Exportar registro bibliográfico

Caracterização das vias de morte celular induzida pela metilecgonidina, produto da pirólise da cocaína (2012)

  • Authors:
  • Autor USP: DATI, LÍVIA MENDONÇA MUNHOZ - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MPT
  • Subjects: COCAÍNA; RATOS WISTAR; NECROSE; SOBREVIVÊNCIA CELULAR (EFEITOS DE DROGAS); APOPTOSE; RECEPTORES; SISTEMA NERVOSO (ENVENENAMENTO)
  • Keywords: Anhydroecgonine methyl ester; Apoptosis; Caspase/efeitos de drogas; Cocaína crack; Crack cocaine; Necroses; Neurotoxicity; Proteínas mitocondriais; Rat primary hippocampal cell culture; Receptores muscarínicos; Síndromes neurotóxicas
  • Language: Português
  • Abstract: A cocaína é considerada a principal droga de abuso utilizada na América do Sul, sendo que o crack é a via de administração que mais cresceu nos últimos anos. Cabe salientar que o usuário do crack sofre ação tanto da cocaína quanto das substâncias advindas da sua pirólise, dentre elas a metilecgonidina (AEME). Trabalho publicado pelo nosso grupo demonstrou que a AEME é mais neurotóxica que a cocaína em cultura primária de hipocampo. Além disso, dados da literatura têm mostrado uma possível ação da AEME em receptores colinérgicos muscarínicos no sistema nervoso periférico. Na tentativa de elucidar se essa ação ocorre no sistema nervoso central, a AEME foi incubada na presença e na ausência de atropina, um antagonista de receptores colinérgicos muscarínicos. Nossos resultados em cultura primária de hipocampo mostraram que a atropina foi capaz de prevenir os efeitos neurotóxicos causados pela AEME, sugerindo uma afinidade aos receptores colinérgicos muscarínicos. Contudo, o mesmo efeito não foi observado após a incubação com a cocaína e a associação (AEME 1 mM /cocaína 2 mM). Pode-se pressupor que a AEME age preferencialmente em receptores colinérgicos muscarínicos subtipos M1, M3 e M5, uma vez que houve a formação de IP3 e aumento de cálcio intracelular, sendo esse último observado também nos grupos incubados com cocaína e associação (AEME 1 mM /cocaína 2 mM). Com a finalidade de verificar se a apoptose era uma das vias de morte neuronal, foi avaliada a expressão das proteínas mitoncondriais (Bax e Bcl-2), a atividade da caspase-3 e a análise da fragmentação do DNA, bem como a integridade da membrana celular. Foi observado que a AEME aumentou a razão das proteínas mitocondriais Bax/Bcl-2, a atividade da caspase-3 e o DNA fragmentado, bem como a perda da integridade da membrana. A cocaína aumentou a atividade da caspase 3, a fragmentação do DNA e a perda da integridade da membrana celular, mas nãoalterou a razão da expressão das proteínas mitocondriais Bax/Bcl-2. Apesar de apresentar uma diminuição da atividade da caspase-3, a associação (AEME 1 mM /cocaína 2 mM) apresentou um aumento do DNA fragmentado e do rompimento da membrana, bem como um aumento da razão Bax/Bcl-2. Estes dados sugerem que estas substâncias estimulam vias de morte neuronal tanto de apoptose quanto de necrose. Mais ainda, nas vias estudas neste trabalho, parece que a associação (AEME 1 mM /cocaína 2 mM) desencadeia os efeitos neurotóxicos mais rápido, estimulando, possivelmente, vias diferentes das encontradas com as substâncias isoladamente.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.10.2012
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      DATI, Lívia Mendonça Munhoz; MARCOURAKIS, Tania. Caracterização das vias de morte celular induzida pela metilecgonidina, produto da pirólise da cocaína. 2012.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5160/tde-14012013-101114/ >.
    • APA

      Dati, L. M. M., & Marcourakis, T. (2012). Caracterização das vias de morte celular induzida pela metilecgonidina, produto da pirólise da cocaína. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5160/tde-14012013-101114/
    • NLM

      Dati LMM, Marcourakis T. Caracterização das vias de morte celular induzida pela metilecgonidina, produto da pirólise da cocaína [Internet]. 2012 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5160/tde-14012013-101114/
    • Vancouver

      Dati LMM, Marcourakis T. Caracterização das vias de morte celular induzida pela metilecgonidina, produto da pirólise da cocaína [Internet]. 2012 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5160/tde-14012013-101114/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020