Exportar registro bibliográfico


Metrics:

O trabalho de jovens universitários e repercussões no sono e na sonolência: trabalhar e estudar afeta diferentemente homens e mulheres? (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: NAGAI, ROBERTA - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HSA
  • DOI: 10.11606/T.6.2009.tde-15062011-110407
  • Subjects: RITMO CIRCADIANO; ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS; JORNADA DE TRABALHO; VIGÍLIA; PRIVAÇÃO DE SONO; SONO (COMPARAÇÃO); HOMENS (COMPARAÇÃO); MULHERES (COMPARAÇÃO)
  • Agências de fomento:
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: Trabalhar e estudar têm sido frequentemente observadas entre jovens universitários. Um dos resultados dessa dupla jornada esta população é a restrição aos horários de dormir e acordar, especialmente nos dias de trabalho. Como conseqüência da privação de sono, relatos de sonolência excessiva diurna e queda no desempenho nos estudos e no trabalho são frequentes. Em relação às diferenças entre os sexos, poucos são estudos que abordam as características dos padrões do ciclo vigília-sono e sonolência de universitários trabalhadores, homens e mulheres. Objetivo: Analisar o ciclo vigília-sono e sonolência de homens e mulheres que trabalham e estudam no turno noturno. Metodologia: Participaram deste projeto 82 estudantes universitários trabalhadores, de 21 a 26 anos de idade, que freqüentavam as aulas no período noturno. Na primeira etapa, os participantes preencheram o questionário de caracterização das condições de vida, saúde e trabalho. Na segunda etapa, os participantes utilizaram um actímetro durante 7 dias consecutivos para obtenção de dados de sono e vigília, preencheram a escala de sonolência Karolinska (KSS) e realizaram um teste de vigilância psicomotora (PVT) em diversos momentos do dia. Além disso, os estudantes preencheram um protocolo diário de atividades para obter dados referentes ao tempo dedicado ao trabalho, trabalho doméstico, atividades físicas, atividades extracurriculares, transporte, aulas na faculdade, folga e sono. Neste protocolo também foram incluídas questões relacionadas ao consumo de cafeína, teobromina e bebidas alcoólicas. As análises das variáveis do ciclo vigília sono, sonolência e médias dos tempos de reação foram feitas utilizando a ANOVA para medidas repetidas.As análises das atividades diárias entre os sexos foram realizadas análises de variância (ANOVA) de 2 fatores (sexo e dia da semana) ou teste t-student. As análises das variáveis dependentes relatos de sonolência excessiva nas aulas e tempo dedicado as aulas foram realizadas através, respectivamente, das análises de regressão logística e linear multivariadas. Em todas as análises utilizou-se como nível de significância =5 por cento. Resultados: Os resultados mostraram que nos dias de trabalho as mulheres apresentaram maiores durações de sono que os homens. Também, observou-se que as mulheres apresentaram um inicio de sono e meio da fase do sono mais adiantado e maior eficiência do sono comparadas aos homens. Além disso, nos dias de trabalho as mulheres estavam mais sonolentas e apresentaram tempos de reação mais lentos do que os homens. Aos domingos os estudantes (homens e mulheres) relataram níveis de sonolência menores do que aos sábados. O resultado da análise de regressão logística multivariada mostrou associação entre relatos de sonolência excessiva durante as aulas e: maiores jornadas de trabalho, meio da fase do sono >3:30hs, relatos de fadiga e menor consumo de cafeína nos dias de trabalho. O resultado da análise de regressão linear multivariada mostrou associação entre maior tempo dedicado às aulas na faculdade e: ser do sexo feminino, menores jornadas de trabalho semanal, menores durações de sono nos dias de trabalho, relatos de sonolência excessiva aos sábados e não consumir bebidas alcoólicas. Conclusões: A dupla jornada de trabalho e estudo interfere negativamente no tempo dedicado às aulas e também em outras atividades diárias, podendo comprometer o desempenho acadêmico e o tempo livre dos estudantes, para se dedicar em atividades extracurriculares e atividades físicas.São necessários outros estudos para melhor esclarecer as diferenças entre os sexos relativas aos padrões de sono. Particularmente, as causas da maior sonolência entre as mulheres jovens solteiras e sem filhos comparadas com homens com características sóciodemográficas semelhantes.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.12.2009
  • Acesso à fonteDOI
    Informações sobre o DOI: 10.11606/T.6.2009.tde-15062011-110407 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold
    • Licença: cc-by-nc-sa

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NAGAI, Roberta; FISCHER, Frida Marina. O trabalho de jovens universitários e repercussões no sono e na sonolência: trabalhar e estudar afeta diferentemente homens e mulheres?. 2009.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/T.6.2009.tde-15062011-110407 > DOI: 10.11606/T.6.2009.tde-15062011-110407.
    • APA

      Nagai, R., & Fischer, F. M. (2009). O trabalho de jovens universitários e repercussões no sono e na sonolência: trabalhar e estudar afeta diferentemente homens e mulheres?. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://doi.org/10.11606/T.6.2009.tde-15062011-110407
    • NLM

      Nagai R, Fischer FM. O trabalho de jovens universitários e repercussões no sono e na sonolência: trabalhar e estudar afeta diferentemente homens e mulheres? [Internet]. 2009 ;Available from: https://doi.org/10.11606/T.6.2009.tde-15062011-110407
    • Vancouver

      Nagai R, Fischer FM. O trabalho de jovens universitários e repercussões no sono e na sonolência: trabalhar e estudar afeta diferentemente homens e mulheres? [Internet]. 2009 ;Available from: https://doi.org/10.11606/T.6.2009.tde-15062011-110407

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021