Exportar registro bibliográfico

Uso do ácido fórmico no controle de Salmonella Enteritidis em frangos de corte experimentalmente infectados (2014)

  • Authors:
  • Autor USP: RUI, BRUNO ROGÉRIO - FMVZ
  • Unidade: FMVZ
  • Sigla do Departamento: VPT
  • Subjects: AVES (PATOLOGIA;ESTUDO); BACTÉRIAS GRAM-NEGATIVAS (CONTROLE); DOENÇAS INFECCIOSAS EM ANIMAIS (ESTUDO)
  • Keywords: Salmonella Enteritidis; Salmonella Enteritidis; Ácido Fórmico; Ácidos Orgânicos; Broiler; Formic Acid; Frango de Corte; Horizontal Transmission; Organic Acids; Transmissão Horizontal
  • Language: Português
  • Abstract: A salmonelose é uma das mais importantes causas de toxinfecção alimentar em humanos, provocando sérios problemas à saúde pública, além de ser uma das doenças de maior impacto na produção avícola. Em vista disso, este estudo objetivou avaliar o uso de ácido fórmico no controle de Salmonella Enteritidis (SE). Assim, foram utilizados 360 pintinhos de um dia de idade: 50% das aves foram inoculadas via inglúvio com 3x107 UFC/0,1mL de SE e 50% não (aves contactantes). As aves foram divididas em cinco (05) grupos com seis (06) repetições cada: T1) controle sem o aditivo; T2) ácido fórmico 0,3% na ração; T3) ácido fórmico 0,2% na ração; T4) ácido fórmico diluído em água de beber até que a mesma atingisse um pH 4; T5) ácido fórmico 0,2% protegido na ração. As aves receberam ácido do 1º ao 7º dia e do 35º ao 42º dia. A cada sete dias, amostras de fezes foram colhidas da cama em todos os grupos para se avaliar o isolamento de SE. Aos 42 dias foram colhidas à necropsia amostras de inglúvio, fígado/baço e ceco para o isolamento de SE e sangue para a avaliação sorológica. Nas aves do T1, do T2 e do T5 SE foi isolada do inglúvio, fígado/baço e ceco das aves inoculadas e das contactantes. Houve isolamento de SE no T3 apenas em inglúvio e ceco das aves inoculadas e, no T4, apenas do ceco das contactantes. Em todos os grupos SE foi reisolada do material da cama, embora não em todas as semanas. A avaliação sorológica realizada com teste comercial de ELISA revelou aves sororeagentes no T1(inoculadas e contactantes), no T2 (inoculadas) e no T3 (contactantes). Nenhuma ave foi sororeagente no T4 e T5. A transmissão horizontal foi evidenciada em todos os grupos estudados. Os dados foram comprovados por ANOVA e teste LCD. Nos grupos T3 e T4 o ácido fórmico foi eficaz em reduzir a presença e a transmissão horizontal de SE
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.06.2014
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RUI, Bruno Rogério; RASO, Tânia de Freitas. Uso do ácido fórmico no controle de Salmonella Enteritidis em frangos de corte experimentalmente infectados. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10133/tde-09102014-120048/ >.
    • APA

      Rui, B. R., & Raso, T. de F. (2014). Uso do ácido fórmico no controle de Salmonella Enteritidis em frangos de corte experimentalmente infectados. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10133/tde-09102014-120048/
    • NLM

      Rui BR, Raso T de F. Uso do ácido fórmico no controle de Salmonella Enteritidis em frangos de corte experimentalmente infectados [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10133/tde-09102014-120048/
    • Vancouver

      Rui BR, Raso T de F. Uso do ácido fórmico no controle de Salmonella Enteritidis em frangos de corte experimentalmente infectados [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10133/tde-09102014-120048/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021