Exportar registro bibliográfico

Estratégies reprodutivas e ecologia alimentar de serpentes aquáticas da tribo Hydropsin (Dipsadidae, Xenodotinae) (2010)

  • Authors:
  • Autor USP: SCARTOZZONI, RODRIGO ROVERI - BIOTECNOLOGIA
  • Unidade: BIOTECNOLOGIA
  • Subjects: RÉPTEIS; SERPENTES; REPRODUÇÃO ANIMAL; HÁBITO ALIMENTAR ANIMAL; ECOLOGIA EVOLUTIVA
  • Language: Português
  • Abstract: A tribo Hydropsini compreende três gêneros de serpentes. Dados alimentares são escassos, mas indicam que as espécies consomem principalmente peixes e secundariamente anfíbios anuros. Os Hydropsini são ovíparos ou vivíparos e o polimorfismo é sugerido para algumas espécies. Entretanto, outros aspectos reprodutivos são desconhecidos para a maioria dessas serpentes. Por outro lado, as relações filogenéticas entre os Hydropsini estão estabelecidas. Este trabalho teve como objetivo caracterizar a reprodução e alimentação de doze espécies dos três gêneros, mapear a evolução e analisar possíveis relações entre a evolução de caracteres morfológicos, reprodutivos e alimentares, utilizando a filogenia disponível. Dados foram obtidos de indivíduos preservados (N = 2.871) de espécies amazônicas (Hydrops spp., Pseudoeryx spp., Helicops hagmanni, H trivittatus, H angulatus, H polylepis), do sudoeste (H leopardinus) e sudeste do Brasil (H carinicaudus, H modestus, H infrataeniatus, H gomesi). Os Hydropsini são especialistas em peixes, porém algumas Helicops (exceto H hagmanni) podem consumir anfíbios e lagartos. Hydrops triangularis e P. plicatilis são especialistas em peixes alongados (Synbranchiformes), Peixes Gymnotiformes, Siluriformes e Perciformes foram dominantes nas dietas de Hy. martii, H polylepis e H hagmanni, respectivamente. Nenhum tipo de presa teve dominância importante nas dietas das demais espécies, porém Perciformes foram consumidos com maior freqüência pela maioria.Esses dados indicam que as espécies diferem quanto ao local de forrageio. Aparentemente, o ancestral da tribo possuía cabeça pequena e dieta composta por Synbranchiformes. A dieta se toma mais ampla e o tamanho da cabeça parece ter aumento no ancestral de Helicops. As presas consumidas por muitas Helicops possuem corpos relativamente mais ) altos e são mais robustas o que pode explicar alterações no crânio de determinadas espécies. Fêmeas atingem a maturidade com tamanho, relativo ao tamanho médio dos adultos, similar em comparação aos machos. Fêmeas são maiores, possuem maior cabeça, circunferência e cauda mais curta que machos. O menor tamanho dos machos indica que o ritual de combate não deve ocorrer na tribo. Os Hydropsini são ovíparos ou vivíparos e o polimorfismo foi confirmado para H angulatus. A reprodução da maioria das espécies deve ser bienal, já que menos de 50% das fêmeas estavam reprodutivas. Os ciclos das fêmeas são sazonais, exceto para H angulatus. A reprodução das espécies amazônicas ocorre ao longo da estação seca e parte da chuvosa. Ciclos reprodutivos restritos às chuvas ocorrem para as espécies do sudeste e sudoeste. Diferenças nos ciclos das fêmeas podem estar associadas à variação no clima dessas regiões. A espermatogênese pode ser contínua ou sazonal. Os duetos deferentes de muitas espécies estão maiores na seca, sugerindo a ocorrência de cópula nesta estação. A fecundidade e o tamanho dos filhotes, relativos ao tamanho das fêmeas,não diferiu entre serpentes ovíparas e vivíparas. A oviparidade é característica plesiomórfica e a viviparidade pode ter surgido três vezes entre as Helicops. A fecundidade parece aumentar no ancestral do clado (Pseudoeryx, Helicops), o qual é composto por serpentes mais robustas em comparação a Hydrops e a muitos Xenodontinae. Porém, o tamanho dos filhotes tende a diminuir nessas serpentes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.01.2010
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SCARTOZZONI, Rodrigo Roveri; MARQUES, Otávio Augusto Vuolo. Estratégies reprodutivas e ecologia alimentar de serpentes aquáticas da tribo Hydropsin (Dipsadidae, Xenodotinae). 2010.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/87/87131/tde-29042010-081617/ >.
    • APA

      Scartozzoni, R. R., & Marques, O. A. V. (2010). Estratégies reprodutivas e ecologia alimentar de serpentes aquáticas da tribo Hydropsin (Dipsadidae, Xenodotinae). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/87/87131/tde-29042010-081617/
    • NLM

      Scartozzoni RR, Marques OAV. Estratégies reprodutivas e ecologia alimentar de serpentes aquáticas da tribo Hydropsin (Dipsadidae, Xenodotinae) [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/87/87131/tde-29042010-081617/
    • Vancouver

      Scartozzoni RR, Marques OAV. Estratégies reprodutivas e ecologia alimentar de serpentes aquáticas da tribo Hydropsin (Dipsadidae, Xenodotinae) [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/87/87131/tde-29042010-081617/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021