Exportar registro bibliográfico

Avaliação do impacto do treinamento físico resistido na qualidade de vida de pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos (2015)

  • Authors:
  • Autor USP: RAMOS, FABIENE KARINE PICCHI - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RGO
  • Subjects: SÍNDROME DO OVÁRIO POLICÍSTICO; TREINAMENTO FÍSICO; QUALIDADE DE VIDA; SEXO
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) pode cursar com hirsutismo, infertilidade e obesidade, ansiedade e depressão com prejuízo para a qualidade de vida (QV). O exercício físico pode melhorar a QV, porém há controvérsias se o beneficio dessa intervenção permanece após a interrupção. Objetivo: avaliar a qualidade de vida, o humor e a função sexual antes e após o treinamento físico resistido (TFR) em mulheres em idade fértil. Metodologia: Ensaio experimental controlado, não randomizado, durante 32 semanas, com 94 mulheres, com 18-37 anos que foram divididas em dois grupos: 43 com SOP (GSOP) e 51 controles sem SOP (GC). Todas completaram o protocolo de TFR, composto por sessões de 50 minutos, três vezes por semana durante 16 semanas. O SF-36 foi utilizado para avaliar a QV, a Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HAD) avaliou a presença de ansiedade e depressão e o Inventário da Função Sexual Feminina (IFSF) avaliou a função sexual. O IFSF foi aplicado no início do treinamento (tempo 0) e após 16 semanas de TFR (tempo 1). O SF36 e HAD foram aplicados no tempo 0, 1 e no tempo 2 (16 semanas após o término do TRF). Resultados: No tempo 0, houve diferença significativa entre o GSOP e GC em relação à dosagem sanguínea de testosterona (p=0,02) e androstenediona (p=0,02). No GSOP houve redução significativa da dosagem de testosterona (p<0,0l) e aumento da dosagem de androstenediona (p<0,01) no tempo 1. No GC houve redução significativa nas concentrações de testosterona no tempo 1 (p<0,01). A análise do SF-36 no GSOP evidenciou aumento significativo do escore do domínio capacidade funcional com o TRF (p=0,02) e aumento significativo do escore do domínio vitalidade após 16 de interrupção do TRF (tempo 2) comparado ao tempo 0 (p<0,01). Após a interrupção do TFR, ocorreu redução significativa dos escores dos domínios aspectos sociais (p=0,04) esaúde mental (p<0,01). No GC, o TFR promoveu aumento significativo dos escores do domínio vitalidade após (p<0,01), aspectos sociais (p=0,01), e saúde mental (p=0,01). A melhora do escore da vitalidade e saúde mental permaneceu mesmo após cessar o TFR (tempo 2), respectivamente (p=0,01) e (p=0,02). Não houve diferença significativa no escore total do IFSF após o TFR (tempo 0) nos dois grupos (GSOP, p=0,08 e GC, p=0,06). O TFR promoveu melhora significativa da dor no GC evidenciada pelo aumento significativamente do escore do domínio dor (p < 0,03). No GSOP houve aumento significativo do escore total IFSF e dos seus domínios; desejo, excitação e lubrificação após o TFR (p < 0,01 para todos). Ao comparar os dois grupos, houve diferença significativa no domínio desejo sexual após o TFR (GSOP= 4,09 vs. GC=3,75, p=0,04). A análise do HAD evidenciou que, no GSOP, houve redução significativa, após o TFR, do número de mulheres com risco para depressão (p<0,01) e ansiedade (p=0,02). O TFR foi eficaz para reduzir significativamente a média do escore de ansiedade e depressão em ambos os grupos (p<0,01 para todos). Após a interrupção do TFR, o GSOP apresentou aumento do risco para ansiedade (7,05 + 2,40 vc. 8,56 ± 3,28, p<0,01) e depressão (6,51 ± 10,37 vs. 7,74 ± 3,21, p=0,02). Conclusão: O TFR promoveu melhora da QV em ambos os grupos. Embora tenha havido redução do benefício do TFR após a interrupção do TRF na maioria dos domínios, a vitalidade ainda permaneceu melhor em mulheres com SOP. O TFR promoveu melhora da função sexual em mulheres portadoras de SOP e reduziu o risco ansiedade e depressão em mulheres com SOP e controles normais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.07.2015

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RAMOS, Fabiene Karine Picchi; REIS, Rosana Maria dos. Avaliação do impacto do treinamento físico resistido na qualidade de vida de pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos. 2015.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.
    • APA

      Ramos, F. K. P., & Reis, R. M. dos. (2015). Avaliação do impacto do treinamento físico resistido na qualidade de vida de pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Ramos FKP, Reis RM dos. Avaliação do impacto do treinamento físico resistido na qualidade de vida de pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos. 2015 ;
    • Vancouver

      Ramos FKP, Reis RM dos. Avaliação do impacto do treinamento físico resistido na qualidade de vida de pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos. 2015 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021