Exportar registro bibliográfico

Influência da temperatura no crescimento e nas respostas fisiológicas do Surubim do Paraíba Steindachneridion parahybae (Siluriformes: Pimelodidae) criados em cativeiro (2010)

  • Authors:
  • Autor USP: TOLUSSI, CARLOS EDUARDO - IB
  • Unidade: IB
  • Sigla do Departamento: BIF
  • Subjects: TEMPERATURA; CRESCIMENTO; ÁCIDOS GRAXOS; SILURIFORMES
  • Language: Português
  • Abstract: hepatossomático (IHS), fator de condição (K), crescimento relativo (CR), taxa de crescimento específico diária (CE), coeficiente de variação (CV), eficiência alimentar (EA) e sobrevivência (S). Amostras dos tecidos musculares e hepáticos, além do plasma foram coletadas em 5 animais de cada tanque experimental nas biometrias, sendo analisada a concentração de lipídeos, proteínas e carboidratos, perfil percentual de ácidos graxos da fração neutra (triglicérides) e polar (fosfolipídios). No plasma foi quantificada ainda a concentração de cortisol e glicose. Os animais do grupo Estufa, no qual a temperatura da água foi mantida cerca de 2 graus C acima do grupo Sem Estufa, apresentaram um maior incremento de massa corpórea em relação aos animais do grupo Sem Estufa, sendo o mesmo padrão observado para CR, CE e EA. Mesmo com um maior crescimento a concentração de lipídeos e proteínas tanto no músculo quanto no fígado foi igual entre os dois grupos, o mesmo ocorrendo com o glicogênio hepático. Por outro lado, o glicogênio muscular foi mais elevado na última coleta nos animais mantidos em temperaturas mais baixas. Na fração polar, os animais de ambos os grupos apresentaram uma respostas de elevação da porcentagem de ácidos graxos saturados e uma queda de polinsaturados, provavelmente relacionado à adaptação homeoviscosa, devido ao gradual aumento da temperatura. Na fração neutra, observou-se que os animais mantidos nas temperaturas mais elevadas utilizaram uma porcentagem maior deácidos graxos polinsaturados para a obtenção de energia, o que em longo prazo pode ser prejudicial nos processos reprodutivos. Estes resultados sugerem que a elevação da temperatura pode ter ocasionado uma maior atividade enzimática e/ou uma maior eficiência destas enzimas e consequentemente maior crescimento e eficiência alimentar nos animais do grupo Estufa. No entanto, os resultados não permitem estabelecer se o aumento temperatura seria benéfico em todas as fases de desenvolvimento para o surubim do ParaíbaAs mudanças climáticas devido às ações antrópicas tendem a alterar diversos fatores ambientais, entre eles a temperatura. Um recente prognóstico sobre a elevação da temperatura menciona que em uma escala otimista a temperatura na Terra se elevará em 1.8 graus C até 2100. Esta alteração pode causar diversas modificações nos processos fisiológicos, justificando a realização de estudos para avaliar os efeitos da temperatura na fisiologia dos animais. A Bacia do Paraíba do Sul há muito tempo, vem sofrendo com ações antrópicas, culminando no risco de extinção de espécies endêmicas, sendo este o caso do surubim do Paraíba, Steindachneridion parahybae. Com a possível elevação da temperatura ambiental o risco de extinção da espécie pode se tornar ainda mais eminente, sendo assim, o objetivo do presente trabalho é avaliar se a variação da temperatura da água, dentro dos valores previstos na escala otimista, de 1,8 graus C influencia o crescimento e as respostas fisiológicos dos juvenis de surubim do Paraíba. Foi estabelecido um modelo experimental no qual dois tanques foram cobertos com uma estufa de plástico (grupo Estufa) e outros dois tanques permaneceram sem cobertura (grupo Sem Estufa), com um número inicial de 100 peixes em cada tanque. Nos meses de setembro de 2009 (início), novembro de 2009, janeiro e março de 2010 foram realizadas biometrias em todos os animais, obtendo-se os dados morfométricos e ponderais, além de calcular os seguintes parâmetros zootécnicos: índice
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.12.2010
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TOLUSSI, Carlos Eduardo; MOREIRA, Renata Guimarães. Influência da temperatura no crescimento e nas respostas fisiológicas do Surubim do Paraíba Steindachneridion parahybae (Siluriformes: Pimelodidae) criados em cativeiro. 2010.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-18022011-113514/ >.
    • APA

      Tolussi, C. E., & Moreira, R. G. (2010). Influência da temperatura no crescimento e nas respostas fisiológicas do Surubim do Paraíba Steindachneridion parahybae (Siluriformes: Pimelodidae) criados em cativeiro. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-18022011-113514/
    • NLM

      Tolussi CE, Moreira RG. Influência da temperatura no crescimento e nas respostas fisiológicas do Surubim do Paraíba Steindachneridion parahybae (Siluriformes: Pimelodidae) criados em cativeiro [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-18022011-113514/
    • Vancouver

      Tolussi CE, Moreira RG. Influência da temperatura no crescimento e nas respostas fisiológicas do Surubim do Paraíba Steindachneridion parahybae (Siluriformes: Pimelodidae) criados em cativeiro [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-18022011-113514/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021