Exportar registro bibliográfico

Recuperação de enxofre elementar em reatores microaerados (2012)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CAMILOTI, PRISCILA ROSSETO - EESC
  • Unidades: EESC
  • Sigla do Departamento: SHS
  • Subjects: TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS; ÁCIDOS; MEMBRANAS (BIOLOGIA); SILICONE; ENXOFRE
  • Language: Português
  • Abstract: A ocorrência da redução biológica do sulfato resulta na formação de um produto indesejado, o sulfeto de hidrogênio, que pode ser removido sob condições limitadas de oxigênio. Os fatores que podem afetar a oxidação do sulfeto não estão bem elucidados e o processo de microaeração é pouco utilizado devido a limitações tecnológicas. Desta forma a oxidação química e bioquímica do sulfeto foi estudada em duas configurações de reatores que utilizam membrana polimérica porosa (membrana de silicone) como alternativa para microaeração. As configurações apresentam duas formas de microaeração, por pressão interna (Reator de membrana Submersa-RMS) e outra externa (Reator de Membrana Externa-RME) com aeração por troca atmosférica. Foram realizados ensaios de transferência de massa para determinação do coeficiente volumétrico global de transferência (KLa). Os resultados médios obtidos para o KLa foram de 0,10/h para o RMS e 0,154/h para o RME, confirmando a microaeração do meio. Os reatores foram operados a fim de avaliar a oxidação do sulfeto a enxofre elementar por via química e bioquímica em diferentes faixas de pH, pressão (para o RMS) e velocidade no interior da membrana (para o RME) por meio de planejamento fatorial. A oxidação química apresentou alta conversão do sulfeto a enxofre com percentual médio de 91,3% no RMS e 79,2% no RME e percentual médio de conversão a sulfato de 2,3% no RMS e 15,7% no RME. A oxidação bioquímica no RME apresentou valores médios de conversão de sulfeto a enxofre de 41,6% e de 52,8% para a conversão a sulfato. A oxidação de efluente de reator sulfetogênico também foi avaliada atingiu valores médios de 48,7% para a conversão a enxofre elementar 46,7% para a conversão de sulfeto a sulfato. O estudo das variáveis demonstrou que a variável que influenciou a oxidação foi o pH.A configuração RMS apresentou problemas operacionais inviabilizando seu uso. O uso de membranas apresentou viabilidade de controle da microaeração através das variáveis operacionais, raio e espessura da membrana. Desta forma, devido à viabilidade operacional e os resultados obtidos, as configurações se mostraram uma alternativa viável a conversão do sulfeto a enxofre elementar
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.03.2012
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CAMILOTI, Priscila Rosseto; ZAIAT, Marcelo. Recuperação de enxofre elementar em reatores microaerados. 2012.Universidade de São Paulo, São Carlos, 2012. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18138/tde-30052012-082143/pt-br.php >.
    • APA

      Camiloti, P. R., & Zaiat, M. (2012). Recuperação de enxofre elementar em reatores microaerados. Universidade de São Paulo, São Carlos. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18138/tde-30052012-082143/pt-br.php
    • NLM

      Camiloti PR, Zaiat M. Recuperação de enxofre elementar em reatores microaerados [Internet]. 2012 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18138/tde-30052012-082143/pt-br.php
    • Vancouver

      Camiloti PR, Zaiat M. Recuperação de enxofre elementar em reatores microaerados [Internet]. 2012 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18138/tde-30052012-082143/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020