Exportar registro bibliográfico

Tecendo o estético e o sensível através do bordado na literatura infantil brasileira (2010)

  • Authors:
  • Autor USP: MAIA, MARA JANE SOUSA - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLL
  • Subjects: LITERATURA INFANTO-JUVENIL (CRÍTICA E INTERPRETAÇÃO); SEMIÓTICA; LIVRO INFANTIL (HISTÓRIA;ANÁLISE); LIVRO ILUSTRADO (HISTÓRIA;ANÁLISE)
  • Language: Português
  • Abstract: A literatura infantil desperta um duplo interesse: a história narrada pelo texto verbal e a depreendida das imagens que ilustram as capas e as páginas. Enquanto o texto verbal pode levar o leitor a uma compreensão do mundo e de valores culturais e morais, o texto visual pode despertar os sentidos pela experiência estésica. Do escrito ao tocado, do lido ao experimentado, o aprendizado é feito sob diferentes materialidades e discursos. Este trabalho delimita-se a analisar cinco livros destinados ao público infanto-juvenil com ilustrações feitas pelo grupo mineiro de bordadeiros Matizes-Dumont: Exercícios de ser criança, de Manoel de Barros; A moça tecelã, de Marina Colasanti; Menino do rio doce, de Ziraldo; A bola e o goleiro, de Jorge Amado; A menina, a gaiola e a bicicleta/Céu de passarinho, de Rubem Alves e Carlos Brandão. A fundamentação teórica adotada para a análise desse corpus é a semiótica francesa, abarcando seus desdobramentos recentes, como a semiótica das paixões, a semiótica plástica, a enunciação e a tensividade. Os desdobramentos tensivos, por sinal, caminham livremente em todas as análises como efeito de sentido. A possibilidade de trabalhar com diferentes linhas de análise, demonstra a riqueza desse corpus que ora mostra sua força no texto verbal, ora ganha status de arte ao oferecer ao enunciatário/leitor uma gama de imagens que despertam o estético e o estésico. Temos, portanto, ao longo dos enunciados infanto-juvenis, a presença de diálogos plurilinguísticos e polissensoriais. A figuratividade, tão presente e marcante neste trabalho, segue as propostas de Denis Bertrand. Outro teórico relevante a esta pesquisa é Jean-Marie Floch, com suas linhas de pesquisa a respeito do visual/pictórico, ao inserir novas categorias (constitucionais e relacionais) de análise para o plano da expressão. Pela própria natureza dos objetos analisados, percorre-se ocaminho do estético, já que este se manifesta mediante práticas cotidianas. Esse percurso apresenta um marco importante no livro Da Imperfeição, de Algirdas Julien Greimas, que analisa textos-objeto de valor estético, depreendendo seu sentido e seu caráter sensível, em que o plano da expressão passa a ser a força motriz da obra. As descrições do autor sobre alguns textos literários mostram a elasticidade do discurso, que vai além da superfície do texto. Ainda a respeito da questão plástica, outras fontes teóricas estão presentes com o intuito de enriquecer e expandir as análises, procurando sempre manter o intercâmbio entre a semiótica e outras propostas de análise do pictórico. Diante dessas informações técnicas das artes plásticas, que possuem sua linguagem própria, torna-se possível montar uma grade de leitura dos textos-objeto. Embora este trabalho trilhe pelo caminho da semiótica, tratar de textos infantis nos obriga a ter informações consistentes sobre o universo teórico da literatura. Daí o acréscimo de livros sobre este universo, incluindo obras específicas sobre literatura infantil, ilustração e diagramação. Dessa forma, dentro dos objetivos de examinar os mecanismos de construção do sentido em textos de literatura infanto-juvenis, cada livro é analisado de acordo com a teoria da semiótica discursiva ou a da semiótica plástica. Em A moça tecelã trabalha-se com as paixões no texto verbal com o intuito de apreender os efeitos de sentido de qualificações modais, aspectuais e estruturais que modificam o sujeito patemizado. Pela obra sincrética de Manoel de Barros são descritas as estratégias de enunciação, apontando os recursos utilizados para a construção de sentido nos textos verbais e visuais. A intertextualidade pontua o trabalho de Ziraldo ao dialogar com as obras infanto-juvenis do escritor norteamericano Mark Twain, acrescentando-se, na análise, asexperiências estéticas relacionadas com as paixões. O último capítulo trata do imagético, fazendo um contraponto entre as capas dos livros A bola e o goleiro e A menina, a gaiola e a bicicleta/Céu de passarinhos, fundamentando-se em Floch e seus sucessores teóricos. Por meio dessas análises busca-se acrescentar aos estudos dos textos literários e plásticos infanto-juvenis possíveis mecanismos de leitura, tendo como ferramenta teórica a semiótica francesa
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.02.2010
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MAIA, Mara Jane Sousa; LOPES, Ivã Carlos. Tecendo o estético e o sensível através do bordado na literatura infantil brasileira. 2010.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-09032010-094401/ >.
    • APA

      Maia, M. J. S., & Lopes, I. C. (2010). Tecendo o estético e o sensível através do bordado na literatura infantil brasileira. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-09032010-094401/
    • NLM

      Maia MJS, Lopes IC. Tecendo o estético e o sensível através do bordado na literatura infantil brasileira [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-09032010-094401/
    • Vancouver

      Maia MJS, Lopes IC. Tecendo o estético e o sensível através do bordado na literatura infantil brasileira [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-09032010-094401/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021