Exportar registro bibliográfico

Estudo de propriedades ópticas de partículas de aerossol não esféricas / (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: MORAIS, JULIO CESAR - IAG
  • Unidade: IAG
  • Sigla do Departamento: ACA
  • Subjects: AEROSSOL; TRANSFERÊNCIA RADIATIVA
  • Language: Português
  • Abstract: As partículas de aerossol possuem um importante papel no sistema atmosférico pela sua capacidade de afetar o saldo radiativo de duas maneiras distintas, a direta, através do espalhamento e absorção da radiação, e a indireta, interagindo com as nuvens. Pode-se notar que nem sempre as partículas de aerossol são esféricas e em alguns casos ficam muito distante desta forma. No entanto, pela sua maior simplicidade matemática, a teoria Lorenz-Mie, baseada na solução das equações de Maxwell na fronteira de uma esfera dielétrica vem sendo usada com sucesso para descrever a interação entre a radiação eletromagnética e as partículas de aerossol. Entretanto, nas últimas décadas, considerando a importância dos aerossóis não esféricos, como poeira, na atmosfera, diversos estudos têm sido conduzidos para solucionar o problema do espalhamento de radiação por partículas não esféricas. Este trabalho utilizou o código T-Matrix para obtenção das propriedades ópticas de partículas de aerossol não esféricas com a finalidade de comparar seus resultados com os obtidos para a forma esférica. Subsequentemente fez-se uso do código de transferência radiativa LibRadTran, no qual se utilizaram as propriedades obtidas através do T-Matrix, para estudar como a não esfericidade do aerossol pode influenciar parâmetros relevantes na atmosfera, tais como a taxa de aquecimento e a irradiância difusa descendente. Os resultados mostraram que existe uma significativa diferença no valor da função de fase para ângulos traseiros, variando entre 20% e 60%, e podendo chegar a mais de 80%, importando possíveis dificuldades para sensoriamento remoto. Outro resultado obtido foi que um modelo para aerossóis esféricos superestimaria a irradiância em no máximo 20% e a radiância em até 40%. Além disso, o modelo esférico subestimaria entre 0,5% e 28% o valor da taxa de aquecimento em relação a qualquer valor de razão de (Continuação)(Continua) aspecto testado neste trabalho. Concluiu-se que existem diferenças entre utilizar um modelo esférico ou não esférico de aerossóis, o que implica possíveis discrepâncias entre a observação e o resultado teórico. Entretanto o incremento no custo computacional e a maior complexidade decorrente da adoção de um modelo de partículas não esféricas faz com que ainda seja mais vantajosa, em algumas aplicações práticas, a utilização de um modelo esférico.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.06.2013

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MORAIS, Julio Cesar; YAMASOE, Marcia Akemi. Estudo de propriedades ópticas de partículas de aerossol não esféricas /. 2013.Universidade de São Paulo, São Paulo,, 2013.
    • APA

      Morais, J. C., & Yamasoe, M. A. (2013). Estudo de propriedades ópticas de partículas de aerossol não esféricas /. Universidade de São Paulo, São Paulo,.
    • NLM

      Morais JC, Yamasoe MA. Estudo de propriedades ópticas de partículas de aerossol não esféricas /. 2013 ;
    • Vancouver

      Morais JC, Yamasoe MA. Estudo de propriedades ópticas de partículas de aerossol não esféricas /. 2013 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021