Exportar registro bibliográfico

As estratégias tecnológicas das montadoras globais e as verticais tecnológicas em motorização (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: RODRIGUES, FRANCISCO CARLOS TADEU STARKE - FEA
  • Unidade: FEA
  • Sigla do Departamento: EAD
  • Subjects: INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS (ADMINISTRAÇÃO); INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA; DESIGN; DOMINÂNCIA; ESTRATÉGIAS MUNDIAIS; TECNOLOGIA
  • Keywords: Automobile industry; Dominance; Global strategies; Technological innovations; Technology
  • Language: Português
  • Abstract: As formas alternativas de motorização e o atual design dominante, o motor de combustão interna (ICE), disputam as maiores atenções das montadoras globais. Muitas estratégias tecnológicas em motorização emergem a todo o momento, seja para preservar o ICE, seja para criar alternativas a ele. Durante os anos de 2011 e 2012, foram estudadas 25 montadoras globais, que representam 87% das vendas globais, por meio de seus movimentos estratégicos em torno da motorização. Utilizando-se um estudo exploratório múltiplo de casos e como método de pesquisa a \"grounded research\", coletou-se cerca de 1.200 dados e informações relacionadas a estratégias tecnológicas das montadoras e demais stakeholders da indústria automobilística em torno da motorização. A seguir, esses dados foram classificados de acordo com as fases de dominância do arcabouço de Suarez (2004). Construiu-se um trio de construtos para suportar teoricamente a pesquisa: estratégias tecnológicas, teoria institucional e design dominante. As estratégias tecnológicas em motorização se desenvolvem em 4 verticais tecnológicas: Combustão Interna, Eletrificação, Hibridização Eletrificada e Hibridização Não Eletrificada. Há mais esforço sendo empreendido na fase de pós - dominância, o que denota o desejo da indústria automobilística em estender a vida do ICE, exaurindo-o ao máximo. Nesta fase, existe relativa homogeneidade entre as montadoras; chegam a ser isomórficas e ter comportamentos miméticos. Nas fases de pré - dominância, noentanto, há grande heterogeneidade nas fases de pesquisa e desenvolvimento, viabilidade técnica e criação de mercado de formas alternativas de motorização; na busca de criar alternativas ao ICE, todas as montadoras estão testando de tudo, mas há claramente opções tecnológicas mais específicas sendo feitas por cada uma. Não se comprovou o \'efeito manada\' esperado, inferindo-se que há entre as montadoras interpretações distintas do ambiente institucional. A maioria das montadoras revela trabalhar mais com os híbridos elétricos na fase da criação de mercado, sinalizando que, depois de duas décadas de investimentos nas alternativas ao ICE, seria hora de tomar uma decisão em torno de uma única tecnologia alternativa; ou seja, a vertical tecnológica Hibridização Eletrificada é a que mais tem se aproximado de um desafio mais contundente ao ICE. Algumas montadoras se destacam em veículos elétricos (EVs), casos da Nissan - Renault e General Motors; outras se destacam em híbridos elétricos (HEVs) e híbridos elétricos plug - in (PHEVs), como Toyota, Volkswagen - Audi e PSA Peugeot Citroën. Já a Honda e a Hyundai se mostram confiantes nos híbridos movidos a células de hidrogênio (FCEVs). A hibridização não eletrificada é uma aposta da Tata e da Ford. As montadoras globais adotam estratégias globais, mas o palco das experimentações são EUA, Alemanha, Japão, Reino Unido e China. Apesar de haver experimentos das start - ups nas fases de pré - dominância, parece pouco provável que umanova entrante venha a competir com as montadoras veteranas. Não se evidenciou qualquer movimento que indicasse estratégias tecnológicas que tenham emergido nas subsidiárias; na verdade, elas atuam como vetores na implantação das estratégias definidas pelas matrizes. Há uma derivação muito forte da vertical tecnológica Combustão Interna, os bi - combustíveis, em particular o flex - fuel brasileiro, com a dupla gasolina - etanol e o flex - fuel americano, com gás natural comprimido e gasolina ou diesel, apostas de Chrysler e General Motors. O desenvolvimento de combustíveis fósseis gasosos e renováveis líquidos como substitutos da gasolina e do diesel é mais robusto que os HEVs e acabam por se comportar como barreiras de entrada contra as formas alternativas de motorização. O design dominante atual continua \'dando as cartas\' e não demonstra que deixará de ser o paradigma em motorização
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.09.2013
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RODRIGUES, Francisco Carlos Tadeu Starke; YU, Abraham Sin Oih. As estratégias tecnológicas das montadoras globais e as verticais tecnológicas em motorização. 2013.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-08112013-180545/ >.
    • APA

      Rodrigues, F. C. T. S., & Yu, A. S. O. (2013). As estratégias tecnológicas das montadoras globais e as verticais tecnológicas em motorização. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-08112013-180545/
    • NLM

      Rodrigues FCTS, Yu ASO. As estratégias tecnológicas das montadoras globais e as verticais tecnológicas em motorização [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-08112013-180545/
    • Vancouver

      Rodrigues FCTS, Yu ASO. As estratégias tecnológicas das montadoras globais e as verticais tecnológicas em motorização [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-08112013-180545/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021