Exportar registro bibliográfico

Violência por parceiro intimo e morbidade materna grave (2012)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: PUCCIA, MARIA INES ROSSELLI - INTER - ENFERMA
  • Unidades: INTER - ENFERMA
  • Subjects: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA; VIOLÊNCIA NA FAMÍLIA; COMPLICAÇÕES NA GRAVIDEZ; MORTALIDADE MATERNA; ATENÇÃO À SAÚDE
  • Language: Português
  • Abstract: Violência por parceiro íntimo (VPI) e morbidade materna grave constituem-se em importantes agravos à saúde sexual e reprodutiva feminina e representam formas de expressão das desigualdades de gênero. De acordo com os critérios clínicos, laboratoriais e de mando relativos à morbidade materna grave, adotados pela Organizado Mundial de Saúde (OMS) para a definição de condições potencialmente ameaçadoras da vida materna (CPAV), este estudo teve por objetivo analisar a associação entre VPI na gravidez atual e ocorrência de CPAV entre mulheres atendidas em maternidades públicas da Grande São Paulo. Gestantes e puérperas que constituíram a população de estudo (N-446) foram divididas em dois grupos distintos: 1) que desenvolveram CPAV durante o cicio gravídico puerperal atual, definidas como casos (n= 108); e 2) que não apresentaram qualquer tipo de intercorrência clínica, laboratorial ou de manejo no mesmo ciclo, definidas como controles (n-337). Respeitando-se os preceitos da ética em pesquisa com seres humanos, os casos e os consoles foram selecionados por meio de visitas ditarias aos locais de estudo entre Novembro de 2010 e junho de 2011; próximo da alta hospitalar, entrevistas estruturadas foram conduzidas para investigação retrospectiva de VPI durante a gravidez atual, por meio de questionário adaptado do Estudo Multipaíses da OMS sobre Saúde da Mulher e Violência Doméstica. A relação entre a variável resposta (CPAV), a variável de exposição (VPI) e demais variáveis independentes, foi avaliada por meã de proporções, testes qui-quadrado ou exato de Fisher e pelo modelo de regressão logística múltiplo. Identificou se prevalência de “near miss” materno de 5,62/1.000NV, ou seja, 0,56% e, Razão de Resultados Severos de 6,37/1.000NV. Considerando-se a tipificação da violência, observou-se prevalência de 12,7% de violência psicológica; 7,6% de violência física e 1,6% deviolência sexual durante a gestação atual entre casos e contes. A despeito da ausência de significância estatística entre a exposição à VPI na gestação atual, relatada por 13% da amostra, e a ocorrência do despacho CPAV, verificou que tanto as gestantes expostas à VPI quanto as mulheres que desenvolveram CPAV, apresentam fatores associados às condições sociodemográficas e reprodutivas desfavoráveis. Concluiu-se sobre a importância do monitoramento de casos CPAV que, assim como o rastreamento rotineiro da VPI entre gestantes, deve ser incluído no processo de trabalho dos enfermeiros. Isto é importante para promover a qualificação da atenção à saúde materna
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.10.2012

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PUCCIA, Maria Inês Rosselli; MAMEDE, Marli Villela. Violência por parceiro intimo e morbidade materna grave. 2012.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2012.
    • APA

      Puccia, M. I. R., & Mamede, M. V. (2012). Violência por parceiro intimo e morbidade materna grave. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Puccia MIR, Mamede MV. Violência por parceiro intimo e morbidade materna grave. 2012 ;
    • Vancouver

      Puccia MIR, Mamede MV. Violência por parceiro intimo e morbidade materna grave. 2012 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020