Exportar registro bibliográfico

Vítimas de trauma admitidas em unidade de terapia intensiva: características e fatores associados à carga de trabalho de enfermagem (2012)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: NOGUEIRA, LILIA DE SOUZA - EE
  • Unidades: EE
  • Sigla do Departamento: ENC
  • Subjects: CARGA DE TRABALHO; ENFERMAGEM; FERIMENTOS E LESÕES; UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA
  • Keywords: Carga de trabalho; Intensive care units; Workload. Nursing; Wounds and Injuries
  • Language: Português
  • Abstract: Cabeça ou pescoço foi a região mais gravemente lesada (64,0%) e que apresentou maior frequência de lesões AIS≥3 (65,5%). Quanto à gravidade do paciente, a média do risco de morte variou de 21,1% a 25,6%, segundo diferentes índices, e as insuficiências pulmonar (76,5%) e neurológica (69,0%) prevaleceram na casuística. A média do NAS na admissão da UTI foi 71,3% (dp=16,9) e dos sobreviventes, na alta unidade, 45,2% (dp=9,1). O tempo médio de permanência na UTI foi 13,6 dias (dp=14,6) e a taxa de mortalidade na unidade crítica, 19,0%. Foi identificado um grupo de 136 pacientes que apresentavam similaridade de intervenções na admissão da UTI. Destacou-se, nesse grupo, monitorização/controles e mobilização/posicionamento como atividades que requereram maior complexidade e ocuparam mais tempo que a rotina normal das unidades críticas. Gênero, insuficiência pulmonar, número de regiões corpóreas acometidas e risco de morte pelo Simplified Acute Physiology Score (SAPS II) foram fatores associados à alta carga de trabalho de enfermagem requerida pelos sobreviventes na alta da UTI foi expresso pela seguinte fórmula: NAS alta=37,171 + 0,188 (risco de morte SAPS II) + 0,193 (NISS). Os resultados obtidos nesta investigação fornecem subsídios às equipes de enfermagem que prestam assitência à vítima de trauma, durante ou após a alta da UTI, que facilitarão o planejamento dos cuidados, adequação do quantitativo de pessoal e distribuição de tarefas, com enfoque na excelência ao traumatizado.A complexidade da assistência à vítima de trauma na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) repercute na carga de trabalho de enfermagem, sendo fundamental à equipe o conhecimento de aspectos que a influenciam para o planejamento de sua atuação. Diante disso, foram objetivos deste estudo caracterizar as vítimas de trauma admitidas na UTI, identificar um possível padrão de intervenções realizadas nos pacientes e os fatores associados à alta carga de trabalho no primeiro dia de internação, além de elaborar um modelo de estimativa da carga de trabalho de enfermagem requerida pelos sobreviventes na alta da unidade. Trata-se de um estudo quantitativo do tipo coorte prospectivo, realizado em UTI especializada para assistência de vítima de trauma em hospital de referência para esse atendimento. A carga de trabalho de enfermagem, variável dependente, foi mensurada pelo Nursing Activities Score (NAS). Estatísticas descritivas, testes de associação e correlação e análises multivariadas foram realizados no tratamento dos dados. A casuística compôs-se de 200 vítimas, a maioria do sexo masculino (82,0%), com idade média de 40,7 anos (dp=18,6), procedente do Centro Cirúrgico (70,0%) e submetida à cirurgia não programada (66,5%). A média do índice de comorbidade de Charlson foi 0,6 (dp= 1,4). Os acidentes de transportes (57,5%) prevaleceram na amostra, assim como o trauma contuso (94,5%). Na análise da gravidade do trauma, a média do Injury Severity Score foi 19,3 (dp=9,1) e do New Injury Severity Score (NISS), 27,1 (dp=9,9). O número médio de lesões Abbreviated Injury Scale (AIS) ≥3 foi 3,1 (dp=1,8) e de regiões corpóreas acometidas, 2,7 (dp=1,3).
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.08.2012
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NOGUEIRA, Lilia de Souza; SOUSA, Regina Márcia Cardoso de. Vítimas de trauma admitidas em unidade de terapia intensiva: características e fatores associados à carga de trabalho de enfermagem. 2012.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-11102013-160138/pt-br.php >.
    • APA

      Nogueira, L. de S., & Sousa, R. M. C. de. (2012). Vítimas de trauma admitidas em unidade de terapia intensiva: características e fatores associados à carga de trabalho de enfermagem. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-11102013-160138/pt-br.php
    • NLM

      Nogueira L de S, Sousa RMC de. Vítimas de trauma admitidas em unidade de terapia intensiva: características e fatores associados à carga de trabalho de enfermagem [Internet]. 2012 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-11102013-160138/pt-br.php
    • Vancouver

      Nogueira L de S, Sousa RMC de. Vítimas de trauma admitidas em unidade de terapia intensiva: características e fatores associados à carga de trabalho de enfermagem [Internet]. 2012 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-11102013-160138/pt-br.php


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020