Exportar registro bibliográfico

Estoque de carbono na fitomassa e mudanças nos atributos do solo em diferentes modelos de restauração da Mata AtlÃØntica (2010)

  • Authors:
  • Autor USP: NOGUEIRA JUNIOR, LAURO RODRIGUES - ESALQ
  • Unidade: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LCF
  • Subjects: BIODIVERSIDADE; BIOMASSA; CARBONO; ECOSSISTEMAS FLORESTAIS (RESTAURAÇÃO); FERTILIDADE DO SOLO; REFLORESTAMENTO; SOLOS (PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS)
  • Language: Português
  • Abstract: O aumento da concentração de CO2 na atmosfera nas últimas décadas e sua relação com o aquecimento global tem sido amplamente debatido nos meios acadêmicos. Paralelamente, o Brasil aparece como um dos grandes responsáveis pela emissão de gases estufa em decorrência do desmatamento. Buscando apoiar ações públicas, privadas e sociais e responder a questões ligadas ao papel de reflorestamentos mistos na absorção de carbono atmosférico e nas mudanças dos atributos do solo, este trabalho objetivou avaliar o estoque de carbono, o desenvolvimento florestal e os atributos edáficos em dois sistemas contrastantes de restauração florestal (Floresta Estacional Semidecidual). Foi analisado um experimento implantado em 1997, em Nitossolo Vermelho e Argissolo Vermelho-Amarelo, avaliando três tratamentos em blocos casualizados, com três repetições em cada sítio: Controle (regeneração natural), Baixa Diversidade (semeadura direta) e Alta Diversidade (plantio por mudas). Dois locais com Floresta Nativa serviram de referência para os atributos do solo. Na camada de 0-40 cm, o Nitossolo tem textura argilosa e boa fertilidade e o Argissolo é arenoso com média fertilidade. Os atributos físicos e químicos do solo apresentaram alterações entre 1998 e 2010, com diferenças entre a Floresta Nativa e os demais tratamentos. Para as duas áreas experimentais, a relação C:N e o carbono da biomassa microbiana dos solos nos modelos de restauração se assemelharam ao Floresta Nativa, indicando que as atuais condições favorecem a ciclagem de nutrientes. Apesar disto, para os atributos químicos do solo avaliados, as diferenças entre a Floresta Nativa e os demais tratamentos continuam a existir, mesmo após 10 anos da implantação, devendo ser gradativo o retorno da fertilidade à condição pré-existente, com influência dos plantios. Os modelos de reflorestamento tiveramdiferença significativa quanto ao desenvolvimento florestal. Nos primeiros dez anos, além de incrementar os processos de sucessão natural, o sistema de Baixa Diversidade proporcionou uma maior e melhor edificação da estrutura horizontal e vertical que o de Alta Diversidade, refletida numa maior produção de biomassa seca. O desenvolvimento das árvores no Alta Diversidade foi favorecido em solo de boa fertilidade. Numa análise conjunta, os solos de boa e média fertilidade não se diferenciaram em termos de desenvolvimento arbóreo, que pode estar mais relacionado à alta competição com invasoras. A partir do décimo ano a produtividade primária líquida se estabilizou para o modelo de reflorestamento com baixa diversidade de espécies sobre o solo arenoso de média fertilidade, indicando a necessidade de intervenção. A biomassa arbórea em sítio de média fertilidade com baixa diversidade de espécies nativas se apresentou como um importante reservatório de carbono. Em solo argiloso de boa fertilidade o principal reservatório de carbono foi o abaixo do solo. O reflorestamento com baixa diversidade de espécies arbóreas mostrou um elevado potencial e capacidade de estoque de carbono em sistemas florestais, maior do que o reflorestamento com alta diversidade. Ambos os modelos/técnicas de restauração têm suas vantagens e desvantagens, as quais devem ser consideradas nos processos de mitigação do aquecimento global e da restauração da biodiversidade da Mata Atlântica em larga escala
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.10.2010
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NOGUEIRA JUNIOR, Lauro Rodrigues; ENGEL, Vera Lex. Estoque de carbono na fitomassa e mudanças nos atributos do solo em diferentes modelos de restauração da Mata AtlÃØntica. 2010.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-21102010-093438/ >.
    • APA

      Nogueira Junior, L. R., & Engel, V. L. (2010). Estoque de carbono na fitomassa e mudanças nos atributos do solo em diferentes modelos de restauração da Mata AtlÃØntica. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-21102010-093438/
    • NLM

      Nogueira Junior LR, Engel VL. Estoque de carbono na fitomassa e mudanças nos atributos do solo em diferentes modelos de restauração da Mata AtlÃØntica [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-21102010-093438/
    • Vancouver

      Nogueira Junior LR, Engel VL. Estoque de carbono na fitomassa e mudanças nos atributos do solo em diferentes modelos de restauração da Mata AtlÃØntica [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-21102010-093438/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020