Exportar registro bibliográfico

O papel da angiogênese e linfangiogênese tumoral no adenocarcinoma pancreático (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: ZORGETTO, VERÔNICA ASSALIN - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RPA
  • Subjects: ADENOIDECTOMIA; PÂNCREAS; IMUNOHISTOQUÍMICA; PROGNÓSTICO
  • Language: Português
  • Abstract: O câncer de pâncreas é um tumor raro com taxa de sobrevida extremamente baixa. Os fatores de risco incluem o uso de tabaco e o consumo excessivo de álcool, ambos de forma crónica, além da presença de doenças inflamatórias crónicas, tais como pancreatite e diabetes tipo 2. A angiogênese e, mais recentemente, a linfangiogênese, são considerados fatores cruciais para a progressão das neoplasias. Saber os perfis angiogênicos e linfangiogênicos de um tumor pode providenciar novos insights para o desenvolvimento de tratamentos diferenciados de acordo com o comportamento tumoral. O objetivo deste estudo foi avaliar a expressão do VEGF-A no adenocarcinoma pancreático, bem como a relação entre a densidade vascular sanguínea e linfática com características clínicas e patológicas de importância prognóstico em tumores pancreáticos. Para este estudo, amostras de tumor de 100 pacientes diagnosticados com câncer de pâncreas entre 1990 e 2010 foram selecionadas para o microarranjo tecidual que foi submetido à análise imunoistoquímica da expressão do VEGF-A. Para a contagem de vasos sanguíneos e linfáticos tumorais, 63 casos foram selecionados por conter material suficiente para a realização do corte tradicional e, em seguida, foram submetidos à reação de imunoistoquímica com anticorpo CD34 para os vasos sanguíneos e com o anticorpo D2-40 para vasos linfáticos. Nesse estudo, idade avançada, diabetes tipo 2 e pancreatite crónica prévios foram considerados fatores prognósticos para o câncer de pâncreas. A densidade de vasos sanguíneos (BVD) não apresentou qualquer relação com os dados clínicos e patológicos ou com o evento morte enquanto que a densidade de vasos linfáticos (LVD) apresentou uma relação inversa com o evento morte (p=0,002). Também encontramos uma associação significativa entre a baixa LVD (p=0,021) e a expressão de VEGF-A (p=0,023) com a baixa sobrevidado paciente. Nossos dados superem que a carcinogênese pancreático está relacionada com processos inflamatórios crónicos, como o diabetes tipo 2 e a pancreatite crónica. A angiogênese e a linfangiogênese podem ser consideradas eventos precoces na carcinogênese, visto que irão sustentar a drenagem tumoral e as primeiras metástases. Hipotetizamos que a baixa LVD seja em decorrência de um crescimento acelerado do tumor, acabando por inutilizar os vasos linfáticos que estavam presentes. Tumores com baixa LVD seriam aqueles de crescimento rápido e que se encontram em estádio mais avançado, 0 que explicaria a baixa sobrevida dos pacientes. Dessa forma, a expressão do VEGF-A assim como a baixa LVD podem ser consideradas fatores prognósticos ruins uma vez que tumores com este perfil apresentam rápido crescimento e alta agressividade
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.10.2013

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ZORGETTO, Verônica Assalin zorgetto; SILVA, Alfredo Ribeiro. O papel da angiogênese e linfangiogênese tumoral no adenocarcinoma pancreático. 2013.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2013.
    • APA

      Zorgetto, V. A. zorgetto, & Silva, A. R. (2013). O papel da angiogênese e linfangiogênese tumoral no adenocarcinoma pancreático. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Zorgetto VA zorgetto, Silva AR. O papel da angiogênese e linfangiogênese tumoral no adenocarcinoma pancreático. 2013 ;
    • Vancouver

      Zorgetto VA zorgetto, Silva AR. O papel da angiogênese e linfangiogênese tumoral no adenocarcinoma pancreático. 2013 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021