Exportar registro bibliográfico

Avaliação da eficiência de bactérias ácido-láticas para descontaminação de aflotoxina M1 (2011)

  • Authors:
  • Autor USP: BOVO, FERNANDA - FZEA
  • Unidade: FZEA
  • Sigla do Departamento: ZEA
  • Subjects: AFLATOXINAS; BACTÉRIAS LÁTICAS; LEITE
  • Language: Português
  • Abstract: O objetivo do trabalho foi avaliar a capacidade de cepas de bactérias ácido-láticas (BAL) em remover a aflatoxina M1 (AFM1) em solução tampão fosfato salina (TFS) e em amostras de leite. Nos ensaios com TFS, verificou-se a influência do tempo de contato (15 min. ou 24 horas) entre as células de sete cepas de BAL e AFM1, as diferenças entre a eficiência de remoção das bactérias viáveis e inviabilizadas termicamente, e a estabilidade do complexo BAL/AFM1 formado. As três cepas de BAL com maior percentual (> 33%) de remoção da AFM1 nos ensaios com TFS foram re-avaliadas utilizando-se leite UHT (ultra-high-temperature) desnatado artificialmente contaminado com AFM1. Para isso, foram utilizadas somente células inviabilizadas termicamente, verificando-se o efeito da temperatura (4ºC ou 37ºC) sobre a capacidade de remoção da toxina por 15 minutos. A remoção média da AFM1 pelas cepas de BAL em TFS variou entre 5,60±0,45 e 45,67±1,65% (n=3), sendo que as células inviáveis obtiveram percentuais de remoção de AFM1 significativamente maiores que as células viáveis, em ambos os tempos de contato analisados (15 min. ou 24 horas), não havendo diferença significativa entre os tempos. Observou-se que o complexo BAL/AFM1 obtido nos ensaios com TFS é instável, pois 40,57±4,66 a 87,37±1,82% da AFM1 retida pela bactéria foram recuperados em solução após a lavagem do complexo com TFS. As três cepas de BAL com maior percentual de remoção da AFM1 em TFS (Lactobacillus rhamnosus, Lactobacillusdelbrueckii spp. bulgaricus e Bifidobacterium lactis) não apresentaram diferenças significativas nos ensaios com leite UHT a 37ºC. Somente B. lactis apresentou maior capacidade de remover a AFM1 do leite UHT a 4ºC. Os resultados demonstraram que a remoção de AFM1 empregando-se as BAL em alimentos é viável para reduzir as concentrações da toxina a níveis seguros. Entretanto, estudos adicionais são necessários a fim de investigar os mecanismos envolvidos na remoção da toxina pelas BAL com vistas à aplicação em indústrias de alimentos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.03.2011
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BOVO, Fernanda; OLIVEIRA, Carlos Augusto Fernandes de. Avaliação da eficiência de bactérias ácido-láticas para descontaminação de aflotoxina M1. 2011.Universidade de São Paulo, Pirassununga, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/74/74132/tde-11082011-085506/ >.
    • APA

      Bovo, F., & Oliveira, C. A. F. de. (2011). Avaliação da eficiência de bactérias ácido-láticas para descontaminação de aflotoxina M1. Universidade de São Paulo, Pirassununga. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/74/74132/tde-11082011-085506/
    • NLM

      Bovo F, Oliveira CAF de. Avaliação da eficiência de bactérias ácido-láticas para descontaminação de aflotoxina M1 [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/74/74132/tde-11082011-085506/
    • Vancouver

      Bovo F, Oliveira CAF de. Avaliação da eficiência de bactérias ácido-láticas para descontaminação de aflotoxina M1 [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/74/74132/tde-11082011-085506/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021