Exportar registro bibliográfico

O Grupo Carrancas e a frente da Nappe Andrelândia na borda sul do cráton do São Francisco: proveniência sedimentar implicações tectônicas (2011)

  • Authors:
  • Autor USP: TEIXEIRA, ALICE WESTIN - IGC
  • Unidade: IGC
  • Sigla do Departamento: GMG
  • Subjects: SISTEMAS DEPOSICIONAIS; GEOQUÍMICA ISOTÓPICA; GEOCRONOLOGIA; NAPPE
  • Language: Português
  • Abstract: O Sistema de Nappes Carrancas compõe um sistema de nappes que circunda ao sul o Cráton do São Francisco e é formado pela Unidade Biotita Xisto e pelas formações Campestre e São Tomé das Letras do Grupo Carrancas. A Unidade Biotita Xisto contém veios de quartzo e xistosidade anastomosada e é formada por quartzo, biotita, muscovita, clorita e, localmente plagioclásio, carbonato e granada. A Formação Campestre é formada por quartzitos intercalados a filitos/xistos que variam de cloritóide filitos grafitosos, com muscovita, quartzo e turmalina e, localmente, granada a xistos com granada, estaurolita e cianita. A investigação da Unidade Biotita Xisto como autóctone em relação ao Cráton do São Francisco, seu potencial agrupamento com o Grupo Carrancas em uma megassequência deposicional, bem como sua comparação com a unidade alóctone Xisto Santo Antônio (Nappe Andrelândia) constituem parte dos objetivos deste estudo. Para tal, foram feitas análises químicas e isotópicas (Sr e Nd) em rocha total e geocronologia U-Pb em cristais de zircão detríticos, tanto na Unidade Biotita Xisto como na Formação Campestre, com intuito de elucidar a relação entre as mesmas e compará-las com dados da literatura disponíveis para o Xisto Santo Antônio. A Unidade Biotita Xisto apresenta características químicas compatíveis com sedimentos que sofreram intemperismo químico de intensidade e período de tempo moderados, depositados em ambientes de colisão continental, com área-fonte composta essencialmente por rochas félsicas. Assinaturas de elementos traço e isotópicas de Sr (‘ANTPOT.87 Sr’/’ANTPOT.86 Sr’ entre 0,713 e 0,715) e Nd (‘épsilon’’IND.Nd’ entre – 6 e -5) indicam contribuição de arco magmático e crosta continental e diferem, portanto, daquelas esperadas em ambientes de margem passiva. A mesma contribuição é observada para o Xisto Santo Antônio, cuja área fonte registra importante assinatura de materialjuvenil. As idades U-Pb LA-MC-ICP MS obtidas em cristais de zircão mostram contribuição principal de rochas do final do Criogeniano e contribuição secundária do Riaciano. A classe modal ao redor de 665 Ma é comparável com a idade cristais de zircão detrítico do Xisto Santo Antônio, o que aponta para uma mesma área-fonte principal para ambas unidades. A deposição dos sedimentos precursores da Unidade Biotita Xisto ocorreu entre 630-611 Ma, sendo as fontes principais os granulitos cálcio-alcalinos e rochas vulcânicas co-genéticas, além de granitos sin-colisionais da Nappe Socorro-Guaxupé. A pouca representatividade de idades paleoproterozóicas e a ausência de assinaturas químicas de margem passiva, inviabilizam as rochas do Cráton do São Francisco como parte da área-fonte. Desta forma, a Unidade Biotita Xisto não é autóctone em relação ao Cráton do São Francisco, sendo, potencialmente, a unidade que compõe a frente da Nappe Andrelândia. Por outro lado, a Formação Campestre possui assinatura geoquímica de sedimentos que sofreram uma intensa reciclagem e alteração da composição do sedimento original. As assinaturas químicas de elementos traço e isotópicas Sr e Nd indicam contribuição de crosta continental superior, com componente de crosta antiga e sem afinidade com sedimentos depositados em margem passiva (‘ANTPOT.87 Sr’/’ANTPOT.86 Sr’ entre 0,74 e 0,76; ‘épsilon’’IND.Nd’ entre -18 e -15). Os zircões detríticos analisados forneceram idades U-Pb LA-MC-ICP-MS variadas, do Toniano ao Mesoarqueano, correlacionáveis com rochas vulcânicas e plutônicas do Cráton do São Francisco, com as faixas marginais do Cráton de Angola e/ou faixas orogênicas do Cráton Amazônico e com rochas dos arcos Mara Rosa e Goiás. A abrangência das idades U-Pb da Formação Campestre e das formações Chapada dos Pilões e Paracatu, permite a correlação, no Orógeno Brasília, entre os Grupos Carrancas e Canastra.A paleogeografia mais provável é a de um ambiente de rifte, antecessor à deriva e ao estabelecimento de uma margem continental passiva
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 21.06.2011
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TEIXEIRA, Alice Westin; CAMPOS NETO, Mario da Costa. O Grupo Carrancas e a frente da Nappe Andrelândia na borda sul do cráton do São Francisco: proveniência sedimentar implicações tectônicas. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44143/tde-26092012-150855/pt-br.php >.
    • APA

      Teixeira, A. W., & Campos Neto, M. da C. (2011). O Grupo Carrancas e a frente da Nappe Andrelândia na borda sul do cráton do São Francisco: proveniência sedimentar implicações tectônicas. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44143/tde-26092012-150855/pt-br.php
    • NLM

      Teixeira AW, Campos Neto M da C. O Grupo Carrancas e a frente da Nappe Andrelândia na borda sul do cráton do São Francisco: proveniência sedimentar implicações tectônicas [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44143/tde-26092012-150855/pt-br.php
    • Vancouver

      Teixeira AW, Campos Neto M da C. O Grupo Carrancas e a frente da Nappe Andrelândia na borda sul do cráton do São Francisco: proveniência sedimentar implicações tectônicas [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44143/tde-26092012-150855/pt-br.php


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021