Exportar registro bibliográfico

Assistência de enfermagem na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais (2013)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MONDINI, CLEIDE CAROLINA DA SILVA DEMORO - HRAC ; TRETTENE, ARMANDO DOS SANTOS - HRAC ; LISBOA, ISABEL AURELIA - HRAC ; BERALDO, CAROLINA CANTATORE - HRAC ; BERTOLINI, LILIAN REGINA LEANDRO - HRAC ; SHINOMIA, MARCIA TOITA - HRAC ; HERRERA, MARIA CRISTINA AVANZZI - HRAC
  • Unidades: HRAC; HRAC; HRAC; HRAC; HRAC; HRAC; HRAC
  • Subjects: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM; ANORMALIDADES CRANIOFACIAIS; REABILITAÇÃO
  • Language: Português
  • Abstract: O curso de Anomalias Congênitas Labiopalatinas tem por finalidade aprofundar os conhecimentos específicos e as habilidades técnicas no cuidado aos pacientes com fissuras Labioplatinas e síndromes associadas. A capacitação do enfermeiro para a assistência humanizada e de alta complexidade é indispensável na equipe interdisciplinar. A assistência de enfermagem do HRAC-USP está inserida em todas as Seções que atendem pacientes com anomalias craniofaciais; Seções de: Internação, Semi-intensiva e Intensiva, Ambulatório, Centro Cirúrgico e Central de Material e Esterilização. O acompanhamento dos pais e/ou cuidadores durante a internação do paciente faz parte do Programa Mãe-participante, instituído nas unidades de pediatria e na Unidade de Cuidados Semiintensivos, compreendendo a permanência da mãe/cuidador durante a internação cirúrgica e/ou tratamento pediátrico na faixa etária de 0 a 4 anos para capacitação dos cuidadores para a manutenção dos cuidados após a alta hospitalar. Atualmente a média de internação é de 24 a 48 horas. A preocupação com os pacientes da faixa etária entre 4 e 18 anos estimulou-nos a ampliar a permanência do cuidador. A finalidade é minimizar os efeitos negativos que uma internação hospitalar pode trazer, além de colaborar com a recuperação cirúrgica, além da promoção do autocuidado. O atendimento sistematizado de enfermagem à gestante que dará á luz a uma criança com fissura labiopalatina e/ou anomalia craniofacial iniciou-se em 2008, em forma de projeto de pesquisa. É inevitável o impacto da família e da gestante mediante o diagnóstico ultrassonográfico de fissura labiopalatina. As principais reações emocionais da gestante e do casal/família que passa por essa situação, levam a reações emocionais como: choro, susto, ou surpresa, angústia, choque, culpa e tristeza. Esses sentimentos aparecem (Continua)(Continuação) devido à expectativa que os pais tem em relação à idealização do filho esperado e à detecção do filho real. Desencadeia-se na gestante, então, um processo de luto devido à perda concreta da figura do filho idealizado, evidenciando os sentimentos depressivos e de pesar. Alguns diagnósticos de enfermagem nesse contexto, tornam-se a base para o planejamento e posterior implementação das ações de enfermagem. As orientações são realizadas durante a consulta de enfermagem, visando obter resultados positivos frente à estimulação do vínculo materno-infantil, do incentivo ao aleitamento materno e do preparo para o cuidar do futuro bebê. Constata-se que as principais reações emocionais das gestantes são: choro; susto ou surpresa; angústia, choque, culpa, e tristeza. Estudos complementam que mães podem reagir com negação da realidade, isolamento, sensação de desamparo e impotência, ambivalência, rejeição, vergonha, raiva, pessimismo, frustração, e até somatização. Os sentimentos apresentados justificam-se pelas expectativas que os pais apresentam em relação ao filho e à adaptação do filho ideal para o real. A imagem mental que a gestante faz do seu bebê durante a gestação sofre alterações radicais, o que desencadeia um processo de luto; pois, embora não tenha ocorrido uma perda concreta, perdeu-se a figura idealizada do filho, o que evidencia os sentimentos depressivos e de pesar. A capacitação dos pais/cuidador e a aquisição de habilidades para o cuidar é de fundamental importância e relevante para o planejamento da assistência de enfermagem, envolvendo as técnicas de alimentação, higiene e conforto; cuidados pré e pós-operatório; manutenção das necessidades alimentares frente às dificuldades de sucção, deglutição, respiração e outras inerentes à natureza das malformações. A educação para o agente de autocuidado (Continua)(Continuação) e o planejamento para a alta são aspectos imprescindíveis e vitais para a elaboração do plano das ações do cuidar em enfermagem. O foco da atenção direciona-se à família, o meio onde a criança vive e depende dos seus para manter a demanda terapêutica. O enfermeiro avalia as necessidades de cuidados dos pacientes e identifica no cuidador sua capacidade para o autocuidado e o nível de prontidão para aprender e assim estabelecer prioridades no planejamento das ações. O planejamento da assistência de enfermagem individualizada está solidificada na fases da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), fundamentada na Teoria das Necessidades Humanas Básicas de Horta e na teoria do autocuidado de Orem. Utilizamos uma linguagem padronizada como a classificação internacional de diagnósticos, intervenções e resultados de enfermagem. A padronização da linguagem é importante instrumento para a assistência, pesquisa e ensino na enfermagem. O seu uso possibilita a organização e o resgate dos dados documentados. Os diagnósticos, enquanto processo de julgamento clínico, são conteúdos essenciais que devem figurar nos sistemas de informação em saúde. A utilização e o processamento eletrônico de dados clínicos têm sido desenvolvidos na proposta da construção de planilhas eletrônicas da SAE na Seção de Semi-Intensiva do HRAC-USP. A assistência de enfermagem na sala de exame de videoendoscopia da deglutição no HRACUSP tem a finalidade de atender o paciente com fissura labiopalatatina matriculados na Instituição com suspeita de distúrbios da deglutição associados a problemas respiratórios e alimentares. O enfermeiro realiza a consulta de enfermagem com a mãe/cuidador responsável do paciente, antes da realização do exame define quais os diagnósticos de enfermagem, intervenções e resultados de enfermagem compreendendo a (Continua)(Continuação) garantia da passagem segura de líquidos e sólidos da boca ao estômago controle dos fatores de risco para aspiração; controle do estado respiratório para troca de gases e ventilação adequados. A humanização do atendimento através do preparo da criança que será submetida à cirurgia de correção de fissura labiopalatina inclui a abordagem com o brinquedo terapêutico, que contribuiu para avaliar o comportamento infantil mediante a demonstração dos procedimentos em cenário lúdico. Os resultados ratificam a importância de que o brinquedo terapêutico é recurso de orientação e de educação especial no processo de reabilitação dos pacientes. Uma das primeiras preocupações da família ao receber a informação da malformação, é a de saber como lidar com a questão da alimentação do bebê. A assistência de enfermagem engloba, dentre outras, as atividades de educação, orientação, apoio e acompanhamento ao indivíduo e família, para a satisfação das suas necessidades básicas, a atuação da equipe de enfermagem nessa tarefa, juntamente com os demais profissionais envolvidos, é de extrema importância nesse processo de reabilitação, desde o momento do diagnóstico da fissura labiopalatina, seja durante a gestação ou após o parto. Embora as fissuras labiopalatinas contribuam para as limitações dos lactentes com relação à sucção e deglutição, sabe-se da viabilidade do aleitamento materno para crianças com essa malformação, sendo que a capacidade de adaptação dos mesmos para a obtenção do leite diretamente do peito varia de acordo com o tipo e complexidade da fissura. Dessa forma, crianças com fissuras que acometem o lábio e o palato, ou apenas o palato, apresentam-se em desvantagem para mamar diretamente no peito, em relação àquelas com fissura de lábio isolada; porém, tal fato não inviabiliza a amamentação, (Continua)(Continuação) mesmo que o desmame possa ocorrer mais precocemente. Para os bebês com fissura, destacam-se três aspectos básicos, tanto da importância do leite materno como da amamentação diretamente ao peito. São eles: proteção contra infecções do ouvido médio e respiratório às quais estão mais expostos; auxílio no estabelecimento do vínculo entre mãe e bebê, trazendo satisfação, prazer e segurança para o bebê e auxílio no desenvolvimento dos músculos da face que o mecanismo de sucção no peito pode promover. É imprescindível correlacionar à importância do conhecimento teórico/prático sobre o manejo da amamentação, com as especificidades da amamentação para o bebê com fissura, uma vez que o sucesso da amamentação depende, dentre outros fatores, tanto da produção e liberação do leite materno como da sucção eficiente do bebê, mesmo com suas limitações. As principais dificuldades relatadas pelas mães para a amamentação desses bebês, englobam as relacionadas à mãe, como: problemas com as mamas, cansaço e diminuição do leite e, as relacionadas ao bebê quanto à sucção não eficiente, dificuldade em manter a mama na boca, engasgos, tempo prolongada para a mamada, dificuldade de adequação da posição para mamar; irritabilidade do bebê e perda de peso. Para sanar as dificuldades, as mães que desejam amamentar criam estratégias próprias para a adaptação entre mãe e bebê. Porém, os próprios relatos maternos mostram que a atuação dos profissionais de saúde envolvidos com a alimentação dessas crianças é relevante uma vez que podem fornecer auxílio e propor ações para que as mulheres sintam-se mais seguras e consigam, com mais rapidez, a adequação necessária entre mãe e bebê para a amamentação. As estratégias utilizadas pelas mães normalmente estão relacionadas à mudança da posição da criança de acordo com o tipo(Continuação) e lateralidade da fissura. Porém, além dessas estratégias, é de suma importância o preparo do enfermeiro para orientações gerais sobre amamentação, incluindo o auxílio técnico e cuidados com as mamas, além de orientações específicas de acordo com as necessidades individuais do lactente e da mãe como: paciência; a mãe segurar a mama com a mão para permitir que o bebê mantenha o mamilo e auréola na boca e executar movimentos de expressão da mama para que o leite flua para a boca do bebê até que ele consiga estabelecer seu próprio mecanismo de sucção; amamentar com mais frequência e/ou fazer pausas durante a amamentação; ordenhar o leite e oferecê-lo ao final da mamada com colher ou copinho para que a criança não permaneça mamando por tempo prolongado, e consequentemente, gastando mais energia e sem ingerir quantidade suficiente de leite nessa fase de adaptação; apoiar a região mandibular ou manter o dedo polegar próximo à fissura enquanto segura a mama na boca do bebê para tentar oclui-la, auxiliando no selamento do lábio. Um aspecto que não pode ser esquecido é a posição do bebê que deve ser verticalizada para prevenir o escoamento do leite para o conduto auditivo principalmente para aqueles com fissura de palato ou de lábio e palato. Na impossibilidade do aleitamento materno, recomenda-se a ordenha manual do leite materno, oferecendo-o com colher ou mamadeira com bico ortodôntico. Orienta-se a higiene oronasal, antes e após cada mamada, com cotonete embebido em água filtrada ou fervida; oferecer a mamadeira em posição semi-sentada no colo; não apertar o bico nem a mamadeira e não aumentar o furo do bico devido risco de aspiração; colocar o bico da mamadeira no lado da fissura visando ao estímulo da musculatura facial afetada; orientar os cuidadores que a mamada pode demorar mais do que a de uma criança normal devido ao esforçoque dispende para sugar, causando cansaço e , com isso, interrupções frequentes durante as mamadas;após as mamadas,colocar em posição vertical, para eructar e, em seguida, no berço, em decúbito lateral, com a finalidade de prevenir riscos de aspiração, em caso de regurgitamento, ou asfixia, se houver refluxo pelas narinas de parte do leite ingerido. A assistência de enfermagem pré-operatória é realizada por equipe multiprofissional, para coletar dados relevantes, com a finalidade de orientar clientes e familiares, quanto ao procedimento anestésico-cirúrgico e de enfermagem, esclarecimento de dúvidas e atenuar a ansiedade. A visita pré-operatória é realizada pelo enfermeiro em grupo e individualmente, com orientações pertinentes ao preparo do cliente para a cirurgia: horários, medicação pré-anestésica, jejum, higiene e preparo do corpo e local a ser operado, monitorização do paciente, fluxo de encaminhamentos do cliente/acompanhante. Na admissão de paciente para cirurgia é verificado o jejum, a condição clinica, orientação específica, informações no cuidado pós-operatório e a presença do acompanhante no processo de cuidar. O paciente é preparado para a cirurgia e encaminhado ao centro cirúrgico. Os profissionais envolvidos na realização do ato anestésico-cirúrgico devem promover o conforto e a segurança, desde a recepção à alta, por meio de instrumentos que qualificam a assistência, bem como do uso equilibrado das tecnologias leves, leve-dura e dura. Na recuperação anestésica tem-se utilizado o índice de Aldrete e Kroulik. O enfermeiro avalia os sinais e sintomas referentes ao sistemas cardio-respiratório, neurológico, renal, suporte nutricional, eliminações, integridade da pele/tissular alterada relacionada à incisão cirúrgica, observação e controle dos riscos/sufocação, acesso venoso, promove segurança e conforto ao (Continnua)(Continuação) paciente). A Sistematização da Assistência de Enfermagem é operacionalizada em impresso de enfermagem, contemplando todas as fases do processo de enfermagem. O acompanhante/cuidador permanece com o paciente no pós-operatório, o que favorece a integralidade da assistência, o aprendizado efetivo para o auto- cuidado, proporciona o interrelacionamento da equipe de enfermagem e família. A assistência de enfermagem referente aos cuidados com o lactente com Sequência de Robin isolada é baseada nos construtos teóricos de Orem e nas necessidades humanas básicas de Wanda Horta A assistência visa à melhora da respiração e alimentação e os cuidados abrangem quatro categorias: intubação nasofaríngea (INF), posicionamento, alimentação por sonda nasogástrica (SNG), e manutenção das técnicas facilitadoras da alimentação (TFA). Quanto às intervenções relacionadas à INF, evidencia-se o preparo, inserção, fixação, verificação do posicionamento e higienização da cânula quanto ao tratamento postural, evidenciase a permanência em decúbito ventral ou lateral, com cabeceira elevada de 35 a 45°. Em relação à SNG, compreendem o posicionamento da sonda e do lactente, verificação do resíduo gástrico, controle do gotejamento e manutenção da permeabilidade da sonda. Já as intervenções relacionadas às TFA constam de monitorização por oximetria de pulso, posicionamento do cuidador e da criança, massagem para anteriorização da língua, estimulação não nutritiva, tamanho do furo do bico, densidade da dieta, respiração ruidosa durante a oferta, presença de tosse, engasgo e cianose. A gastrostomia/fundoplicatura é uma modalidade de tratamento indicada em casos mais graves de disfagia acompanhada de refluxo gastroesofágico e a traqueostomia em caso de obstrução grau II, quando não há melhora do padrão respiratório com a INF e (Continua)(Continuação) graus III e IV de obstrução. Todos os cuidados realizados são repassados para os cuidadores, a fim de prepará-los para autocuidado durante o período de internação, treinando-o e capacitando-o para a continuidade dos cuidados em seu domicílio, favorecendo a qualidade de vida desses lactentes com SRI. A distração osteogênica consta de uma modalidade alternativa, para o tratamento de deformidades craniofaciais, incluindo a microssomia hemifacial e micrognatia. Pode era empregada em diferentes estágios do crescimento e desenvolvimento craniofacial. Os distúrbios respiratórios relacionados à retrusão do terço médio da face, e à falta de proteção do globo ocular, têm sido utilizados como indicações absolutas para a intervenção, associada à remodelagem craniana. Os vetores da tração óssea, pontos decisivos no planejamento da cirurgia, têm relação direta como os distratores utilizados. A ativação do aparelho se inicia após cinco dias da instalação, na frequência de 1 mm ao dia. Esse padrão de distração tem sido preconizado, pois uma ativação mais lenta (menos que 0,5mm ao dia) pode levar a uma ossificação prematura e fusão dos segmentos ósseos. Por outro lado, uma ativação mais rápida (mais que 1,5 mm por dia) pode provocar a formação de um tecido fibroso no lugar do tecido ósseo. A distração osteogênica da maxila proporciona o alongamento ósseo estável em pacientes tratados de fissura labiopalatina, com deficiências póstero – anteriores da maxila, melhorando a classe oclusal e o perfil facial. O planejamento dos cuidados de enfermagem é baseado nos referenciais da NANDAInternacional e as intervenções na NIC. Os Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem mais frequentes são respectivamente: dor aguda - administração de analgésicos e controle da dor; risco de volume de líquidos deficiente - controle hídrico, (Continua)(Continuação) redução de sangramento; risco de infecçãocuidados com lesões e controle de infecção: trans-operatória; risco de aspiração- aspiração de vias aéreas e controle de vômito; integridade tissular prejudicada - supervisão da pele e posicionamento; integridade da pele prejudicada - prevenção de úlcera de pressão e cuidados com tração e mobilização
  • Imprenta:
  • Source:
  • Conference title: Curso de Anomalias Congênitas Labiopalatinas

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MONDINI, Cleide Carolina da Silva Demoro; TRETTENE, Armando dos Santos; LISBOA, Isabel Aurélia; et al. Assistência de enfermagem na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais. Anais.. Bauru: Universidade de São Paulo, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, 2013.
    • APA

      Mondini, C. C. da S. D., Trettene, A. dos S., Lisboa, I. A., Beraldo, C. C., Bertolini, L. R. L., Shinomia, M. T., & Herrera, M. C. A. (2013). Assistência de enfermagem na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais. In Anais. Bauru: Universidade de São Paulo, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais.
    • NLM

      Mondini CC da SD, Trettene A dos S, Lisboa IA, Beraldo CC, Bertolini LRL, Shinomia MT, Herrera MCA. Assistência de enfermagem na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais. Anais. 2013 ;
    • Vancouver

      Mondini CC da SD, Trettene A dos S, Lisboa IA, Beraldo CC, Bertolini LRL, Shinomia MT, Herrera MCA. Assistência de enfermagem na reabilitação de pacientes com anomalias craniofaciais. Anais. 2013 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020