Exportar registro bibliográfico

Indução de estresse de retículo endoplasmático como estratégia de quimiossensibilização de melanoma (2014)

  • Authors:
  • Autor USP: SAITO, RENATA DE FREITAS - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MDR
  • Subjects: ESTRESSE; MELANOMA (EPIDEMIOLOGIA); APOPTOSE; ANTIBIÓTICOS
  • Keywords: Autofagia; Autophagy; Cisplatin; Cisplatino; Endoplasmic reticulum stress; Estresse de retículo endoplasmático; Factor transcription CHOP; Fator de transcrição CHOP; Melanoma; Melanoma; Resposta a proteínas não dobradas; Unfolded protein response
  • Language: Português
  • Abstract: Embora muitos estudos tenham contribuído para o esclarecimento do processo de tumorigênese em melanomas, ainda não há tratamento eficaz para melanomas metastáticos. Esta ineficácia terapêutica pode estar relacionada com a adaptação e seleção de células de melanoma à indução de estresse de RE. Ultrapassar os níveis sustentados de estresse de RE, interferindo nas vias de adaptação a este estresse, foi o alvo deste estudo na tentativa de propor uma nova estratégia terapêutica para sensibilizar células de melanoma a morte induzida por cisplatina. Mostramos que GADD153, um dos componentes da via de UPR (Unfolded Protein Response) responsável por induzir apoptose em reposta ao estresse de RE, está excluída do núcleo em melanomas primários, metástases ganglionares e viscerais. Este dado sugere que a localização citoplasmática do fator de transcrição GADD153 possa estar envolvida na resposta adaptativa de melanomas ao estresse de RE, uma vez que se sabe que GADD153 se acumula no núcleo em resposta a este estresse. Investigamos se a indução de estresse de RE seria capaz de induzir a translocação de GADD153 para o núcleo e resultar na sensibilização de células de melanoma a morte induzida por cisplatina (CDDP). Realizamos o tratamento de células de melanoma (SbCl2, Mel85, SK-MEL- 29, SK-MEL-28 e SK-MEL-147) com tunicamicina (Tuni), indutor clássico de estresse de RE, previamente ao tratamento com CDDP. Demonstramos que em todas as linhagens exceto em SK-MEL-29, houve um aumento na porcentagem de células hipodiploides (>50%) no tratamento combinado (Tuni>CDDP) comparado ao tratamento com CDDP.As células SK-MEL-147 se mostraram mais sensíveis à indução de estresse de RE e as células SK-MEL-29 mais resistentes. Algumas diferenças entre estas linhagens como a expressão de GRP78 de superfície e presença de oligossacarídeos ?1-6 ligados de superfície podem estar relacionadas com esta resposta diferencial ao estresse de RE. Em todas as linhagens verificamos a acúmulo dos marcadores de UPR, GRP78 e GADD153, após o tratamento com tunicamicina. Além disso, GADD153 foi direcionada para o núcleo em reposta ao tratamento com tunicamicina. O acúmulo de vacúolos acídicos, da proteína autofágica LC3-II e de ROS após o tratamento com Tuni>CDDP, sugerem que tanto a autofagia quanto o estresse oxidativo parecem estar envolvidos na resposta de sensibilização. A inibição de autofagia com cloroquina aumentou a morte induzida por Tuni>CDDP, sugerindo que autofagia desempenha função protetora neste esquema terapêutico. Testamos um segundo agente genotóxico, temozolomida (TMZ), uma droga equivalente à dacarbazina, e a mesma capacidade de sensibilização foi observada pelo prévio tratamento com tunicamicina. A validação deste conceito in vivo foi dificultada pela acentuada toxicidade apresentada por tunicamicina. Avaliamos alguns candidatos a agentes estressores do RE que poderiam apresentar menor toxicidade celular, como swainsonina, atorvastatina, metformina e o composto de cobre [Cu2(apyhist)2(dpam)](ClO4)4.No entanto, não obtivemos resultados promissores com nenhum destes candidatos. Estes resultados mostram que as células tumorais podem ser pré-condicionadas à morte celular se expostas a um prévio estressor de RE, como Tuni, o que leva ao comprometimento da resposta adaptativa a indutores de morte celular como CDDP e TMZ. No entanto, ainda é necessário o estudo de agentes indutores de estresse de RE pouco tóxicos para que esta estratégia terapêutica possa ser utilizada em pacientes com melanoma
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 13.06.2014
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SAITO, Renata de Freitas; CHAMMAS, Roger; OTAKE, Andreia Hanada. Indução de estresse de retículo endoplasmático como estratégia de quimiossensibilização de melanoma. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-26082014-085846/ >.
    • APA

      Saito, R. de F., Chammas, R., & Otake, A. H. (2014). Indução de estresse de retículo endoplasmático como estratégia de quimiossensibilização de melanoma. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-26082014-085846/
    • NLM

      Saito R de F, Chammas R, Otake AH. Indução de estresse de retículo endoplasmático como estratégia de quimiossensibilização de melanoma [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-26082014-085846/
    • Vancouver

      Saito R de F, Chammas R, Otake AH. Indução de estresse de retículo endoplasmático como estratégia de quimiossensibilização de melanoma [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-26082014-085846/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021