Exportar registro bibliográfico

Avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recidiva da hepatite C em pacientes submetidos a transplante de fígado, com ênfase nos achados anátomo-patológicos (2010)

  • Authors:
  • Autor USP: HONÓRIO, RODRIGO SCHULER - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MPT
  • Subjects: FÍGADO (ANATOMIA;HISTOLOGIA); RECIDIVA; TRANSPLANTE DE FÍGADO; HEPATITE CRÔNICA
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: Hepatite crônica recidivada (HCR) é a regra após o transplante hepático (TH) em pacientes infectados pelo vírus da hepatite C (VHC), provocando progressão de fibrose mais acelerada no órgão transplantado do que no fígado nativo. Vários estudos têm apontado que, dentre os pacientes transplantados por doença terminal relacionada ao VHC, há padrões distintos de evolução pós-transplante, influenciados por diversos aspectos clínicos, demográficos, laboratoriais e histopatológicos. Objetivos: Identificar alterações precoces associadas à gravidade da doença recidivada, com ênfase nos achados histopatológicos no TH e nas biópsias de seguimento. Métodos: Foi avaliada uma coorte retrospectiva de 41 pacientes que se submeteram a TH entre 1992 e 2004. Dados clínicos foram recuperados dos prontuários médicos e todas as biópsias de fígado foram reavaliadas. Foram estudadas em especial a primeira biópsia após o primeiro mês (PAT) e a primeira biópsia com diagnóstico de hepatite crônica (PHC) de cada paciente. Estas duas biópsias foram também submetidas ao estudo das células estreladas hepáticas através da marcação por -actina de músculo liso. A presença de esteatose e dos parâmetros de hepatite crônica foi quantificada em todas as biópsias dentro dos diferentes períodos do pós-transplante. Resultados: A idade média no transplante foi de 51 anos, com 72% dos pacientes do sexo masculino. O tempo médio de seguimento histopatológico (tempo entre o transplante e a última biópsia hepática realizada) foi de 2234 dias (785-4640). A taxa global anual de progressão de fibrose (TPF) foi de 0,62 (escore de Ishak), a partir da qual os pacientes foram classificados no grupo de fibrosadores rápidos (FR),quando TPF > 0,62, e no grupo de fibrosadores lentos (FL),quando TPF< 0,62. O tempo para o diagnóstico histopatológico de RCH, os fatores ligados ao doador e os achados histopatológicos precoces associados ao diagnóstico de hepatite crônica não se apresentaram diferentes de forma significante entre os dois grupos. Rejeição celular aguda foi mais prevalente nos FL (p=0,043), embora o grupo dos FR tenha apresentado em média maior número de episódios de rejeição (p=0,036). Observou-se um aumento do índice de massa corporal (IMC) nos FL e um decréscimo do IMC nos FR entre o transplante e a última biópsia realizada (0,049). O grupo dos FR apresentou maior quantidade de esteatose no fígado nativo explantado (p=0,026) e mostrou uma tendência a ter uma menor quantidade de esteatose nas biópsias entre um mês e um ano após o transplante (p=0.079), comparado ao grupo dos FL. Os FR também apresentaram maior deposição de lipofuscina na PAT (p=0.024) e na PHC (p=0,048). FR e FL exibiram padrões distintos de infiltrado inflamatório lobular na PHC, com um infiltrado predominantemente linfocitário nos FR e misto nos FL (p=0.043). Foram também observados padrões distintos de siderose na PAT, que era em células de Kupffer nos FR e concomitante em células de Kupffer e hepatócitos nos FL. Maior quantidade de células estreladas, avaliadas na PAT por exame imuno-histoquímico, foi encontrada na região periportal nos FR (p=0,040). As demais alterações histopatológicas não alcançaram significância estatística como preditoras de progressão da doença. Conclusão: Algumas alterações histopatológicas que não estão diretamente associadas ao diagnóstico de hepatite crônica podem contribuir para a compreensão da patogênese da HCR e, adicionalmente, auxiliar na identificação precoce dos pacientes com má evolução após o TH. Se fatores relacionados ao metabolismo lipídico(esteatose hepática e variação de IMC) têm função protetora contra progressão da fibrose ou se resultam diretamente do estado clínico dos pacientes é uma questão que merece estudos adicionais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 05.02.2010
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      HONORIO, Rodrigo Schuler; ALVES, Venancio Avancini Ferreira. Avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recidiva da hepatite C em pacientes submetidos a transplante de fígado, com ênfase nos achados anátomo-patológicos. 2010.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5144/tde-12032010-145542/ >.
    • APA

      Honorio, R. S., & Alves, V. A. F. (2010). Avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recidiva da hepatite C em pacientes submetidos a transplante de fígado, com ênfase nos achados anátomo-patológicos. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5144/tde-12032010-145542/
    • NLM

      Honorio RS, Alves VAF. Avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recidiva da hepatite C em pacientes submetidos a transplante de fígado, com ênfase nos achados anátomo-patológicos [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5144/tde-12032010-145542/
    • Vancouver

      Honorio RS, Alves VAF. Avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recidiva da hepatite C em pacientes submetidos a transplante de fígado, com ênfase nos achados anátomo-patológicos [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5144/tde-12032010-145542/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021