Exportar registro bibliográfico

Ciclones secundários no sudoeste do atlântico sul :: climatologia e simulação numérica (2012)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: IWABE, CLARA MIHO NARUKAWA - IAG
  • Unidades: IAG
  • Sigla do Departamento: ACA
  • Subjects: CLIMATOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Os ciclones secundários são sistemas que ainda não são bem definidos e, assim, são fenômenos de difícil previsibilidade, necessitando de mais estudos para identificar os sinais que disparam seu desenvolvimento. Neste estudo realizou-se um levantamento climatológico e estudo numérico de ciclogênese secundária no sudoeste do Oceano Atlântico Sul com o objetivo de obter informações sobre a atuação destes sistemas e entender os processos dinâmicos envolvidos no seu desenvolvimento. Para o período entre 1980 e 2010, a climatologia mostra que uma média de 3,9 sistemas secundários se forma por ano no Oceano Atlântico Sul. Estes sistemas ocorrem com maior e menor frequência nos meses frios e quentes, respectivamente. Dois tipos distintos de ciclones secundários foram encontrados. TIPO1 que se forma a leste e na região da frente quente do ciclone primário. Estes sistemas se desenvolvem sob advecção quente nos baixos níveis e pouca influência de anomalias de vorticidade potencial (VP) de altos níveis; TIPO2 se desenvolve a oeste/noroeste do ciclone primário onde predomina forte advecção fria em baixos níveis. No entanto, fluxos de calor e umidade intensos contribuem para aquecer a baixa troposfera e em altos níveis são forçados por anomalias de VP. Simulações numéricas com o modelo Weather Research and Forecasting (WRF) indicam os fluxos de calor sensível e latente na superfície como mecanismos de intensificação dos ciclones secundários TIPO1 e TIPO2, sendo o fluxo de calor latente mais importante no abaixamento de pressão destes sistemas. Os experimentos numéricos mostram que o ciclone do TIPO2 não se desenvolve na ausência de anomalia de VP, enquanto que o TIPO1 se desenvolve mais fraco e atrasado no tempo. A análise por separação de fatores indica que a anomalia de VP e algum outro mecanismo não relacionado aos fatores avaliados nas simulações tiveram papel disparador (Continuação)(Continua) no ciclone do TIPO1, enquanto a interação da anomalia de VP com os fluxos de superfície atuou como intensificador. No TIPO2, o desenvolvimento ocorreu unicamente pela atuação da anomalia de VP, a qual também agiu como um intensificador juntamente com os fluxos de calor e umidade, bem como os processos de interação entre estes dois fatores.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.12.2012

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      IWABE, Clara Miho Narukawa; ROCHA, Rosmeri Porfírio da. Ciclones secundários no sudoeste do atlântico sul :: climatologia e simulação numérica. 2012.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
    • APA

      Iwabe, C. M. N., & Rocha, R. P. da. (2012). Ciclones secundários no sudoeste do atlântico sul :: climatologia e simulação numérica. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Iwabe CMN, Rocha RP da. Ciclones secundários no sudoeste do atlântico sul :: climatologia e simulação numérica. 2012 ;
    • Vancouver

      Iwabe CMN, Rocha RP da. Ciclones secundários no sudoeste do atlântico sul :: climatologia e simulação numérica. 2012 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020