Exportar registro bibliográfico

Simulação numérica de incêndios de superfície na Região Amazônica com modelo de turbulência de grandes estruturas (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: MENDES, PAULO ROBERTO BUFACCHI - EP
  • Unidade: EP
  • Sigla do Departamento: PME
  • Subjects: INCÊNDIOS FLORESTAIS (SIMULAÇÃO NUMÉRICA); TURBULÊNCIA ATMOSFÉRICA; COMBUSTÃO
  • Language: Português
  • Abstract: O incêndio florestal é uma complexa combinação de energia liberada na forma de calor devido ao processo de combustão com o transporte dessa energia para o ar e o combustível à sua volta. O primeiro é o domínio da química e ocorre na escala de moléculas e o segundo é o domínio da física e ocorre em escalas de até quilômetros. É a interação desses processos sobre uma ampla gama de escalas temporais e espaciais envolvidas no incêndio florestal que faz a modelagem do seu comportamento uma tarefa tão difícil. A propagação do incêndio através de vegetação rasteira e folhas mortas foi simulada numericamente usando uma formulação física. A abordagem utilizada foi tridimensional e transiente, e baseada em uma descrição dos fenômenos físicos que contribuem para a propagação de um incêndio de superfície através de uma camada de combustível. Neste cenário de incêndio, existem duas regiões: vegetação e ar, cada uma com suas próprias propriedades físicas e, embora elas precisem ser integradas no mecanismo de solução, há diferentes fenômenos que ocorrem em cada uma. Na região de vegetação, a abordagem é representá-la como partículas submalha cercadas de ar. O caráter heterogêneo da vegetação, como sua natureza, folhagens, pequenos galhos, etc. foi levado em conta usando propriedades físicas médias características da floresta amazônica. Os fenômenos físicos na região de vegetação são a evaporação da sua umidade, a pirólise e a transferência de calor por radiação e por convecção. Na região do ar, a combustão com chama ocorre em um ambiente turbulento, onde as transferências de calor por radiação e por convecção desempenham um papel significativo.Para incorporar a radiação dos gases de combustão, o modelo físico emprega o método de volumes finitos, que resolve a equação de transferência de calor por radiação como uma equação de transporte para um número finito de discretos ângulos sólidos, e que pode ser usado em uma ampla faixa de espessuras óticas e meios participantes. A combustão turbulenta para a fase gasosa é modelada com base no modelo “Eddy Dissipation Concept” (EDC). O modelo de combustão turbulenta adota a hipótese de reação química infinitamente rápida entre o combustível e o oxigênio e é controlado apenas pela velocidade de mistura desses reagentes. Esse modelo representa bem a física de incêndios em ambientes ventilados, como é o caso dos incêndios florestais. Para incluir os efeitos do fluxo turbulento é utilizado o método “Large Eddy Simulation” (LES), que calcula explicitamente as grandes estruturas turbulentas, mas trata a dissipação e a cascata inercial em escalas menores usando aproximações na escala submalha. As regiões de vegetação e ar trocam massa e energia. O comportamento da mistura gasosa resultante da degradação térmica da vegetação e das reações de combustão é regido pelas equações de Navier-Stokes. As equações que regem os modelos físicos são formuladas como equações diferenciais parciais que são resolvidas por métodos numéricos. O método utilizado para discretização das equações é o método de diferenças finitas em malha deslocada. O modelo numérico utilizado resolve as equações de Navier-Stokes para fluidos compressíveis usando o filtro de Favre. A dissipação de energia cinética é obtida através de um fechamento simples para a tensão turbulenta: o modelo de coeficiente constante de Deardorff. O transporte turbulento de calor e massa é contabilizado pelo uso, respectivamente, de números de Prandtl e de Schmidt turbulentos constantes.Os resultados das simulações do modelo físico descrito foram comparados aos dados experimentais obtidos em campo para a propagação do incêndio na floresta amazônica. Apesar da idealização das condições de combustível, vento e as incertezas dos dados experimentais, as previsões do modelo estão na mesma ordem de grandeza dos experimentos. As ROS experimentais variam de 0,12 +/-0,06 a 0,35+/-0,07 m/min. Mesmo considerando-se o desvio padrão da ROS experimental, os valores das ROS simuladas ficaram dentro do erro experimental somente em dois de sete casos. As simulações mostraram que os parâmetros importantes para o modelo são a área superficial por volume da vegetação, sua densidade aparente e sua umidade. Como o coeficiente de absorção por radiação é função direta da densidade aparente e da área superficial por volume da vegetação, esses parâmetros afetam o comportamento numérico do incêndio de superfície. De acordo com os resultados das simulações numéricas, a umidade da vegetação também tem importância no incêndio de superfície. A temperatura inicial da vegetação e a umidade do ar não influenciam a ROS. As simulações também mostraram que o processo de radiação é muito importante, e afeta diretamente todos os demais processos e a ROS. A convecção tem importância muito menor. A coerência das ROS experimental e numérica em função da densidade aparente de material combustível e da umidade da vegetação foi investigada. O modelo numérico acerta a tendência esperada em oito das nove combinações de casos. No único caso em que a tendência da ROS a partir da simulação numérica é contrária ao esperado, a variação é marginal (0,21 para 0,20 m/min). Já o experimento acerta a tendência em cinco dos casos. A ROS a partir simulação numérica teve mais coerência e foi mais satisfatória que a ROS experimental.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.11.2013
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MENDES, Paulo Roberto Bufacchi; KRIEGER FILHO, Guenther Carlos. Simulação numérica de incêndios de superfície na Região Amazônica com modelo de turbulência de grandes estruturas. 2013.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3150/tde-22102014-170555/pt-br.php >.
    • APA

      Mendes, P. R. B., & Krieger Filho, G. C. (2013). Simulação numérica de incêndios de superfície na Região Amazônica com modelo de turbulência de grandes estruturas. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3150/tde-22102014-170555/pt-br.php
    • NLM

      Mendes PRB, Krieger Filho GC. Simulação numérica de incêndios de superfície na Região Amazônica com modelo de turbulência de grandes estruturas [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3150/tde-22102014-170555/pt-br.php
    • Vancouver

      Mendes PRB, Krieger Filho GC. Simulação numérica de incêndios de superfície na Região Amazônica com modelo de turbulência de grandes estruturas [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3150/tde-22102014-170555/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021