Exportar registro bibliográfico

O mal-estar subjetivo derivado da fragmentação do trabalho (2014)

  • Authors:
  • Autor USP: OREJUELA, JONNY JAVIER - IP
  • Unidade: IP
  • Sigla do Departamento: PST
  • Subjects: TRABALHO; PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL; ESTRESSE PROFISSIONAL; RECONHECIMENTO; RELAÇÕES DE TRABALHO; SUBJETIVIDADE; MAL-ESTAR
  • Keywords: Clínica psicodinâmica do trabalho; Fragmentação laboral; Fragmented work; Mal-estar subjetivo; Pleasure/suffering at work; Prazer/sofrimento no trabalho; Psychodynamic clinic work; Relação trabalho-subjetividade; Relationship work-subjective; Subjective discontentment
  • Language: Português
  • Abstract: O trabalho como atividade humana intencional de transformação da natureza e da sociedade e a criação de valor tem um significado inegável na definição da condição humana. Esta é uma variável multideterminada, subordinada pelos fatores econômicos, ideológicos e tecnológicos, entre outros; multideterminante enquanto cumpre várias funções psicossociais. Assim, é evidente a centralidade social e subjetiva do trabalho para os seres humanos em relação à sua luta pela conquista da dignidade e da felicidade pessoal e social. Isso torna o trabalho reconhecido em várias das suas funções: econômicas, sociais e psicológicas. Porém, o trabalho também tem a condição dialética de ser tanto potencialmente uma fonte de realização pessoal e de emancipação quanto uma fonte de mal-estar social e alienação, isto é, o trabalho pode ser uma força de integração ou de desintegração no nível social e subjetivo. No entanto, no contexto do trabalho atual, caracterizado por um conjunto de reestruturações contínuas orientadas a assegurar o máximo ganho econômico das empresas, impõe-se um sistema de flexibilidade e constante reestruturação que envolve uma maior heterogeneidade, complexidade, forte individualização e desregulamentação das relações de trabalho, resultando na fragmentação significativa do trabalho: tarefas, horários, equipes, trajetórias de indivíduos e mercados de trabalho. Este contexto por sua vez, define um novo cenário sociolaboral que pode estar impactando de modo diferente o papelpsicossocial reconhecido do trabalho e tornando-se um elemento essencial para uma experiência, mais ou menos generalizada, mas não absoluta, de mal-estar subjetivo no trabalho. O objetivo deste trabalho de pesquisa teórica é descrever e analisar como a anatomia atual de fragmentação sociolaboral pode tornar-se numa condição de possibilidade para a experiência de sofrimento subjetivo no trabalho, uma tendência mais ou menos geral. Compreende-se que embora existam situações de sofrimento no campo do trabalho, não poderia ser considerado que são elas apenas que se manifestam como parte da experiência subjetiva no trabalho. Certamente, no mundo do trabalho, há pessoas que recebem os ganhos sublimatórios de articular seu desejo à atividade, embora alguns podem vivenciar a tensão difusa e desgastante que pode ser identificado como mal-estar subjetivo; mas nem todo mundo experimenta no trabalho uma tensão psíquica desgastante, intolerável e sem possibilidade de ser simbolizado pelo inconsciente, que pode ser descrito como sofrimento no trabalho. Para alcançar este objetivo, esta tese começa com uma descrição do estado da arte das pesquisas relacionadas com o prazer e o sofrimento no trabalho, destacando as já feitas no Brasil. Posteriormente reconstrói-se a identidade da avaliação subjetiva do trabalho mostrando a evolução das tendências funcionalistas, e sua ênfase na satisfação, às tendências psicodinâmicas e sua ênfase sobre o prazer / sofrimento. Na sequência é feita umadiscussão sobre o mal-estar, o sofrimento e o sintoma no mundo do trabalho seguido da descrição da anatomia da fragmentação sociolaboral e seus resultados no mal-estar no trabalho, descrevendo logo depois as condições que propiciam sua aparição. É discutido o valor do significado do trabalho como uma variável moderadora da significação do mal-estar no trabalho. Tomando como referência a teoria da luta pelo reconhecimento de Honneth e os conceitos da psicodinâmica do reconhecimento trabalhados pelo Dejours, é feita uma discussão sobre o reconhecimento não feito e seus efeitos de mal-estar subjetivo no trabalho. A discussão culmina com uma reflexão sobre as possíveis contribuições da clínica do Lacan para a escuta do mal-estar e o sofrimento no trabalho
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 02.10.2014
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      OREJUELA, Jonny Javier; MALVEZZI, Sigmar. O mal-estar subjetivo derivado da fragmentação do trabalho. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-18032015-112739/ >.
    • APA

      Orejuela, J. J., & Malvezzi, S. (2014). O mal-estar subjetivo derivado da fragmentação do trabalho. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-18032015-112739/
    • NLM

      Orejuela JJ, Malvezzi S. O mal-estar subjetivo derivado da fragmentação do trabalho [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-18032015-112739/
    • Vancouver

      Orejuela JJ, Malvezzi S. O mal-estar subjetivo derivado da fragmentação do trabalho [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-18032015-112739/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021