Exportar registro bibliográfico

O que o Nome nos ensina? Padrões sociais e raciais de nomes e sobrenomes e performance escolar em São Paulo (2011)

  • Authors:
  • Autor USP: SCOTTINI, LUCAS COSTA - FEA
  • Unidade: FEA
  • Sigla do Departamento: EAE
  • Subjects: EDUCAÇÃO (ASPECTOS ECONÔMICOS); ECONOMETRIA; DISCRIMINAÇÃO
  • Keywords: Applied econometrics; Discrimination; Education
  • Language: Português
  • Abstract: Esta dissertação estuda padrões sociais e raciais de nomes e sobrenomes entre alunos paulistas e a correlação desses padrões com desempenho escolar. Para cada nome e sobrenome observados criamos índices que medem o quão distintamente rico (ou pobre) e o quão distintamente branco (ou afro) tais nomes e sobrenomes são. Os resultados são de que tanto nomes quanto sobrenomes dão sinais de status socioeconômico, enquanto sobrenomes e, em menor medida, nomes predizem raça. Nomes que indicam maior status são, em geral, de maior frequência estatística, de origem latina, formados por um só termo e com grafia condizente com a Língua Portuguesa formal. Nomes de menor frequência estatística, compostos por duas palavras, com influência do idioma inglês na grafia e na pronúncia e com grafias distintas do Português formal estão associados a baixo status. A evidência aponta ainda para uma relação mais forte entre primeiro nome e status do que entre primeiro nome e raça, revelando que, em São Paulo, o universo cultural que baseia a escolha de primeiros nomes é mais classe-específico que raça-específico. Pelo lado dos nomes de família, os dados mostram que sobrenomes tipicamente de alto status e tipicamente brancos são de menor frequência estatística e de origem não-portuguesa. Sobrenomes portugueses não apresentam padrão socioeconômico e racial, com exceção dos três sobrenomes mais frequentes, os quais são tipicamente pobres. Além disso, sobrenomes associados à religião católica sãotipicamente pobres e afrodescendentes. Posteriormente, avaliamos a relação entre diversas medidas de performance escolar e nomes e sobrenomes. Os dados apontam para uma associação robusta entre ter um nome distintamente pobre (rico) e um sobrenome distintamente afro (branco) e piores (melhores) resultados escolares. Tal evidência é consistente com um cenário em que escolhas culturais dos pais e herança cultural familiar afetam a acumulação de capital humano de crianças e jovens adultos. Entre outras possibilidades está a existência de tratamento discriminatório nas escolas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.11.2011
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SCOTTINI, Lucas Costa; RANGEL, Marcos de Almeida. O que o Nome nos ensina? Padrões sociais e raciais de nomes e sobrenomes e performance escolar em São Paulo. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12138/tde-30112011-192644/ >.
    • APA

      Scottini, L. C., & Rangel, M. de A. (2011). O que o Nome nos ensina? Padrões sociais e raciais de nomes e sobrenomes e performance escolar em São Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12138/tde-30112011-192644/
    • NLM

      Scottini LC, Rangel M de A. O que o Nome nos ensina? Padrões sociais e raciais de nomes e sobrenomes e performance escolar em São Paulo [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12138/tde-30112011-192644/
    • Vancouver

      Scottini LC, Rangel M de A. O que o Nome nos ensina? Padrões sociais e raciais de nomes e sobrenomes e performance escolar em São Paulo [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12138/tde-30112011-192644/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021