Exportar registro bibliográfico

Resposta fisiológica e emocional à luz colorida (2014)

  • Authors:
  • Autor USP: ANGSTMAM, TERESINHA GUERREIRO CERVI - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: LUZ; MELATONINA; RITMO CIRCADIANO
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução. A melatonina desempenha um papel importante na fisiologia humana, principalmente relacionada ao controle do ciclo sono/vigília. Sua secreção em indivíduos saúdaveis segue o rítmo circadiano e é extremamente sensível à luz. Objetivo. Investigar os possiveis efeitos da exposição à luz colorida, no período da manhã, com iluminâcia entre 200 e 300 lux, no estado de ansiedade, nas variáveis fisiológicas e na secreção da melatonina, em pacientes em terapia transfusional. Desenho do estudo e Método. Trata-se de um estudo analítico de intervenção, randomizado simples, numa amostra por conveniência, de 40 pacientes em terapia transfusional no Núcleo de Hematologia e Hemoterapia de Franca, que após preencherem os critérios de elegibilidade foram alocados por sorteio para um dos ambientes coloridos (amarelo, verde, azul ou vermelho) ou para o ambiente controle (iluminação branca). Os dados relativos ao estado de ansiedade foram obtidos pelo Inventário de Ansiedade Estado (E-IDATE). Amostras de urina coletadas ao longo do período de 24 horas, em quatro intervalos pré-determinados, durante dois dias consecutivos, pré e pós-exposição à luz, foram analisadas pelo método ELISA, para determinação da concentração de 6-sulfatoximelatonina. Os dados foram submetidos a análises estatísticas adequadas para o estudo. Resultados. Pacientes mesmo portadores de doenças graves, em tratamento ambulatorial, mantém o padrão fisiológico de secreção da melatonina. Foi observado o ritmo circadiano de excreção da melatonina urinária no dia anterior à intervenção e uma variação do padrão de excreção após exposição à luz no grupo azul com redução da excreção total e arraste de fase, no grupo verde com redução da excreção total, mais expressiva no período de exposição à luz e sem alterações sugestivas de arraste de fase e no grupo vermelho com alteraçõessugestivas de avanço de fase, sem alteração significativa na excreção total. Exposição à luz foi associada a uma diminuição da ansiedade, com exceção da luz vermelha. Quando os grupos foram comparados entre si, foi observada uma expressiva diferença entre as razões pós/pré no grupo controle e azul, não foi observada diferença significativa entre as razões pós/pré entre os grupos verde e amarelo e o grupo vermelho apresentou uma diferença significativa das razões encontradas para os demais grupos. Os resultados não sustentam a hipótese de que existe correlação entre a exposição à luz colorida e as medidas fisiológicas estudadas. Conclusão. A luz ambiente interfere no estado de ansiedade podendo influenciar a resposta emocional em ambiente hospitalar. A secreção da melatonina noturna é extremamente sensível às variações da iluminação artificial, podendo ter repercussões importantes no ciclo sono/vigília. Uma gestão cuidadosa da iluminação em ambientes hospitalares, privados de iluminação natural, poderá contribuir na preservação do ritmo biológico, na qualidade do sono, no bem estar e na recuperação.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 15.12.2014

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ANGSTMAM, Teresinha Guerreiro Cervi; MARTINEZ, Edson Zangiacomi. Resposta fisiológica e emocional à luz colorida. 2014.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.
    • APA

      Angstmam, T. G. C., & Martinez, E. Z. (2014). Resposta fisiológica e emocional à luz colorida. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Angstmam TGC, Martinez EZ. Resposta fisiológica e emocional à luz colorida. 2014 ;
    • Vancouver

      Angstmam TGC, Martinez EZ. Resposta fisiológica e emocional à luz colorida. 2014 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021