Exportar registro bibliográfico

Atuação da fisioterapia na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais (2013)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: LOPES, INEIDA MARIA BACHEGA - HRAC ; ARRUDA, KARINE APARECIDA - HRAC
  • Unidade: HRAC
  • Subjects: FISIOTERAPIA; REABILITAÇÃO; ANORMALIDADES CRANIOFACIAIS
  • Language: Português
  • Abstract: O objetivo principal da Seção de Fisioterapia do HRAC-USP é promover a reabilitação de pacientes com malformações craniofaciais utilizando técnicas fisioterápicas especificas. As áreas de atuação incluem: ambulatório e internação. 1) Ambulatório - Análise do prontuário: são coletados dados de identificação (nome, idade, sexo e procedência), classificação da fissura e síndrome, aspectos cirúrgicos (data e descrição dos procedimentos), e quando houver, os atendimentos realizados previamente pela equipe de fisioterapia. - Entrevista: realizada com o paciente ou acompanhante, recebendo informações sobre a história da moléstia atual (HMA), história da gestação, do parto e intercorrências perinatais. Realizada avaliação neuromotora para verificar o desenvolvimento neuropsicomotor, de acordo com a idade do paciente. - Exame físico: Aspectos cirúrgicos: além dos dados colhidos no próprio prontuário é realizada a avaliação do resultado do procedimento cirúrgico. Observam-se edema pós-operatório, alterações de sensibilidade, cicatrizes cirúrgicas – hipercromia, aderências, hipertrofias e retrações cicatriciais. Aspectos Musculares: observa-se o tônus e trofismo muscular, presença de encurtamento, contraturas e quadros de algia. Alterações Ortopédicas: são descritas as deformidades ósseas, dentre as mais comuns a assimetria de crânio e/ou de tórax, micrognatia com ou sem limitação de amplitude de movimento (ADM) de articulação temporomandibular (ATM), limitação da ADM de outras articulações, pé torto congênito unilateral ou bilateral, alterações posturais (cifose, escoliose, lordose), hipoplasias de membros ou dedos, crepitações e algias. Condições Respiratórias: são descritos e observados quadros de gripes comuns, processos alérgicos, bronquite, asma, pneumonia de repetição, dispnéia, alterações de (Continua)(Continuação) saturação periférica de oxigênio, padrão respiratório (intercostal, diafragmático, misto ou costodiafragmático), presença de traqueostomia, tosse e expectoração. - Hipótese diagnóstica (HD): com base em uma anamnese é determinado provável diagnóstico do paciente. - Conduta fisioterápica: é estabelecida baseada na HD, podendo ser indicada terapia ortopédica, postural, neuromotora, orofacial, respiratória e orientação pós-cirúrgica ou de atividades de vida diária (AVD), além de cartas de encaminhamento para o tratamento em outras unidades. 2) Internação Pós-operatório: estão internados os pacientes procedentes do centro cirúrgico. A fisioterapia visa promover analgesia e redução de edema cirúrgico e sangramento, com a realização da crioterapia. Em alguns casos há a necessidade da realização da terapia respiratória. Berçários 1 e 2 (pediatria): estão internados nesses leitos pacientes que provavelmente serão submetidos a um procedimento cirúrgico e também aqueles que já realizaram cirurgia. Os pacientes são avaliados tanto no período pré como pós-operatório e é estabelecida a HD e plano de tratamento a ser desenvolvido durante a internação. São fornecidas as orientações para realização das massagens no pós-operatório de queiloplastia, alongamento de columela e macrostomia, objetivando a melhora do aspecto, elasticidade, sensibilidade e vascularização do lábio, evitando alterações cicatriciais como aderências e retrações. É realizada a entrega de um manual explicativo para os acompanhantes. Setor de adultos (feminino e masculino) e isolamento: se encontram internados pacientes em pré e pós-operatório. Os pacientes são avaliados, sendo estabelecidos a HD e plano de tratamento. Os procedimentos variam de acordo com o quadro clínico apresentado pelo paciente e a cirurgia a qual ele foi submetido. As (Continua)(Continuação) intervenções realizadas nesse setor incluem: crioterapia, cinesioterapia, treinamento para uso de órtese, exercícios de mímica facial, drenagem linfática facial, orientações de massagens pós-operatórias (após queiloplastia, macrostomia e alongamento de columeta) e terapia respiratória. Unidade de Cuidados Especiais (UCE) (O a 1 ano): são internados nessa unidade pacientes que necessitam de tratamento clínico ou cirúrgico com alterações de maiores riscos. São normalmente pacientes com casos associados às síndromes complexas, doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), alterações respiratórias, pneumonia, distúrbios da deglutição, deformidades musculoesqueléticas, alterações neurológicas e orofaciais. A rotina consiste em realizar a avaliação inicial com análise de prontuário, entrevista, exame físico, inspeção. Com base na avaliação e consequente HD é estabelecido o plano de tratamento. São realizadas terapias durante o período de internação, conforme indicação do fisioterapeuta ou prescrição médica. As terapias executadas podem ser: neuromotoras, ortopédicas, respiratórias, orofaciais e termoterapia. Unidade de Terapia Intensiva (UTI) (pediatria e adultos): são admitidos pacientes procedentes de outras instituições ou transferidos da UCE, berçários, centro cirúrgico ou setor de adultos após intercorrências clínicas ou pós-operatórias. De acordo com a prescrição médica, aplica-se a avaliação inicial, com o preenchimento de uma ficha específica de avaliação respiratória, onde consta: HMA, HD, tipo de cirurgia realizada, inspeção, ausculta e palpação, além da observação dos exames de imagem e terapia medicamentosa. Após minuciosa avaliação, são determinados os objetivos da atuação fisioterapêutica e traçado o plano de tratamento, que é alterado a cada reavaliação a beira do leito que é (Continua)(Continuação) realizada antes de cada intervenção. Nessa unidade, normalmente são realizadas as terapias respiratórias, motoras e termoterapia
  • Imprenta:
  • Source:
  • Conference titles: Curso de Anomalias Congênitas Labiopalatinas

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LOPES, Ineida Maria Bachega; ARRUDA, Karine Aparecida. Atuação da fisioterapia na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais. Anais.. Bauru: Universidade de São Paulo, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, 2013.
    • APA

      Lopes, I. M. B., & Arruda, K. A. (2013). Atuação da fisioterapia na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais. In Anais. Bauru: Universidade de São Paulo, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais.
    • NLM

      Lopes IMB, Arruda KA. Atuação da fisioterapia na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais. Anais. 2013 ;
    • Vancouver

      Lopes IMB, Arruda KA. Atuação da fisioterapia na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais. Anais. 2013 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021