Exportar registro bibliográfico

Avaliação biomecânica de córneas de suínos por meio da microscopia de força atômica (2011)

  • Authors:
  • Autor USP: LEANDRO, DANIELA DE CASTRO - FMVZ
  • Unidade: FMVZ
  • Subjects: CÓRNEA; BIOMECÂNICA; ELASTICIDADE; SUÍNOS; OFTALMOPATIAS EM ANIMAL
  • Language: Português
  • Abstract: Atualmente, a avaliação das propriedades biomecânicas da córnea vem sendo considerada um parâmetro importante a ser determinado, uma vez que está relacionado a diversos procedimentos (diagnósticos e cirúrgicos) e oftalmopatias. Devido à complexa disposição de suas lamelas, o estroma corneal é considerado a camada que exerce maior influência sobre as propriedades elásticas da córnea. A busca por modelos experimentais no estudo das propriedades biomecânicas da córnea têm aumentado ultimamente, devido à dificuldade em se obter amostras de córnea humana para fins científicos. Logo, estudos comparativos entre a córnea humana e a suína vêm sendo desenvolvidos, e algumas similaridades foram identificadas entre estas duas espécies. O presente estudo tem como objetivo avaliar as propriedades biomecânicas de diferentes regiões da córnea suína por meio da microscopia da força atômica. Dezesseis bulbos oculares não escaldados, de oito animais da espécie suína, foram adquiridos em frigorífico local. Animais de diferentes raças, faixas de peso e idade foram utilizados neste estudo. Bulbos oculares frescos foram submetidos ao debridamento da camada epitelial da córnea, sendo posteriormente imersos em solução de dextran a 25%. Mensurações da paquimetria corneal em regiões central, superior, inferior, nasal e temporal foram realizadas em cada etapa do preparo das amostras. Após 24 horas submersas em solução de dextran, as córneas foram excisadas em fragmentos de aproximadamente 3 x 3 mm,conforme as regiões acima descritas. Tais fragmentos foram submetidos à avaliação pelo microscópio de força atômica, imersos em solução de dextran a 25%. Os valores do módulo de Young para cada fragmento foram obtidos com base no modelo de elasticidade de Hertz. O armazenamento de amostras de córnea em solução de dextran preveniu a hidratação excessiva destas, mantendo a paquimetria dentro dos valores considerados normais. Tanto a paquimetria quanto o módulo de elasticidade corneais não variaram dentre as regiões central, superior, inferior, nasal e temporal da córnea. A espessura e a elasticidade da córnea não diferiram frente à comparação de olhos contralaterais. Devido à facilidade de aquisição e aos resultados obtidos, a córnea suína pode ser empregada como modelo experimental na avaliação das propriedades biomecânicas corneais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.01.2011
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LEANDRO, Daniela de Castro; BARROS, Paulo Sergio de Moraes. Avaliação biomecânica de córneas de suínos por meio da microscopia de força atômica. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10137/tde-25032011-141436/ >.
    • APA

      Leandro, D. de C., & Barros, P. S. de M. (2011). Avaliação biomecânica de córneas de suínos por meio da microscopia de força atômica. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10137/tde-25032011-141436/
    • NLM

      Leandro D de C, Barros PS de M. Avaliação biomecânica de córneas de suínos por meio da microscopia de força atômica [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10137/tde-25032011-141436/
    • Vancouver

      Leandro D de C, Barros PS de M. Avaliação biomecânica de córneas de suínos por meio da microscopia de força atômica [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10137/tde-25032011-141436/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021