Exportar registro bibliográfico

Caracterização da resposta imune in situ nas lesões de hanseníase indeterminada (2015)

  • Authors:
  • Autor USP: ALVARENGA, MARCIA LANZONI DE - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MPT
  • Subjects: HANSENÍASE (CLASSIFICAÇÃO); CÉLULAS DENDRÍTICAS; ANTÍGENOS; FATORES BIOLOGICOS
  • Keywords: Antigen-presenting cells; Células apresentadoras de antígenos; Células Th2; Dendritic cells; Factor XIIIa; Hanseníase paucibacilar; Leprosy paucibacillary; Th2 cells
  • Language: Português
  • Abstract: A forma indeterminada é a fase inicial da hanseníase, que se caracteriza histologicamente pelo infiltrado inflamatório leve, não granulomatoso, de linfócitos e histiócitos ao redor de vasos, anexos e nervos. No local de entrada do M. leprae, as células apresentadoras de antígeno do tipo células dendríticas são as primeiras a encontrar o bacilo. Este, no interior de células dendríticas, desencadeia a produção local de citocinas e quimiocinas, que resultam em proliferação de linfócitos T helper 1 ou T helper 2, assim definindo uma resposta imune celular ou humoral, respectivamente. As lesões tuberculoides mostram predominância das citocinas de padrão Th1 como IL-2, TNF-alfa, IFN-y, IL-12 e IL-18, enquanto que nas lesões virchowianas predominam citocinas de padrão Th2, como IL-4, IL-5, IL-10 e TGF-beta. Na pele, as principais células dendríticas são células dendríticas mieloides, células de Langerhans e alguns dendrócitos dérmicos. São identificadas respectivamente pela expressão imuno-histoquímica de S100, CD1a e Fator XIIIa. Células de Langerhans e dendrócitos dérmicos Fator XIIIa positivos estão aumentados em quantidade nas lesões tuberculoides quando comparadas com lesões virchowianas. Os objetivos do presente estudo foram: 1) caracterizar a inflamação \"in situ\" na hanseníase indeterminada através da quantificação das marcações imuno-histoquímicas de: CD57, CD4, CD8, CD1a, S100, FXIIIa, CD68, Foxp3, CD123, IL-1, IL-2r, IL-4, IL-6, IL-8, IL-10, IL-12, IL-18, IFN-, TNF-alfa, TGF-beta, iNOS, granzima B, receptor Toll-like 2/4,e antígeno BCG, 2) comparar o perfil fenotípico e citocínico das lesões na hanseníase indeterminada entre grupos de reação de Mitsuda positiva e negativa, a fim de investigar se existem padrões que possam prever para qual forma a doença evoluiria, e 3) revisar a histopatologia da forma indeterminada através da análise semiquantitativa das alterações vistas à coloração de hematoxilina/eosina. Foram selecionadas 15 lesões de pacientes com hanseníase indeterminada. Foram usados grupos controles de expressão de Fator XIIIa e CD1a em 10 casos de pele normal. A histopatologia mostrou discretas alterações epidérmicas, como alteração vacuolar e exocitose de linfócitos (33% dos casos cada), apoptose de queratinócitos (26%), atrofia e acantose (06% dos casos cada); infiltrado inflamatório linfomononuclear neural (100%), perivascular superficial (100%), perivascular profundo (93%), peri-écrino (40%) e peri-folículo pilossebáceo (20%), além de melanófagos em 93% dos casos. Esses achados mostraram que nem sempre todos os ambientes estão acometidos por inflamação na histopatologia. Em 66% dos pacientes foi encontrado antígeno bacilar (por Fite-Faraco ou técnica imuno-histoquímica anti-BCG), portanto a forma indeterminada não deve ser considerada sistematicamente como paucibacilar. Não houve diferença significativa de padrões de marcadores entre os grupos Mitsuda positivo e negativo. No microambiente inflamatório das lesões houve expressões significativas de TLR 2/4, Fator XIIIa, CD4, CD8, IL-2r, IL-4, IL-10, iNOS e TGF-beta.A expressão importante de IL-4, IL-10 e TGF- beta nas lesões de hanseníase indeterminada significaram tendência de resposta imune para o polo Th2, um ambiente de tolerância à permanência do bacilo. A baixa expressão de IFN-y colaborou para a inexpresiva resposta Th1. Não houve diferença significativa na expressão de CD1a entre as lesões e pele normal. Fator XIIIa foi expresso em mais que 50 células/mm2 em todos os casos, com quantidades significativamente maiores que outras células dendríticas nas lesões (S100, CD68, CD123) e que a pele normal. Estes achados demonstraram a importância dos dendrócitos dérmicos Fator XIIIa positivos na apresentação de antígeno na fase inicial da hanseníase
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.08.2015
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ALVARENGA, Marcia Lanzoni de; DUARTE, Maria Irma Seixas. Caracterização da resposta imune in situ nas lesões de hanseníase indeterminada. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5144/tde-09112015-161852/ >.
    • APA

      Alvarenga, M. L. de, & Duarte, M. I. S. (2015). Caracterização da resposta imune in situ nas lesões de hanseníase indeterminada. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5144/tde-09112015-161852/
    • NLM

      Alvarenga ML de, Duarte MIS. Caracterização da resposta imune in situ nas lesões de hanseníase indeterminada [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5144/tde-09112015-161852/
    • Vancouver

      Alvarenga ML de, Duarte MIS. Caracterização da resposta imune in situ nas lesões de hanseníase indeterminada [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5144/tde-09112015-161852/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020