Exportar registro bibliográfico

Avaliação da transferência placentária e pelo colostro de anticorpos IgG e IgA anti-Staphylococcus aureus em mães com e sem colonização nasal (2014)

  • Authors:
  • Autor USP: Nadaf, Maria Isabel Valdomir - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MPE
  • Subjects: STAPHYLOCOCCUS; SISTEMA IMUNE; RECÉM-NASCIDO; PLACENTA; IMUNOGLOBULINAS
  • Keywords: Afinidade de anticorpos; Antibody affinity; Colostro; Colostrum; Imunidade materno-adquirida; Imunoglobulina A; Imunoglobulina G; Immunity, maternally-acquired; Immunoglobulin A; Immunoglobulin G; Infant, newborn; Placenta; Recém-nascido; Staphylococcus aureus
  • Language: Português
  • Abstract: A transferência passiva de anticorpos da mãe para o filho auxilia na adaptação ao meio externo. No recém-nascido (RN), a colonização pelo Staphylococcus aureus (S. aureus) é precoce, sendo este um importante agente etiológico em infecções neonatais e no lactente jovem, para o qual ainda não se dispõem de vacina. OBJETIVOS: Avaliar as concentrações, títulos e avidez de anticorpos maternos anti-S. aureus do tipo IgG e IgA e a passagem desses anticorpos para os RN por transferência placentária e pelo colostro. MÉTODOS: Estudo caso-controle de 147 parturientes saudáveis. Foram coletadas amostras de soros maternos, de cordão umbilical e colostro. O grupo caso foi definido pela colonização nasal natural pelo S. aureus, sendo que para cada caso (n=49) foram selecionados 2 controles (n=98). Foram utilizadas as metodologias de imunoturbidimetria para dosagem de IgG total, ensaio imunoenzimático para dosagem IgA total e para a aferição das concentrações e títulos de anticorpos específicos anti-S. aureus (IgG sérica, subclasses séricas IgG1 e IgG2, IgA de colostro e os índices de avidez). Foram aplicados testes não paramétricos de Wilcoxon para amostras pareadas e de Mann-Whitney para amostras não pareadas, com intervalo de confiança de 95%, nível de significância p < 0,05.RESULTADOS: No grupo caso, as concentrações séricas de IgG total materna foram maiores mas com menor taxa de transferência placentária de IgG total, ocorrendo o inverso para o grupo controle. Não foram observadas diferenças nas concentrações séricas de IgG materna anti-S. aureus entre os grupos, mas com taxa de transferência placentária significantemente menor no grupo caso. Observou-se que os títulos específicos de IgG1 anti-S. aureus foram mais baixos no soro materno e no cordão do grupo caso, com taxas de transferência similar para os grupos caso e controle. Para os títulos específicos de IgG2 anti-S. aureus, não foram observadas diferenças entre os grupos caso e controle, com taxas de transferência similares entre os grupos. Observou-se que os títulos de IgG2 foram maiores que os de IgG1, tanto no soro materno como no de cordão em ambos os grupos. No soro materno e de cordão, não foram encontradas diferenças entre os grupos nos ensaios de avidez de IgG anti-S. aureus. No estudo de colostro, a concentração de IgA total foi maior no grupo caso, mas sem diferenças entre os grupos para a IgA anti-S. aureus. A comparação da avidez de anticorpos IgA anti-S. aureus do colostro com a de IgG anti-S. aureus do soro materno, em ambos os grupos, mostrou que a avidez de IgA foi maior. CONCLUSÕES: Os resultados demonstraram que a colonização nasal materna por S. aureus não esteve associada com uma maior transferência para o RN de anticorpos IgG ou IgA específicos via placenta ou colostro. A maior transmissão de títulos elevados de IgG2 específicos para o recém-nascido, isto é, anticorpos com uma baixa atividade opsonizante, reitera a maior susceptibilidade neonatal para este agente patogênico. A IgA secretora no colostro apresentou melhor índice de avidez do que a IgG do soro, o que corrobora com a importância da amamentação nos primeiros meses de vida
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.06.2014
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NADAF, Maria Isabel Valdomir; PALMEIRA, Patricia. Avaliação da transferência placentária e pelo colostro de anticorpos IgG e IgA anti-Staphylococcus aureus em mães com e sem colonização nasal. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5141/tde-26082014-112537/pt-br.php >.
    • APA

      Nadaf, M. I. V., & Palmeira, P. (2014). Avaliação da transferência placentária e pelo colostro de anticorpos IgG e IgA anti-Staphylococcus aureus em mães com e sem colonização nasal. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5141/tde-26082014-112537/pt-br.php
    • NLM

      Nadaf MIV, Palmeira P. Avaliação da transferência placentária e pelo colostro de anticorpos IgG e IgA anti-Staphylococcus aureus em mães com e sem colonização nasal [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5141/tde-26082014-112537/pt-br.php
    • Vancouver

      Nadaf MIV, Palmeira P. Avaliação da transferência placentária e pelo colostro de anticorpos IgG e IgA anti-Staphylococcus aureus em mães com e sem colonização nasal [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5141/tde-26082014-112537/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021