Exportar registro bibliográfico

Estudos conformacionais de peptídeos correspondentes à região N-terminal das toxinas protéicas esticolisinas I e II (2010)

  • Authors:
  • Autor USP: PAULINO, JOANA - IQ
  • Unidade: IQ
  • Sigla do Departamento: QBQ
  • Subjects: RESSONÂNCIA PARAMAGNÉTICA ELETRÔNICA; PEPTÍDEOS; MEMBRANAS (BIOLOGIA)
  • Language: Português
  • Abstract: Esticolisinas I e II (S tI e St II), citolisinas pertencentes à família das actinoporinas, da anêmona Stichodactila heliantus, formam poros em membranas biológicas e modelo onde seu receptor putativo é esfingomielina (SM). A ligação das actinoporinas a membranas ocorre pelo ancoramento da proteína à interface lipídio-água, por uma região rica em resíduos aromáticos. Evidências apontam para o papel fundamental da região N-terminal para formação do poro. O mecanismo proposto para a formação do poro consiste na ligação da toxina à interface membrana-água, oligomerização, e dissociação da região N-terminal do corpo da proteína, cuja α-hélice anfipática interaje com a bicamada, levando à formação de um poro toroidal. Estudos com peptídeos correspondentes à região N-terminal de St II e equinatoxina II (Eqt II) mostraram que estes fragmentos adquirem conformação em α-hélice na presença de membranas modelo, possuindo a capacidade de formar poros em membranas biológicas e modelo, mimetizando o comportamento desta região nas proteínas. St I e St II, que possuem 93% de identidade, apresentam atividades hemolíticas distintas, sendo St II mais ativa. Estudos mostraram que fragmentos da região N-terminal de St I e St II possuem atividades hemolíticas diferentes, e que os primeiros dez resíduos de St II tem papel importante na lise, e na agregação. Para compreender a nível molecular a interação entre o N-terminal das toxinas com membranas e sua dependência da composição lipídica,foram realizados estudos de dicroísmo circular (CD) e ressonância paramagnética eletrônica (EPR) da interação de quatro fragmentos da região N-terminal de St I (St ´IIND.1-31´ e S t ´I1IND.2-31´) e St II (St ´IIIND.1-30´ e St ´IIIND.11-30´) com membranas modelo - bicamadas e micelas. A interação peptídeo-membrana mostrou-ser dependente: da sequência, e da composição lipídica. Espectros de CD mostraram que a ligação dos peptídeos promove aquisição de estrutura helicoidal; em solução os peptídeos possuem essencialmente estrutura ao acaso. O efeito da ligação dos peptídeos sobre a organização molecular dos lipídios foi monitorado por EPR. Os espectros de EPR mostraram que a ligação a bicamadas e micelas leva ao aumento da organização molecular dos lipídios, St ´IIIND.1-30´ alterando o empacotamento molecular em maior extensão. A incorporação de lipídios negativamente carregados e de lipídios formadores de microdomínios ordenados aumentou a afinidade dos peptídeos pelas membranas modelo, especialmente em proporções molares onde ocorre a formação desses microdomínios. Os resultados também indicaram que apenas St II1-30 promoveu alterações significativas no espectro de um marcador de spin fosfolipídico marcado em C16 da cadeia acila incorporado em vesículas multilamelares (MLV), sugerindo que apenas este peptídeo penetra na bicamada, enquanto que os demais permanecem preferencialmente na interface. Os peptídeos interagiram de forma diferente com micelas e bicamadas, provavelmente devido a diferenças noempacotamento molecular nos dois sistemas. A interação diferencial dos peptídeos com bicamadas e micelas poderia refletir as interações com a membrana em diferentes etapas da formação do poro toroidal. Considerando a curvatura positiva na parede de um poro toroidal, a interação com micelas poderia estar mimetizando a topografia desse ambiente
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.07.2010
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PAULINO, Joana; SCHREIER, Shirley. Estudos conformacionais de peptídeos correspondentes à região N-terminal das toxinas protéicas esticolisinas I e II. 2010.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-12042011-140619/ >.
    • APA

      Paulino, J., & Schreier, S. (2010). Estudos conformacionais de peptídeos correspondentes à região N-terminal das toxinas protéicas esticolisinas I e II. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-12042011-140619/
    • NLM

      Paulino J, Schreier S. Estudos conformacionais de peptídeos correspondentes à região N-terminal das toxinas protéicas esticolisinas I e II [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-12042011-140619/
    • Vancouver

      Paulino J, Schreier S. Estudos conformacionais de peptídeos correspondentes à região N-terminal das toxinas protéicas esticolisinas I e II [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-12042011-140619/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021