Exportar registro bibliográfico

Análise da pronúncia de aprendizes japoneses no Brasil: produção das estruturas silábicas CVC e CCV (2013)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: NOMURA, GUSTAVO MASSAMI - FFLCH
  • Unidades: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLC
  • Subjects: AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM; APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA; LÍNGUA JAPONESA; LÍNGUA PORTUGUESA; FONOLOGIA
  • Keywords: Análise de erros; Error analysis; Português como segunda língua (PL2); Portuguese as a second language (PSL)
  • Language: Português
  • Abstract: Apesar de o Brasil ser o país com a maior comunidade japonesa fora do Japão, ainda há poucos estudos sobre a aquisição e aprendizagem do português por falantes japoneses. Partindo da descrição do sistema silábico da língua portuguesa (CÂMARA JR., 1970; FERREIRA NETTO, 2001; CRISTÓFARO SILVA, 2009; CAGLIARI, 2007; CAVALIERE, 2005) e da língua japonesa (SHIBATANI, 1987; ITÔ, 1986; McCAWLEY, 1968; HINDS, 1986), pretende-se observar por meio da Análise de Erros (CORDER, 1967) quais as estratégias utilizadas por falantes japoneses em processo de aprendizagem da língua portuguesa para pronunciar duas estruturas silábicas que não existem em sua língua materna: sílabas CVC terminadas em /r/ ou /s/, e sílabas com mais de uma consoante pré-vocálica do tipo CCV, com /r/ ou /l/ ocupando a segunda posição de ataque. A partir dessa observação, busca-se determinar quais dessas estruturas representam maior dificuldade para o aprendiz japonês. Para a composição do corpus, foram criados dezenove nomes fictícios com as estruturas silábicas em questão e sete informantes foram gravados. Ainda que não tenha sido uma pesquisa quantitativa, por meio da comparação dos resultados foi possível verificar a maior facilidade de produzir sílabas CVC em relação às CCV e, para a maioria, o número de acertos foi maior com a consoante /s/ em posição de coda e /r/ na segunda posição de ataque complexo. Quanto à estratégia utilizada, o uso de inserção vocálica foi maior que o de apagamento, exceto quando /r/ocupa a posição de coda. A pesquisa mostrou que a dificuldade maior ou menor do aprendiz pode ser entendida a partir de processos fonológicos que acontecem na L1, no caso a língua japonesa
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 02.07.2013
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NOMURA, Gustavo Massami; AMADO, Rosane de Sa. Análise da pronúncia de aprendizes japoneses no Brasil: produção das estruturas silábicas CVC e CCV. 2013.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-13092013-121329/ >.
    • APA

      Nomura, G. M., & Amado, R. de S. (2013). Análise da pronúncia de aprendizes japoneses no Brasil: produção das estruturas silábicas CVC e CCV. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-13092013-121329/
    • NLM

      Nomura GM, Amado R de S. Análise da pronúncia de aprendizes japoneses no Brasil: produção das estruturas silábicas CVC e CCV [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-13092013-121329/
    • Vancouver

      Nomura GM, Amado R de S. Análise da pronúncia de aprendizes japoneses no Brasil: produção das estruturas silábicas CVC e CCV [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-13092013-121329/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020