Exportar registro bibliográfico

Morra para se libertar: estigmatização e violência contra travestis (2015)

  • Authors:
  • Autor USP: BUSIN, VALERIA MELKI - IP
  • Unidade: IP
  • Sigla do Departamento: PST
  • Subjects: TRAVESTIS; VIOLÊNCIA
  • Keywords: Diferença; Difference; Gender violence; Interseccionalidades; Intersectionalities; Violência de gênero
  • Language: Português
  • Abstract: Por meio desta pesquisa, busco investigar a dinâmica psicossocial das violências cotidianas sofridas por travestis, chamando atenção para o gênero articulado a outros marcadores sociais de diferença. Descrevo como as diferentes violências marcam a experiência cotidiana das travestis que participaram do estudo. A abordagem qualitativa permitiu compreender a fluidez das suas relações sociais por meio das suas histórias de vida. Oito travestis com características diversas: cor de pele, classe social, origem geográfica, escolaridade, inserção no ativismo LGBTT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) foram entrevistadas. Como a prostituição é parte importante do cotidiano de violências das travestis brasileiras, as colaboradoras desta pesquisa têm trajetórias profissionais distintas: algumas são profissionais do sexo e vivem da profissão, outras foram profissionais do sexo e agora exercem outras profissões e há quem nunca atuou como profissional do sexo. Inspirada pelo construcionismo social, utilizo as cenas como unidades de análise privilegiada, descrevo como as violências simbólica, física e econômica, incluindo as expressões de violência sexual e psicológica, perpassam a trajetória singular de cada uma delas desde o momento em que expressaram rupturas com os scripts de sexo e gênero em que foram socializadas. Analiso essa diferença em termos de identidade, experiência, relações sociais e subjetividade. A diferença expressa pela ruptura com os scripts de gênerohegemônicos desencadeou processos de estigmatização e experiências de violência que as colocaram em um lugar simbólico marginal e desqualificado. Formas diversas de morte física e simbólica acompanham a vida das colaboradoras desta pesquisa. A interseccionalidade contribui para compreender as trajetórias de vida e a violência experienciada, pois outros marcadores sociais (raça/cor da pele, classe social) coproduzem desigualdade e exclusão, mas também resistência e diversidade. A violência de gênero como violência simbólica produz roteiros intrapsíquicos e interpessoais que tentam aprisionar e impedir que diferenças de gênero se expressem como diversidade, tanto no nível da experiência, como das relações sociais, das subjetividades e das identidades
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 28.04.2015
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BUSIN, Valeria Melki; PAIVA, Vera Silvia Facciolla. Morra para se libertar: estigmatização e violência contra travestis. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-14072015-092040/ >.
    • APA

      Busin, V. M., & Paiva, V. S. F. (2015). Morra para se libertar: estigmatização e violência contra travestis. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-14072015-092040/
    • NLM

      Busin VM, Paiva VSF. Morra para se libertar: estigmatização e violência contra travestis [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-14072015-092040/
    • Vancouver

      Busin VM, Paiva VSF. Morra para se libertar: estigmatização e violência contra travestis [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-14072015-092040/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021