Exportar registro bibliográfico

Expressão da proteína cicloxigenase-2 no estriado de camundongos parkinsonianos tratados com L-DOPA (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: FRACASSO, DANIELLE DE OLIVEIRA TAVARES - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RNP
  • Subjects: FÁRMACOS (ANTAGONISTAS E INIBIDORES); DISCINESIAS; NEUROLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Estudos recentes demonstram que a inflamação desempenha um papel importante nos movimentos involuntários anormais que ocorrem como consequência do tratamento crónico por meio do precursor de dopamina 3,4-di-hidroxifenil-L-alanina (L-DOPA) na doença de Parkinson. A corticosterona, inibidor da atividade da cicloxigenase (COX), diminuiu a discinesia induzida por LDOPA em roedores com depleção dopaminérgica unilateral. Entre muitos fatores inflamatórios encontrados no cérebro parkinsoniano, a isoforma induzivel da cicloxigenase-2 (COX-2) é uma enzima critica no mecanismo de inflamação do sistema nervoso central. O objetivo geral do presente estudo foi investigar se a lesão dopaminérgica unilateral por microinjeção da neurotoxina 6-hidroxidopamina no estriado de camundongos induzia deficiências motores, juntamente com a expressão da enzima COX-2. Além disso, foi avaliado se o tratamento de animais hemiparkinsonianos com o precursor de dopamina a L-DOPA, com manifestação de movimentos involuntários anormais, modificava esta expressão. Foram utilizadas duas intensidades de lesão de neurônios dopaminérgicos, procurando determinar a especificidade e a magnitude do efeito sobre a expressão da enzima COX-2. Para avaliação do comportamento foram utilizados o teste do cilindro, o teste de comportamento rotatório induzido por anfetamina e a análise de movimentos involuntários anormais induzidos por L-DOPA. Nos animais controle e lesados foram analisadas as consequências celulares da lesão e do tratamento por meio da imunohistoquimica para tirocina hidroxilase (TH) e da enzima COX-2, utilizando-se anticorpos especificas. A lesão unilateral de terminais e neurônios dopaminérgicos induziu além de alterações na resposta motora dos animais, redução de terminais dopaminérgicos, o que permitiu a visualização de neurônios imunopositivos para a proteína TH no estriado, na região da lesão. A lesão resultou em modificaçõescelulares no estriado denervado, revelando a expressão de neurônios COX-2 positivos. O tratamento crónico com LDOPA aumentou a expressão da proteína COX -2 no estriado. A expressão neuronal das proteínas TH e COX-2 mostrou correlação positiva com a intensidade da lesão. Nossos resultados sugerem que a presença de neurônios COX-2 imunorreativos no estriado pode estar relacionado à resposta de longa duração da L-DOPA em camundongos hemiparinsonianos, no desenvolvimento de circuitos estritais anormais e no surgimento das discinesias induzds por L-DOPA
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 28.05.2013

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FRACASSO, Danielle de Oliveira Tavares; DEL BEL GUIMARÃES, Elaine Aparecida Belluz. Expressão da proteína cicloxigenase-2 no estriado de camundongos parkinsonianos tratados com L-DOPA. 2013.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2013.
    • APA

      Fracasso, D. de O. T., & Del Bel Guimarães, E. A. B. (2013). Expressão da proteína cicloxigenase-2 no estriado de camundongos parkinsonianos tratados com L-DOPA. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Fracasso D de OT, Del Bel Guimarães EAB. Expressão da proteína cicloxigenase-2 no estriado de camundongos parkinsonianos tratados com L-DOPA. 2013 ;
    • Vancouver

      Fracasso D de OT, Del Bel Guimarães EAB. Expressão da proteína cicloxigenase-2 no estriado de camundongos parkinsonianos tratados com L-DOPA. 2013 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021