Exportar registro bibliográfico

Evolução do limiar doloroso avaliado por meio da estimulação elétrica em pacientes com dor pélvica crônica. Comparação com a resposta clínica ao tratamento (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: GURIAN, MARIA BEATRIZ FERREIRA - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RGO
  • Subjects: PELVE; DOENÇA CRÔNICA; DOR (EXPERIMENTAÇÃO); ANSIEDADE; DEPRESSÃO; AVALIAÇÃO TERAPÊUTICA
  • Language: Português
  • Abstract: Objetivo: Este estudo teve como objetivo avaliar o comportamento do limiar experimental doloroso, por meio da estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) em pacientes com dor pélvica crônica, antes e, após 6 meses de tratamento. Métodos: Neste estudo transversal, 59 mulheres, com diagnóstico clínico de dor pélvica crônica (DPC), foram avaliadas antes da intervenção terapêutica e 6 meses após o tratamento. O valor do limiar doloroso (LD) foi obtido por eletroestimulação transcutânea na face anterior do braço não dominante. Avaliou-se, ainda, a intensidade de dor através da Escala Visual Analógica (EVA), Escala Categórica Numérica (ECN) e Questionário McGill, e os sintomas de ansiedade e depressão através da Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HAD). Resultados. O LD foi de 14,00 (5-30,33) antes do tratamento da DPC e 16,33 (9-28,67) após (P<0,0001). A mediana da proporção de aumento do LD foi 24% (-26% a 233%) nas pacientes que melhoraram e 13% (-6% a 65%) nas que mantiveram a dor após o tratamento (p=0,0495). O LD quando do diagnóstico apresentou média de 14,02‘+ OU –’4,55 nas mulheres que melhoraram com o tratamento e, 14,36‘+ OU –’4,11 nas que não melhoraram (OR=0,98, IC95%%: 0,84-1,13). O resultado da melhora clínica avaliado pela EVA foi de 65 mm antes do tratamento e 40 mm após o tratamento (p<0,0001), pela ECN a média foi de 3, antes tratamento e, 2 após (p<0,0001) e pelo McGill total, antes foi de 37 e após tratamento 26 (p=0,0099). Quanto aos escores dos sintomas de ansiedade antes do tratamento foi 12 e após 10 p= (0,0185), já dos sintomas de depressão antes foi 10 e após tratamento foi 8 p=(0,0155). Conclusões. O LD aumenta com o tratamento da DPC e seu aumento proporcional está associado à melhora clínica do quadro de dor. O valor absoluto do LD no momento do diagnóstico não é preditor de resposta da dor ao tratamento
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 02.08.2013

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GURIAN, Maria Beatriz Ferreira; REIS, Francisco José Candido dos. Evolução do limiar doloroso avaliado por meio da estimulação elétrica em pacientes com dor pélvica crônica. Comparação com a resposta clínica ao tratamento. 2013.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2013.
    • APA

      Gurian, M. B. F., & Reis, F. J. C. dos. (2013). Evolução do limiar doloroso avaliado por meio da estimulação elétrica em pacientes com dor pélvica crônica. Comparação com a resposta clínica ao tratamento. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Gurian MBF, Reis FJC dos. Evolução do limiar doloroso avaliado por meio da estimulação elétrica em pacientes com dor pélvica crônica. Comparação com a resposta clínica ao tratamento. 2013 ;
    • Vancouver

      Gurian MBF, Reis FJC dos. Evolução do limiar doloroso avaliado por meio da estimulação elétrica em pacientes com dor pélvica crônica. Comparação com a resposta clínica ao tratamento. 2013 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021