similares (ou idênticas). Seguindo os trabalhos de Bradach & Eccles (1989) e Menard (2013), trata-se este fenômeno como \"formas plurais\". A tese é composta por quatro capítulos, cada qual proporcionando abordagens diferentes, porém complementares, sobre a temática das formas plurais, e cada qual servindo como insumo para o próximo capítulo: a primeira metade desta tese permanece teórica, enquanto a segunda apresenta contribuições empíricas qualitativas distintas sobre o tema. No primeiro capítulo, pretende-se verificar o que foi teorizado sobre formas plurais e como este campo tem evoluído ao longo do tempo. Em especial, busca-se conhecer as múltiplas explicações teóricas sobre as razões por que as firmas adotam formas plurais, principalmente porque ainda não há um consenso sobre o assunto. Para tanto, realizam-se algumas análises bibliométricas por meio de um levantamento de dados na plataforma ISI Web of Science e qualitativamente revisam-se alguns artigos significativos sobre o assunto. Como resultado, tem-se que a combinação de especificidade de ativos e vários tipos de incerteza se encontra subjacente à maior parte das explicações utilizadas ao longo do tempo e destaca-se a ideia de que estas poderiam ser variáveisinteressantes para um modelo de previsão de formas plurais. No segundo capítulo, busca-se compreender o que explica a variedade de formas plurais. No entanto, a fim de compreender tal variedade, constrói-se um modelo teórico integrando especificidade de ativos e incerteza para prever formas plurais e não plurais. Em seguida, enfatiza-se que estes arranjos são heterogêneos e, para manter a argumentação tratável, definem-se três categorias de formas plurais: \"entre\" (ou a combinação de diferentes modalidades de arranjos organizacionais), \"dentro\" (ou a combinação de arranjos híbridos ) e \"combo\" (ou a combinação de \"entre\" e \"dentro\"). As hipóteses relacionam cada um destes três tipos de formas plurais com as diferentes tipologias de incerteza (mercado, tecnológica e de avaliação de desempenho) que capturaram as dimensões essenciais deste conceito. Nos próximos dois capítulos, o modelo teórico e as hipóteses são confrontados com dados empíricos qualitativos relativos ao setor agroindustrial brasileiro. No terceiro capítulo, procura-se verificar se a combinação de incerteza e especificidade de ativos prevê o surgimento de formas plurais. Além disso, avalia-se se diferentes níveis de incerteza e de especificidade de ativos (combinados) determinam a seleção de arranjos organizacionais distintos. Para tanto, realiza-se um estudo de caso clínico \"embedded\" na empresa Korin, que produz e comercializa diversos produtos orgânicos. Analisa-se a aquisição de insumosdistintos (milho comum e orgânico, soja comum, frango e ovos livres de antibióticos), tanto com formas plurais quanto com formas não plurais. Encontra-se suporte para o modelo e para a ideia de que diferentes níveis de especificidade de ativos e de incerteza levam à adoção de arranjos organizacionais distintos. No capítulo final, confronta-se empiricamente tanto o modelo teórico (ou seja, se a especificidade dos ativos e a incerteza preveem formas plurais ou não-plurais) quanto as hipóteses (ou seja, se os diferentes tipos de elevada incerteza, sujeitas a um determinado grau de especificidade de ativos, leva à diferentes tipos de formas plurais). Para tanto, examina-se a aquisição de insumos por 24 empresas que operam no agronegócio brasileiro e adquirem 11 insumos diferentes, tanto por meio de formas plurais como de formas não-plurais. Utiliza-se de um questionário escala de Likert de 4 pontos, capturando as variáveis teóricas e realizam-se algumas análises qualitativas. Encontra-se suporte empírico para o modelo teórico, e para algumas das hipóteses que explicam a diversidade, apontando um caminho para maiores investigações empíricas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.01.2016
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SCHNAIDER, Paula Sarita Bigio; SAES, Maria Sylvia Macchione. Heterogeneity of plural forms: a revised transaction cost approach. 2016.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-07032016-092021/ >.
    • APA

      Schnaider, P. S. B., & Saes, M. S. M. (2016). Heterogeneity of plural forms: a revised transaction cost approach. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-07032016-092021/
    • NLM

      Schnaider PSB, Saes MSM. Heterogeneity of plural forms: a revised transaction cost approach [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-07032016-092021/
    • Vancouver

      Schnaider PSB, Saes MSM. Heterogeneity of plural forms: a revised transaction cost approach [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-07032016-092021/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020