Exportar registro bibliográfico

O desempenho executivo em pacientes que apresentam automutilação (2015)

  • Authors:
  • Autor USP: GARRETO, ANNA KARLA RABELO - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MPS
  • Subjects: AUTOMUTILAÇÃO; NEUROPSICOLOGIA; TESTES NEUROPSICOLÓGICOS; ESTUDOS TRANSVERSAIS
  • Keywords: Automutilação; Executive function; Função executiva; Neuropsicologia; Neuropsychological tests; Neuropsychology; Self mutilation; Testes neuropsicológicos
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: A automutilação tem sido considerada uma maneira disfuncional de enfrentar situações-problema, geralmente com grande carga emocional, uma vez que pessoas que apresentam este diagnóstico parecem ter poucas estratégias de enfrentamento, dificuldade para regular o afeto e limitada habilidade de resolução de problemas. O início da automutilação geralmente ocorre na adolescência e, na maioria dos casos, ocorre remissão sem precisar de intervenção profissional. Essa remissão estaria associada com o desenvolvimento cognitivo, principalmente com o desenvolvimento de estratégias adequadas de enfrentamento. No entanto, 10% dos casos permanecem com esse comportamento na fase adulta e, muitas vezes, apresentam comorbidades psiquiátricas, caracterizando casos mais graves, com maiores dificuldades cognitivas e habilidades sociais deficitárias. São raros os estudos sobre automutilação em adultos. Assim, verifica-se a necessidade de estudos que avaliem o desempenho das funções executivas nessa população para melhor caracterização e compreensão desse comportamento. Dessa forma, intervenções mais adequadas e eficazes poderão ser desenvolvidas, assim como trabalhos de prevenção. Objetivos: Estudar o desempenho executivo de pacientes que apresentam automutilação, bem como comparar a capacidade de resolução de problemas em pacientes com automutilação a um grupo controle. Método: Estudo descritivo transversal, com amostra de 66 indivíduos, todos com idade superior a 18 anos com, nomínimo, quatro anos de escolaridade formal. Foram comparados dois grupos: o primeiro, com 33 pacientes que procuraram tratamento psiquiátrico devido à automutilação; e o grupo controle, com 33 participantes sem nenhum transtorno psiquiátrico no momento da avaliação. Todos os participantes foram submetidos a uma avaliação psiquiátrica (SCID I/P) para confirmação do diagnóstico e verificação dos critérios de inclusão/exclusão, investigação de sintomas de impulsividade (BIS-11), de comportamento de automutilação (FASM), assim como de depressão e ansiedade (Beck). Também passaram por uma bateria de avaliação neuropsicológica, que contemplou o mapeamento das funções executivas, tais como flexibilidade mental, controle inibitório, planejamento, capacidade de abstração/categorização, memória operacional e tomada de decisão; avaliação da capacidade de resolução de problemas por meio de teste comportamental. O desempenho das funções executivas e da capacidade de resolução de problemas dos participantes com automutilação foi comparado ao desempenho executivo do grupo controle, levando-se em consideração gênero, faixa etária, nível socioeconômico e QI, controlando para escolaridade. Por fim, foram feitas correlações entre gravidade de automutilação e desempenho executivo e desempenho executivo e capacidade de resolução de problemas. Resultados: A maioria dos pacientes era do sexo feminino (81,8%), assim como nos controles (72,7%). A média de idade no grupo de automutilação foi de 29anos e no grupo controle, 31. No grupo com automutilação, a média de idade de início da automutilação foi de 16 anos. O comportamento mais comum encontrado foi o corte na pele, e a razão mais comum para se engajar no comportamento foi "para parar os sentimentos negativos". As comorbidades psiquiátricas mais comuns foram o transtorno depressivo maior (em 60,6%) e transtorno de ansiedade generalizada (em 48,5%). O grupo com automutilação teve pior desempenho nas seguintes funções executivas: flexibilidade mental, controle inibitório, planejamento, tomada de decisão. O grupo de automutilação também apresentou maior impulsividade que os controles e pior desempenho em relação à capacidade de resolução de problema. Observou-se ainda que funções executivas (controle inibitório, planejamento e tomada de decisão) influenciam no processo de tomada de decisão. Houve associação entre pior desempenho em testes que avaliam tomada de decisão (IGT e DDT) com maior gravidade da automutilação (IGT: p = 0,009 e DDT: p = 0,008). Conclusão: Foi possível evidenciar que adultos com automutilação apresentam resultados inferiores quando comparados a controles no que diz respeito a capacidade de resolução de problema, flexibilidade mental, controle inibitório, planejamento e tomada de decisão. Assim, os resultados indicam que as pessoas que iniciam com o comportamento de automutilação na adolescência e persistem até a fase adulta, como uma forma de enfrentamento de situações-problema, demonstramcerta imaturidade cognitiva, possivelmente devido a alterações no córtex pré-frontal, impactando no comportamento, nas emoções e nos pensamentos. E, ainda, apresentam automutilação com maior gravidade associada a outros transtornos psiquiátricos. Esses resultados apontam para a necessidade do emprego de intervenções específicas de reabilitação cognitiva no tratamento desses pacientes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 12.05.2015
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GARRETO, Anna Karla Rabelo; SCIVOLETTO, Sandra. O desempenho executivo em pacientes que apresentam automutilação. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5142/tde-06082015-124601/ >.
    • APA

      Garreto, A. K. R., & Scivoletto, S. (2015). O desempenho executivo em pacientes que apresentam automutilação. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5142/tde-06082015-124601/
    • NLM

      Garreto AKR, Scivoletto S. O desempenho executivo em pacientes que apresentam automutilação [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5142/tde-06082015-124601/
    • Vancouver

      Garreto AKR, Scivoletto S. O desempenho executivo em pacientes que apresentam automutilação [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5142/tde-06082015-124601/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020