Exportar registro bibliográfico

Dor cervical crônica e postura em trabalhadores de escritório usuários de computador (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: BRAGATTO, MARCELA MENDES - FMRP
  • Unidades: FMRP
  • Sigla do Departamento: RAL
  • Subjects: TRABALHADORES; COMPUTADORES (USO); DOR NAS COSTAS; DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR
  • Keywords: Dor cervical crônica; Dor crônica; Postura corporal; Trabalhadores usuários de computador; Body posture; Chronic neck pain; Chronic pain; Computer office worker; Temporomandibular disorders
  • Language: Português
  • Abstract: A prevalência de disjunção musculoesquelética entre trabalhadores usurários de computador (TUC) pode variar entre 10 a 62% e os lugares mais acometidos são os membros superiores, pescoço, cabeça e a coluna vertebral. As queixas musculoesqueléticas nesses trabalhadores apresentam etiologia multifatorial e dentre as principais causas é possível citar aspectos posturais e fatores psicossociais. O Maastricht Upper Extremity Questionnaire (MUEQ-Br) é uma das poucas ferramentas existentes na literatura para avaliar aspectos ergonômicos e psicossociais relacionados ao trabalho com uso do computador. A dor cervical é a queixa musculoesquelética mais comum em trabalhadores de escritório usuários de computador. A coexistência entre dor cervical e Disfunção Temporomandibular (DTM) é comumente citada na literatura. A adoção da postura em anteriorização da cabeça para uso do computador pode estar associada ao aparecimento de sintomas orofaciais e cervicais. A posição sentada é a mais adotada nos ambientes de trabalho especialmente quando este envolve o uso de computador, entretanto, a manutenção dessa posição por tempo prolongado pode acarretar a adoção de posturas inadequadas e intensificar a sobrecarga nas estruturas do sistema musculoesquelético. Desta forma, a manutenção da postura sentada pode estar relacionada ao desenvolvimento de alterações de postura corporal DTM e disfunção cervical. Objetivo: O objetivo deste estudo foi verificar associações entre dor cervical, DIM e alterações na postura estática em trabalhadores de escritório usurários de computador com e sem relato de dor cervical crônica. Material e Métodos: A amostra desse estudo foi selecionada a partir da aplicação do Maastricht Upper Extremity Questionnaire que contempla 7 domínios (posto de trabalho, postura corporal, controle do trabalho, demanda de trabalho, pausas, ambiente de trabalho e suporte social) preenchidos por trabalhadores usuáriosde computador. Participam deste estudo 52 mulheres trabalhadoras de escritório usurárias de computador em dois grupos: Grupo com dor cervical crônica e incapacidade (GD, n=26 - 36.50 anos - IC95%: 33.40-36.60; 66.37 kg - IC 95%: 62.48-70.26 e 1.62 m - IC95%: 1.60-1.65) e Grupo sem relato de dor cervical (GS, n=26 - 33.81 anos - IC 95%: 33.66-36.95, 71.75 kg - IC95%: 65.90-77.60 e 1.64 m - IC95%: 1.62-1.67). Como critérios de inclusão as funcionárias deveriam exercer a mesma função há pelo menos 12 meses (GD, 110 meses IC95%: 73-147 /GS, 91 meses - IC95%:63-1 19) e utilizar o computador ao menos 4 horas por dia durante a jornada de trabalho (GD, 7.46 horas/dia - IC95%: 7.10-7.83 /GS, 7.58 horas/dia - IC95%: 7.23-7.92). No grupo com dor cervical crônica as trabalhadoras deveriam apresentar relato positivo de dor crônica cervical e se enquadrarem nos seguintes critérios: a) dor cervical há pelo menos 3 meses; b) dor de intensidade 3 na maioria dos dias em uma escala numérica de dor (END) (0 a 10, sendo 0 = sem dor e 10 = pior dor possível) e c) limitação funcional, pelo menos leve, no índice de incapacidade relacionada ao pescoço (ND1): 10-28% (5-14 pontos) - incapacidade leve; 30-48% (15- 24 pontos) - incapacidade moderada; 50-68% (25 - 35 pontos) - incapacidade severa;72% ou mais (36 pontos ou mais) - incapacidade completa. Foram realizadas avaliações clínicas para diagnóstico da DTM através do Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders (RDC/TMD), avaliação da dor cervical e mastigatória através da palpação manual e algometria por pressão para obtenção do limiar de dor por pressão (LDP) de estruturas crânio-cervicais, bem como avaliação da postura corporal estática dessas trabalhadoras através da fotogrametria. Os dados demonstraram distribuição normal de acordo com o teste Shapiro Wilks. O teste t de student para amostras independentes (p<0.05) foi utilizado para comparar a pontuação máxima decada domínio do MUEQ-Br entre os grupos sem e com dor cervical crônica. Para verificar diferenças entre os valores médios de LDP e palpação muscular entre os grupos de trabalhadores sem dor e com dor cervical crônica e para verificar diferenças entre os ângulos posturais foi utilizado também o teste-t de Student. Para análise das associações entre as variáveis Disfunção Temporomandibular, incapacidade relacionada à disfunção cervical, cervicalgia e "aspectos do trabalho" (domínios do MUEQ) foi utilizada a análise de regressão linear múltipla. Para verificação de diferenças entre valores de portagem foi utilizado o teste de Qui-quadrado (p<0.05). O pacote estatístico utilizado foi o SPSS versão 22. Resultados: Os resultados deste estudo demonstraram que ao compararmos os domínios do MUEQ-Br, o grupo com dor cervical crônica obteve maior pontuação no domínio postura corporal (GD, 12.58 - IC95%: 11.21-13.94/ GS, 9.42 - IC95%: 8-10.84) e no item queixas (GD, 17.46- IC95%: 14.17-20.75/ GS, 8.58 - IC95%: 6.14-11.02), bem como na pontuação total do questionário (GD, 40.08 - IC95%: 35.01-45.15/ GS, 33.31 - IC95%: 28.99-37.63). Os voluntários com dor cervical apresentaram maior porcentagem de diagnósticos de DTM quando comparados com o grupo sem dor (42.30% vs. 23.07%, p<0.05). O grupo com dor apresentou maior intensidade de dor na palpação manual dos músculos cervicais, trapézio (ponto médio) lado direito (GD, 4.03 - IC95%: 3.02-5.06/ GS, 1.46 - IC95%: 0.69-2.23) e suboccipitais direito (GD, 2.58 - IC95%: 1.64-3.51/ GS, 1.0 - IC95%: 0.42-1.58) e esquerdo (GD, 2.15 - IC95%: 1.21-3.09/ GS, 1.0 - IC95%: 0.46-1.54), porém os valores do LDP não foram significativos para nenhum dos músculos avaliados entre os grupos com e sem dor cervical crônica. Também não foram encontradas diferenças significativas na avaliação pastoral entre os grupos para os ângulos analisados no plano frontal facee vista anterior e para os ângulos analisados no plano sagital. Na análise de associado entre as variáveis, foi observado que quando a incapacidade foi considerada variável dependente em relação à cervicalgia, total da pontuação do MUEQ-Br (aspectos de trabalho) e DTM, foi observado um R2 = 0.93 e todos os preditores mostraram-se significativos no modelo. Nossos resultados demonstram que a incapacidade cervical é influenciada pela DTM, dor no pescoço e aspectos físicos e psicossociais relacionados ao trabalho com uso do computador. Os trabalhadores com dor cervical apresentaram maior porcentagem de diagnósticos de DTM quando comparados com o grupo de trabalhadores sem dor, bem como a intensidade da dor à palpação dos músculos cervicais mostrou-se significativamente maior nos trabalhadores usuários de computador com dor cervical. Assim, é possível sugerir uma associação entre relato de dor cervical, incapacidade cervical e DTM no contexto de trabalho envolvendo o computador em mulheres com dor relato de dor cervical crônica.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 12.02.2015

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BRAGATTO, Marcela Mendes; CHAVES, Thaís Cristina. Dor cervical crônica e postura em trabalhadores de escritório usuários de computador. 2015.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17152/tde-16062015-090707/ >.
    • APA

      Bragatto, M. M., & Chaves, T. C. (2015). Dor cervical crônica e postura em trabalhadores de escritório usuários de computador. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17152/tde-16062015-090707/
    • NLM

      Bragatto MM, Chaves TC. Dor cervical crônica e postura em trabalhadores de escritório usuários de computador [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17152/tde-16062015-090707/
    • Vancouver

      Bragatto MM, Chaves TC. Dor cervical crônica e postura em trabalhadores de escritório usuários de computador [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17152/tde-16062015-090707/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020