Exportar registro bibliográfico

Avaliação fonoaudiológica do indivíduo com fissura labiopalatina: fala e audição (2013)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: PENNA, SÍLVIA HELENA ALVAREZ PIAZENTIN - HRAC ; TOTTA, TATIANE - HRAC
  • Unidades: HRAC; HRAC
  • Subjects: FISSURA LÁBIOPALATINA; DISTÚRBIOS DA FALA; TRANSTORNOS DA AUDIÇÃO
  • Language: Português
  • Abstract: Avaliação perceptivo-auditiva da fala A fala é uma complexa função do processo de comunicação, e está interrelacionada à organização e planejamento do ato motor, assim como, é dependente da integridade dos aspectos da linguagem, audição e neuromuscular. No entanto, no indivíduo com fissura, a fala pode ser prejudicada pelas configurações dentofaciais decorrentes das cirurgias primárias (queiloplastia e palatoplastia), como a restrição do crescimento maxilar, assim como, também pode ser afetada pela presença de alterações morfofuncionais como a disfunção velofaríngea e/ou a ocorrência de fístulas ou deiscências nos palatos duro ou mole, além de mecanismos compensatórios que podem tornar a fala ininteligível. Tais alterações, quando presentes, dificultam a comunicação do indivíduo com fissura, muitas vezes, estigmatizando-o perante a sociedade. Sendo assim, a avaliação da produção da fala (enfatizando-se os aspectos da ressonância e articulação) torna-se fundamental para o diagnóstico e tratamento das alterações de comunicação oral de indivíduos com fissura labiopalatina. No exame clínico, inicialmente, realiza-se uma entrevista com o paciente, de modo informal, na qual serão investigados os aspectos relacionados à comunicação do mesmo, como as queixas e auto-imagem relacionadas à fala, e observadas as dificuldades de comunicação apresentadas pelo mesmo durante a amostra de fala espontânea. Um outro aspecto importante é a avaliação morfofuncional dos órgãos fonoarticulatórios (enfatizando-se os aspectos da fala e função velofaríngea) das seguintes estruturas: palato duro e véu palatino, onde se observa a configuração, cicatrização, extensão (curto, regular, longo), mobilidade se ausente ou presente (pouca, regular, boa), inserção do músculo levantador do palato (anterior, média, posterior, indefinida) e a (Continua)(Continuação) presença de fístula e sua localização. Quanto ao palato, na condição de “normalidade”, espera-se encontrá-lo íntegro ou operado, com extensão longa, ausência de fístulas, inserção posterior do músculo levantador do palato e com boa mobilidade. Outras estruturas que também devem ser avaliadas são: paredes laterais e posterior da faringe (ausência, presença de movimento); tonsilas (palatinas e faríngea); lábios (estética, cicatrização, simetria, função, selamento, tonicidade); língua (configuração, função, posição em repouso, freio, tonicidade); e arcadas dentárias (oclusão, conservação, falhas dentárias). As funções neurovegetativas como deglutição, mastigação sucção e respiração devem ser avaliadas sempre que necessário. Os distúrbios da fala usualmente ocorrem nos casos de fissuras palatinas (pós-forame incisivo, transforame incisivo ou nos casos de fissura submucosa e submucosa oculta, quando sintomáticas para a fala), as quais dificultam a formação de pressão aérea intra-oral para a produção de diversos fonemas, o que não ocorre com os pacientes com fissuras labiais (pré-forame incisivo), os quais podem apresentar alterações relacionadas à condição dento-oclusal. Sendo assim, independente do tipo de fissura apresentada pelo indivíduo, especial atenção deve ser dada à avaliação da voz, ressonância de fala, inteligibilidade de fala, e articulação. A produção vocal é avaliada nos aspectos quanto à qualidade vocal, intensidade (loudness), tom vocal (pitch), e entonação. Da mesma maneira, também se observa o tipo articulatório e a velocidade de fala, assim como outras possíveis alterações como: disfluência, dispraxia, apraxia, disartria, entre outras. A inteligibilidade e a ressonância da fala são avaliadas por meio da avaliação perceptivoauditiva de amostras de fala dirigida (Continua)(Continuação) (vocábulos e sentenças foneticamente balanceados) e espontânea. No que diz respeito à inteligibilidade de fala podemos classificá-la como adequada quando se apresenta dentro dos limites de normalidade, e quando a fala é sempre fácil de ser compreendida. Na condição de alterada, pode ser nas formas leve, quando é ocasionalmente difícil de ser compreendida; moderada, quando a fala é frequentemente difícil de ser compreendida, e grave, quando a dificuldade na compreensão da fala é presente na maior parte do tempo. Para a avaliação da ressonância da fala é realizado o Teste de Emissão Nasal, utilizando-se o espelho de Glatzel colocado sob as narinas do paciente durante a emissão de fonemas orais (isolados e prolongados e em vocábulos com fonemas plosivos e fricativos). O teste é considerado positivo (+) diante do embaçamento do espelho, o que é indicativo de escape aéreo nasal, e negativo (-) na ausência de escape aéreo nasal. No Teste de Hipernasalidade solicita-se a emissão prolongada das vogais /i/ e /u/ e vocábulos com fonemas orais em duas situações (com e sem pinçamento das narinas pelo examinador). Quando se detecta auditivamente diferença na ressonância entre as duas situações de emissão, o teste é considerado positivo (+), ou seja, indicativo de presença de hipernasalidade. Quando não há alteração durante as emissões o teste é negativo (-), sendo sugestivo de ausência de hipernasalidade. No Teste de Hiponasalidade realiza-se o mesmo procedimento descrito acima, porém durante a emissão de vocábulos com fonemas nasais. É considerada presença de hiponasalidade quando não ocorre modificação entre a emissão com e sem pinçamento das narinas. Dessa forma, a ressonância pode ser classificada em equilibrada, hipernasal (leve, moderada ou grave), hiponasal (presente ou ausente) ou mista: - Equilibrada: quando a (Continua)(Continuação) nasalidade não excede as características regionais da fala, e não há evidência perceptiva de distúrbios da fala específicos da fissura. - Hipernasalidade leve: quando a nasalidade excede a nasalidade considerada normal para a região. Pode ser considerada socialmente aceitável (hipernasal leve aceitável) ou inaceitável (hipernasal leve perceptível). Na hipernasalidade leve aceitável, o fonoaudiólogo não indicará tratamento cirúrgico após a avaliação instrumental, e na hipernasalidade leve perceptível, poderá haver indicação de tratamento físico. - Hipernasalidade moderada: a hipernasalidade é percebida de forma disseminada e chama atenção do interlocutor durante a fala, sendo considerada socialmente inaceitável. O fonoaudiólogo provavelmente recomendará tratamento físico após a avaliação instrumental. - Hipernasalidade grave: a hipernasalidade é generalizada e interfere na compreensão da fala, sendo socialmente muito inaceitável. Após avaliação instrumental, definitivamente será indicado tratamento físico. - Hiponasalidade (presente ou ausente): é uma diminuição ou insuficiência da nasalidade nas consoantes nasais e vogais. - Mista: quando estão presentes as ressonâncias hipernasal e hiponasal. Faz-se necessária, também, a avaliação clínica dos distúrbios da fala, visto que de um modo geral, os indivíduos com fissura labiopalatina podem apresentar: Distúrbios fonológicos que estão relacionados a produção inadequada dos sons e uso inadequado das regras fonológicas da língua; - Distúrbios articulatórios compensatórios (DAC), resultantes da tentativa que o indivíduo faz de compensar a válvula velofaríngea deficiente, não conseguindo impor pressão aérea na cavidade oral, utilizando-se outros pontos que não são comuns à nossa língua para a produção dos fonemas. Os DAC mais comumente encontrados são: (Continua)(Continuação) golpe de glote, plosiva faríngea, plosiva dorso médio palatal, fricativa faríngea, fricativa velar e fricativa nasal posterior. Podem ocorrer tanto em substituição à produção correta do fonema, como associados à produção correta do ponto articulatório do fonema, denominando-se coarticulações compensatórias. - Distúrbios obrigatórios, decorrentes da disfunção velofaríngea, podendo ser hipernasalidade, emissão de ar nasal (audível ou não), fraca pressão aérea intra-oral, movimentos nasais associados, ronco nasal. A hipernasalidade é a ocorrência de ressonância nasal excessiva em sons não nasalisados. A emissão de ar nasal corresponde ao escape de ar inapropriado pela cavidade nasal durante a produção de fonemas de pressão. A fraca pressão aérea intra-oral representa o enfraquecimento da pressão intra-oral, tornando a emissão ineficaz mesmo com o ponto articulatório correto. Os movimentos nasais associados são movimentos involuntários na região nasal que podem ocorrer associados ou não aos fonemas que apresentam emissão de ar nasal. O ronco nasal representa uma turbulência de ar audível durante a emissão de fonemas orais. - Adaptações compensatórias, geradas pelas distorções na produção articulatória decorrentes de alterações estruturais como as deformidades dentofaciais, tais como mordida classe III de Angle, deficiência ântero-posterior e/ou vertical do crescimento da maxila, ou a protrusão da pré-maxila. Esses dados devem ser complementados, sempre que necessário, por exames objetivos e métodos instrumentais como a nasofaringoscopia, a videofluoroscopia, a nasometria e a técnica fluxo-pressão. Os resultados são analisados conjuntamente, proporcionando adequadas condutas terapêuticas e/ou cirúrgicas, o que contribui para a reabilitação dos indivíduos com fissura labiopalatina e sua inserção na (Continua)(Continuação) comunidade. Avaliação audiológica Indivíduos com fissura labiopalatina, principalmente as crianças, podem apresentar consideráveis alterações do sistema de condução do som, com consequente perda auditiva. No entanto, verifica-se que a ocorrência de perda auditiva é variável conforme o tipo de fissura, sendo menos frequente nas fissuras isoladas de lábio (pré-forame incisivo) e mais comum nas fissuras que acometem o palato (transforame, pós-forame incisivo e submucosa). A efusão da orelha média tem sido apontada como um fator desencadeante dessa perda auditiva, em virtude da malformação anatômica e da deficiência funcional da musculatura da tuba auditiva, devido provavelmente à incompetência dos músculos tensor e levantador do véu palatino. Tais alterações têm como consequência uma tendência a processos inflamatórios crônicos, otite média serosa e comprometimento auditivo. Na audiometria são verificados graus variados de perda auditiva, com predominância do tipo condutivo bilateral de grau leve ou de leve a moderado. Da mesma maneira, na imitanciometria são frequentes as curvas timpanométricas tipo B, indicando ausência do pico indicativo de pressão e presença de efusão na orelha média, assim como curvas tipo As, representando compliância estática diminuída, e curvas tipo C, indicando pressão da cavidade timpânica em níveis negativos. Além disso, verifica-se, comumente, ausência dos reflexos estapedianos. Quando necessário, também podem ser utilizados outros métodos de avaliação audiológica, como a Emissão Otoacústica (EOA) e o Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico (PEATE). No entanto, esses testes ainda têm sido descritos recentemente nessa população, necessitando de estudos adicionais quanto à sua aplicabilidade em diversos tipos de fissuras, faixas etárias e períodos pós-cirúrgicos. E ainda, (Continua)(Continuação) verifica-se na literatura que a aplicação das EOA pode ser mais sensível em crianças com fissuras pré-forame incisivo ou fissuras submucosas, uma vez que aquelas com fissuras palatinas não operadas podem apresentar interferência nos registros do exame, devido a aspectos como sucção ou colocação da língua na região da fissura não operada, assim como ruídos fisiológicos. Da mesma maneira, diante da presença de otite média com efusão, comum nessa população, e pressão negativa na caixa timpânica, pode haver diminuição da amplitude das EOA ou até eliminação das respostas. O tratamento indicado pelo médico otorrinolaringologista pode ser cirúrgico e/ou associado a tratamento medicamentoso, levando-se em conta as recorrências de otite média apresentadas pelos indivíduos com fissura labiopalatina. Os tratamentos cirúrgicos envolvem a inserção de tubo de ventilação, a timpanoplastia e a mastoidectomia. No tratamento da otite média, a inserção de tubo de ventilação visa substituir, temporariamente ou permanentemente, a tuba auditiva. No entanto, seu uso pode trazer complicações, como as placas de timpanoesclerose e as perfurações da membrana timpânica. Além disso, nos pacientes com fissura labiopalatina, as perfurações timpânicas também podem ser decorrentes de infecções recorrentes e otites secretoras com efusão. A timpanoplastia pode ser utilizada na reconstrução do sistema tímpano-ossicular e pode ser associada à mastoidectomia, diante da ocorrência de colesteatoma, patologia também prevalente nessa população. As malformações de orelha externa podem ocorrer de forma isolada ou associadas à síndromes, podendo comprometer o pavilhão auditivo ou associadas à atresia ou agenesia do meato acústico externo, havendo ou não alteração da orelha média, predominando nesses pacientes as perdas auditivas do tipo (Continua)(Continuação) condutivo. Portanto, torna-se imprescindível a avaliação e o acompanhamento audiológico do indivíduo com fissura labiopalatina, com equipe interdisciplinar (fonoaudiólogo e otorrinolaringologista) o mais precocemente possível, para que sejam realizados o diagnóstico, encaminhamentos e tratamentos adequados evitando-se, assim, que uma deficiência auditiva se instale, levando à privação sensorial da criança, com prejuízo para o desenvolvimento de fala, da linguagem, e do processamento auditivo, comprometendo também, o prognóstico e a evolução do processo fonoterapêutico, quando necessário ao tratamento da fala do indivíduo
  • Imprenta:
  • Source:
  • Conference title: Curso de Anomalias Congênitas Labiopalatinas

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PIAZENTIN-PENNA, Sílvia Helena Alvarez; TOTTA, Tatiane. Avaliação fonoaudiológica do indivíduo com fissura labiopalatina: fala e audição. Anais.. Bauru: Universidade de São Paulo, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, 2013.
    • APA

      Piazentin-Penna, S. H. A., & Totta, T. (2013). Avaliação fonoaudiológica do indivíduo com fissura labiopalatina: fala e audição. In Anais. Bauru: Universidade de São Paulo, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais.
    • NLM

      Piazentin-Penna SHA, Totta T. Avaliação fonoaudiológica do indivíduo com fissura labiopalatina: fala e audição. Anais. 2013 ;
    • Vancouver

      Piazentin-Penna SHA, Totta T. Avaliação fonoaudiológica do indivíduo com fissura labiopalatina: fala e audição. Anais. 2013 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020