Exportar registro bibliográfico

Fontes de ácidos graxos ω-6 na alimentação de vacas leiteiras (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: ARAUJO, CYBELE EMILIA DE - FMVZ
  • Unidade: FMVZ
  • Sigla do Departamento: VNP
  • Subjects: ALIMENTAÇÃO ANIMAL; SUPLEMENTOS ALIMENTARES PARA ANIMAIS; ÁCIDOS GRAXOS
  • Keywords: Blood parameters; Dairy cows; Digestibilidade; Digestibility; Lipídios; Lipids; Parâmetros sanguíneos; Produção e composição do leite; Production and milk composition; Vacas leiteiras
  • Language: Português
  • Abstract: O objetivo desse estudo foi avaliar os efeitos de diferentes fontes de ácidos graxos ω-6 na suplementação de vacas em lactação sobre o consumo e digestibilidade da matéria seca e nutrientes, fermentação e síntese proteína microbiana ruminal, produção e composição do leite, parâmetros sanguíneos e balanço de energia e nitrogênio. Foram utilizadas 16 vacas da raça Holandesa, agrupadas em quatro quadrados latinos 4x4, balanceados e contemporâneos, recebendo as seguintes dietas: 1) Controle; 2) Óleo de Soja; 3) Sais de cálcio de ácidos graxos (MEGALAC-E®;, Química Geral do Nordeste e Arm & Hammer, Inc.); e 4) Sais de cálcio de ácidos graxos, (LACTOPLUS®, Dalquim-Nutriacid Nutrição e Ciência). As dietas 2, 3 e 4 receberam a inclusão de 3% das fontes de ácidos graxos ω-6 na dieta, e a forragem usada no experimento foi silagem de milho. A produção de leite e o consumo de matéria seca foram mensurados diariamente durante todo o período experimental, mas somente os últimos sete dias foram usados para os cálculos. A digestibilidade foi determinada utilizando o indicador interno FDAi. As amostras utilizadas para análise da composição do leite foram coletadas no 16o dia de cada período experimental, sendo provenientes das duas ordenhas diárias. As amostras de sangue foram coletadas em tubos vacuolizados por punção da veia e/ou artéria coccígea. As amostras de líquido ruminal foram coletadas com a utilização de sonda esofágica três horas após a alimentação matinalHouve redução no consumo de matéria seca para as dietas com adição de ácidos graxos em relação à dieta controle. O consumo matéria orgânica, fibra detergente neutro e carboidratos não fibrosos diminuíram quando adicionado lipídios nas dietas experimentais. O consumo de proteína bruta foi maior para a dieta controle, e entre as fontes de ácidos graxos a dieta com óleo de soja apresentou menor consumo de proteína bruta que as dietas com sais de cálcio. Ainda, as dietas com adição de ácidos graxos apresentaram maior consumo de extrato etéreo, e as fontes de sais de cálcio tiveram redução no consumo de extrato etéreo em relação à dieta com óleo de soja. Não foi observado efeito para o consumo de NDT entre as dietas experimentais, no entanto o consumo de energia líquida de lactação foi maior para as dietas com ácidos graxos em relação a dieta controle. A digestibilidade da matéria seca, matéria orgânica, proteína bruta, fibra detergente neutro e carboidratos não fibrosos não foram influenciadas pela adição de lipídios na dieta. A digestibilidade do NDT apresentou efeito da adição de lipídios e as dietas contendo ácidos graxos tiveram maiores coeficientes de digestibilidade em relação à dieta controle. Não houve efeito dos tratamentos nos valores de pH ruminal na concentração de nitrogênio amoniacal ruminal e na fermentação ruminal. A produção de leite e produção de leite corrigida (kg/dia) para gordura não apresentaram efeito das dietas experimentais, assim como a concentração erendimento de lactose. A produção de gordura (kg/dia) foi menor para a dieta com óleo de soja em relação á dieta com sais de cálcio, no entanto a porcentagem de gordura no leite não foi influenciada pelas dietas experimentais. A produção de proteína (kg/dia) também não sofreu alteração pelos tratamentos, no entanto a concentração de proteína foi menor para a dieta com óleo de soja do que as demais. As dietas experimentais não influenciaram a síntese de proteína microbiana. O balanço de energia não teve efeito de tratamento. O consumo de nitrogênio e a excreção de fezes (g/dia) foram maiores para a dieta controle em relação às dietas com fontes de ácidos graxos e a dieta com óleo de soja apresentou menor consumo de nitrogênio do que as dietas com sais de cálcio, no entanto o balanço de nitrogênio não apresentou efeito. As concentrações de colesterol total e colesterol-HDL foram maiores para as vacas alimentadas com rações contendo ácidos graxos. A utilização de ácidos graxos insaturados ω-6 nas dietas experimentais de vacas em lactação alterou o consumo e digestibilidade dos nutrientes, a produção de gordura, composição proteica do leite e as concentrações de colesterol e HDL-colesterol
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.09.2013
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ARAUJO, Cybele Emília de; RENNÓ, Francisco Palma. Fontes de ácidos graxos ω-6 na alimentação de vacas leiteiras. 2013.Universidade de São Paulo, Pirassununga, 2013. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10135/tde-18112013-143432/ >.
    • APA

      Araujo, C. E. de, & Rennó, F. P. (2013). Fontes de ácidos graxos ω-6 na alimentação de vacas leiteiras. Universidade de São Paulo, Pirassununga. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10135/tde-18112013-143432/
    • NLM

      Araujo CE de, Rennó FP. Fontes de ácidos graxos ω-6 na alimentação de vacas leiteiras [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10135/tde-18112013-143432/
    • Vancouver

      Araujo CE de, Rennó FP. Fontes de ácidos graxos ω-6 na alimentação de vacas leiteiras [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10135/tde-18112013-143432/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021