Exportar registro bibliográfico

Estudo de neuroteratologia em ratos: efeitos da restrição alimentar e da monocrotalina (2010)

  • Authors:
  • Autor USP: CAMARGO, ESTHER LOPES RICCI ADARI - FMVZ
  • Unidade: FMVZ
  • Sigla do Departamento: VPT
  • Subjects: COMPORTAMENTO ANIMAL; PRENHEZ (TOXICIDADE); TOXICIDADE EM ANIMAL
  • Keywords: Efeitos Neurotóxicos; Feed restriction; Intoxicação materna; Maternal intoxication; Monocrotalina; Monocrotaline; Neurotoxic effects; Ratos Wistar; Restrição alimentar; Wistar Rats
  • Language: Português
  • Abstract: Os problemas causados pela exposição dos animais as plantas no Brasil data dos primórdios da colonização. Em particular, as plantas do gênero Crotalaria são encontradas em todo o mundo, distribuídas principalmente em áreas tropicais e subtropicais; tem como principal princípio ativo o alcalóide pirrolizidínico monocrotalina (MCT) encontrado nas suas sementes e partes aéreas. No presente trabalho foram avaliados tanto a toxicidade aguda da MCT, como os efeitos da exposição durante a gestação, a diferentes doses da MCT, sobre o desenvolvimento físico e neurocomportamental da prole de ratas. Além disso, foi estudado também os efeitos da restrição alimentar (RA) em ratas prenhes e em sua prole, uma vez dados anteriores do nosso laboratório mostraram que a MCT reduziu o peso corpóreo de ratos tratados por 14 dias. Assim, ratas Wistar foram submetidas à restrição alimentar, durante 6º ao 20º dia de gestação, recebendo 85, 60, 45 ou 30% do consumo médio diário de ração (100% = 22,75 g de ração). Os resultados mostraram que a RA: a) promoveu canibalismo materno dependente da intensidade da RA da mãe, sendo que no grupo de maior restrição (30%) nenhum filhote sobreviveu; b) causou redução do peso corpóreo da prole, sendo que este efeito foi observado a partir do 14º dia de vida nas proles proveniente de ratas com 45% de RA e aos 35 dias de vida nos filhotes oriundos de ratas dos grupos 60, 45 e 30% de RA; c) na avaliação do desenvolvimento físico da prole não foram observadasalterações entre os grupos, exceto no peso corpóreo da prole; d) na avaliação neurocomportamental foi observado apenas redução da atividade geral da prole, sendo este efeito dependente da intensidade da RA. A MCT (10, 30 e 100 mg/kg) administrada em dose única em ratos, ratas e fêmeas prenhes promoveu alterações nos escores de avaliação clínica dose-dependente e as fêmeas prenhes mostraram ser mais sensíveis ao efeito tóxico de MCT que as fêmeas virgens e machos. A exposição à MCT (1,0; 3,5 e 7,0 mg/kg) durante a gestação promoveu: a) redução do número de filhotes nascidos das mães que receberam 3,5 e 7,0 mg/kg, em relação às mães controles e pair-feeding (grupo que recebeu a mesma quantidade de ração consumida pelo grupo tratado com a maior de MCT); b) redução do peso corpóreo da prole do grupo que recebeu 1,0 e 7,0 mg/kg, a partir do 35º dia de vida; c) na avaliação do desenvolvimento físico da prole não foram observadas alterações entre os grupos, exceto no peso corpóreo da prole; d) na avaliação neurocomportamental foi observado apenas aumento do tempo de imobilidade, medido em campo aberto da prole de mães que receberam 3,5 e 7,0 mg/kg de MCT. Os presentes achados revelaram que a RA tem papel de pouca importância na toxicidade da MCT, mostrando não haver correlação íntima entre a perda de peso materno e desenvolvimento dos filhotes expostos a toxina e a RA. A inclusão do grupo pair-feeding parece ser importante quanto aos estudos de toxicidade do desenvolvimento, poisrepresentam um controle dos aspectos nutricionais envolvidos no teste. Sugere-se também que nos protocolos de avaliação da toxicidade do desenvolvimento sejam incluídos estudos da interação mãe-filhote e do desenvolvimento tardio da prole exposta
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.07.2010
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CAMARGO, Esther Lopes Ricci Adari; SPINOSA, Helenice de Souza. Estudo de neuroteratologia em ratos: efeitos da restrição alimentar e da monocrotalina. 2010.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10133/tde-15122011-155309/ >.
    • APA

      Camargo, E. L. R. A., & Spinosa, H. de S. (2010). Estudo de neuroteratologia em ratos: efeitos da restrição alimentar e da monocrotalina. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10133/tde-15122011-155309/
    • NLM

      Camargo ELRA, Spinosa H de S. Estudo de neuroteratologia em ratos: efeitos da restrição alimentar e da monocrotalina [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10133/tde-15122011-155309/
    • Vancouver

      Camargo ELRA, Spinosa H de S. Estudo de neuroteratologia em ratos: efeitos da restrição alimentar e da monocrotalina [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10133/tde-15122011-155309/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021