Exportar registro bibliográfico

Preditores da extensão subclínica e do número de fases da cirurgia micrográfica de Mohs no carcinoma basocelular (2015)

  • Authors:
  • Autor USP: FANTINI, BRUNO DE CARVALHO - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: CARCINOMA BASOCELULAR; CIRURGIA; NEOPLASIAS CUTÂNEAS
  • Keywords: Basal Cell Carcinoma; Cirurgia de Mohs; Immunohistochemistry; Imuno-histoquímica; Local Recurrence Neoplasm; Mohs surgery; Neoplasia Residual; Recidiva Local de Neoplasia; Residual Neoplasm
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: O carcinoma basocelular (CBC) é o tipo mais comum de câncer da pele não-melanoma na população mundial. A elevada prevalência do acometimento da face determina elevada morbidade, a despeito da baixa taxa de mortalidade. Localização, dimensão, subtipo histológico, recidiva e delimitação imprecisa relacionam-se ao risco de invasão e destruição local, sendo critérios de indicação da cirurgia micrográfica de Mohs (CMM), padrão ouro para tratamento do CBC, por elevadas taxas de cura e preservação de tecido sadio. Objetivo: Analisar possíveis preditores da extensão subclínica e do número de fases da CMM para o CBC, em conjunto com o emprego de imuno-histoquímica (IHQ). Métodos: Amostra de 101 casos de CBC excisados por CMM, delimitados previamente por dermatoscopia, foi analisada quanto ao perfil demográfico, características e possíveis relações entre as variáveis determinantes do risco para realização de duas ou mais e três ou mais fases na CMM. Marcação por IHQ dos anticorpos Ber-EP4, MNF-116, E-Caderina e VGEF foi realizada em onze casos de diferentes subtipos do CBC. Resultados: Na amostra, com 49,5% de tumores recidivados, predominou o sexo feminino (58,4%), com idade média de 60,2 anos e localização no segmento cefálico, sendo 52,5% dos tumores na região nasal. Subtipo histológico de alto risco em 69,3%, sendo 64,7% entre os primários e 74% entre os recidivados. Em 46,5% evidenciou-se mais de um tipo histológico, coexistindo baixo e alto risco em 33,7%; 97% apresentou mais de um critério de risco para indicação de CMM, predominando a localização em 91,1%, sendo baixas aquelas por delimitação imprecisa (12,9%) e margens comprometidas (6,9%); 60,4% dos tumores foram removidos por uma fase cirúrgica, 39,6% por duas ou mais e 10,9% por três ou mais. Recidiva elevou as chances de 2 fases para remoção completa(OR=2,40 I.C.95% 1,06 5,44; teste do X2 = 4,47, p= 0,03), assim como localização na região nasal e zona H (p = 0,04 e p = 0,056, respectivamente). O maior número de critérios elevou as chances de 2 fases e 3 fases (p = 0,02 e p = 0,03, respectivamente). As intensidades de marcação com Ber-EP4 e E-Caderina foram mais acentuadas no subtipo micronodular comparadas ao esclerodermiforme. Todos os marcadores evidenciaram os ninhos neoplásicos multifocais dispersos e em meio ao intenso processo infamatório. O VEGF, mostrou marcação mais intensa e evidente no infiltrado inflamatório perineoplásico. Conclusões: A coexistência de padrões e predomínio do alto risco nos CBC primários e recorrentes evidenciam potenciais causas de recidiva, invasão e destruição, e da indicação da CMM. Localização cefálica e recorrência são critérios que corroboraram tal indicação e, o maior número de critérios presentes, a predição da extensão subclínica. A dermatoscopia auxiliou na delimitação pré-cirurgica do CBC. Idade avançada pode exigir mais fases para remoção do CBC. Marcadores imunohistoquímicos podem ser úteis para evidenciar a neoplasia nos tecidos ou em meio a processo infamatório. O reconhecimento de fatores preditivos é auxiliar na decisão terapêutica, no planejamento cirúrgico e na obtenção das altas taxas de cura por meio da CMM
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.11.2015
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FANTINI, Bruno de Carvalho; SOUZA, Cacilda da Silva. Preditores da extensão subclínica e do número de fases da cirurgia micrográfica de Mohs no carcinoma basocelular. 2015.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/tde-06012016-160250/ >.
    • APA

      Fantini, B. de C., & Souza, C. da S. (2015). Preditores da extensão subclínica e do número de fases da cirurgia micrográfica de Mohs no carcinoma basocelular. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/tde-06012016-160250/
    • NLM

      Fantini B de C, Souza C da S. Preditores da extensão subclínica e do número de fases da cirurgia micrográfica de Mohs no carcinoma basocelular [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/tde-06012016-160250/
    • Vancouver

      Fantini B de C, Souza C da S. Preditores da extensão subclínica e do número de fases da cirurgia micrográfica de Mohs no carcinoma basocelular [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/tde-06012016-160250/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021