Exportar registro bibliográfico

O estigma da doença mental: compreensão e ações dos trabalhadores dos CAPS (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: SANTOS, JUSSARA CARVALHO DOS - EE
  • Unidade: EE
  • Sigla do Departamento: ENP
  • Subjects: ESTIGMA; SAÚDE MENTAL; MARGINALIDADE SOCIAL; INCLUSÃO SOCIAL; TRANSTORNOS MENTAIS
  • Keywords: Mental health; Mental illness; Social exclusion; Social inclusion; Stigma
  • Language: Português
  • Abstract: O Estigma é definido como um atributo profundamente depreciativo, que aos olhos da sociedade serve para desacreditar a pessoa que o possui, contribuindo com a discriminação social. Durante séculos a pessoa com doença mental se sentiu estigmatizada porque ser vista como louca pelo grupo cultural com quem convive. Esta forma de produção cultural do estigma se dá de modo similar no Brasil. Desta forma, as equipes dos serviços substitutivos territoriais, como o CAPS, devem realizar ações que mude a questão cultural em relação à loucura para poder alcançar a superação do estigma da doença mental. Para que isso possa acontecer, os profissionais de saúde mental tem de reconhecer os usuários dos serviços substitutivos territoriais como cidadãos, caso contrário eles reforçarão o estigma e a discriminação já prevalentes na sociedade. A equipe multidisciplinar dos CAPS tem um papel importante para ampliar debates sobre os direitos e sobre a cidadania das pessoas com doença mental no seu território de atuação, informando às pessoas com e sem doença mental e aos empregadores sobre o propósito de diminuir a discriminação/estigma relacionado à doença mental. Esta equipe deve aproveitar as oportunidades dentro e fora do campo de trabalho em saúde mental para promover a inclusão social, a reabilitação psicossocial e a superação do estigma da doença mental na sociedade através de ações estratégicas no seu território de atuação. Desta maneira buscou-se contribuir para a formulação de ações de reabilitação psicossocial que contemplem a proposta de superação do estigma no território. A finalidade deste estudo é caracterizar as ações de superação do estigma desenvolvidas pela equipe multidisciplinar dos CAPS adultos e promover a sua reprodução por meio dos resultados do estudo.Para atingir esta finalidade os objetivos específicos foram: conhecer a compreensão dos profissionais das equipes multidisciplinares dos CAPS Adultos sobre o conceito de estigma da loucura; identificar as estratégias de intervenção para superar o estigma da doença mental realizadas por equipes multidisciplinares dos CAPS adultos em seu território de atuação e; analisar a possibilidade e a dificuldade das equipes multidisciplinares para a implementação das ações de superação do estigma. Nesta investigação optou-se por utilizar como base teórica a teoria sobre o estigma de Evining Goffman e como categoria analítica Reabilitação Psicossocial. O estudo foi realizado com os profissionais de saúde mental das equipes multidisciplinares dos CAPS adultos. Para a coleta de dados foram utilizadas entrevistas semi-estruturadas, enquanto que para apuração dos dados foi utilizada análise temática, a qual destacou como categorias empíricas: 1) processo de saúde-doença mental; 2) processo de estigma e exclusão social; e 3) processo de trabalho em saúde mental. Ao final do estudo foi possível perceber que as necessidades em saúde são extremamente dinâmicas tendo sua construção marcada social e historicamente, exigindo portanto que os serviços tenham a capacidade de desenvolver estratégias também dinâmicas e sensíveis, capazes de superar as ações rotineiras, passando para arranjos de escutar, reinterpretar e trabalhar as necessidades de saúde.Considera-se, portanto, que a proximidade dos CAPS com a sociedade facilita a inclusão social e a superação do estigma da doença mental e esta ajuda a transformar o imaginário social, e vice-versa. Observou-se que é preciso ter maior suporte do governo e das políticas públicas para que as equipes multidisciplinares consigam difundir as ações de superação do estigma da doença mental no seu território de atuação, este suporte pode ser oferecido através de campanhas para superação do estigma. Verificou-se também que as ações desempenhadas pelos profissionais entrevistados é o início para a superação do estigma da doença mental, mas é necessário que tenham suporte da lei e de várias instâncias da sociedade. O presente estudo reitera que o CAPS é um serviço-resposta da sociedade ao modelo manicomial, porém não resolve todos os problemas da sociedade em relação a loucura, e sim possibilita espaços para articular tensões, conflitos e possibilidades. Desta maneira compreende-se que os CAPS estão caminhando para a superação do estigma da doença mental nos seus territórios de atuação, através da promoção: de cidadania, da circulação no território e do poder contratual das pessoas com doença mental.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.07.2013
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SANTOS, Jussara Carvalho dos; BARROS, Sonia. O estigma da doença mental: compreensão e ações dos trabalhadores dos CAPS. 2013.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-11092013-151204/ >.
    • APA

      Santos, J. C. dos, & Barros, S. (2013). O estigma da doença mental: compreensão e ações dos trabalhadores dos CAPS. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-11092013-151204/
    • NLM

      Santos JC dos, Barros S. O estigma da doença mental: compreensão e ações dos trabalhadores dos CAPS [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-11092013-151204/
    • Vancouver

      Santos JC dos, Barros S. O estigma da doença mental: compreensão e ações dos trabalhadores dos CAPS [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-11092013-151204/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020