Exportar registro bibliográfico

Negação anafórica no português brasileiro: negação setencial, negação enfática e negação de constituinte (2012)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ARAúJO, RERISSON CAVALCANTE DE - FFLCH
  • Unidades: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLL
  • Subjects: LINGUÍSTICA; SINTAXE FORMAL; SINTAXE; GERATIVISMO; PORTUGUÊS DO BRASIL
  • Keywords: Constituent negation; Emphatic negation; Left periphery; Negação de constituintes; Negação enfática; Negação sentencial; Periferia esquerda da sentença; Sentential negation
  • Language: Português
  • Abstract: Nesta tese, analiso, a partir do arcabouço teórico da gramática gerativa (Chomsky 1957 e outros), uma série de fenômenos relacionados à expressão da negação no português brasileiro (PB). Trato de quatro temas principais: (i) a distribuição dos marcadores negativos em diferentes contextos sintáticos; (ii) as formas de codificação da negação enfática; (iii) a negação de constituintes; (iv) e a determinação do escopo em sentenças com adjuntos. Os fenômenos examinados possuem duas propriedades em comum: (a) ao contrário do normalmente esperado para o PB, o marcador não se coloca à esquerda, mas à direita do elemento negado, em uma configuração [X(P) Neg]; (b) o marcador apresenta um requerimento anafórico, ocorrendo apenas em contextos em que o constituinte negado tenha sido previamente introduzido no discurso. A tese principal é que a ordem linear e anaforicidade são resultado de uma propriedade sintática básica: esses marcadores são gerados no CP e, portanto, apresentam sensibilidade a propriedades codificadas nesse sistema. Ao longo da tese, demonstro como essa sensibilidade se manifesta em diferentes fenômenos. Quanto à distribuição dos marcadores, mostro que o não pós-VP apresenta um série de restrições com propriedades ilocucionárias e sintáticas das sentenças em que ocorre. Argumento que essas propriedades são derivadas de o não pós-VP não ser um adjunto verbal nem a realização da polaridade sentencial, mas a realização de uma categoria funcional associada à confirmação erejeição de proposições prévias, o que aproxima o não pós-VP de partículas como o yes e no do inglês ao invés de marcadores internos como not. Quanto à negação enfática, argumento que o não pós-VP do PB não é um recurso de ênfase ou reforço da negação pré-verbal enfraquecida. Proponho que o quantificador nada, aparecendo em posições não-argumentais, é que pode exercer as funções de negação enfática e de negação exclamativa (ou metalinguística). Quanto à negação de constituintes, mostro que, assim como na negação sentencial, o PB também pode exibir a configuração [X Neg] com a negação agindo sobre DPs, APs, PPs e AdvPs. Argumento que essa configuração só está disponível em contextos em que o elemento negado ocorra isoladamente ou em posição periférica da sentença, sendo proibido em contextos mediais. Defendo, então, que a configuração [X Neg] na negação de constituintes não é derivada por adjunção da negação à direita do elemento negado, mas pela ativação da mesma categoria (do CP) em que são gerados o não pós-VP e o marcador nada, com o constituinte não-oracional aparecendo no especificador dessa categoria, com apagamento opcional da estrutura sentencial abaixo da negação. Quanto ao escopo, analiso a interpretação da negação em sentenças com adjuntos verbais e com marcadores pré-verbais (em que há ambiguidade de escopo) e com marcadores pré-verbais e pós-VP (em que a ambiguidade se desfaz). Argumento contra a análise de ambiguidade nas relações de c-comando (cf. Huang 1982;Johnston 1994) e assumo a proposta de Hornstein & Nunes (2008) sobre a opcionalidade de atribuição de rótulo nas operações de adjunção. Proponho que a presença ou ausência de rótulo afeta as relações de escopo negativo ao tornar (ou não) o adjunto visível para o marcador negativo pré-verbal
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.06.2012
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ARAÚJO, Rerisson Cavalcante de; NUNES, Jairo Morais. Negação anafórica no português brasileiro: negação setencial, negação enfática e negação de constituinte. 2012.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-09112012-102648/ >.
    • APA

      Araújo, R. C. de, & Nunes, J. M. (2012). Negação anafórica no português brasileiro: negação setencial, negação enfática e negação de constituinte. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-09112012-102648/
    • NLM

      Araújo RC de, Nunes JM. Negação anafórica no português brasileiro: negação setencial, negação enfática e negação de constituinte [Internet]. 2012 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-09112012-102648/
    • Vancouver

      Araújo RC de, Nunes JM. Negação anafórica no português brasileiro: negação setencial, negação enfática e negação de constituinte [Internet]. 2012 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-09112012-102648/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020