Exportar registro bibliográfico

Sistemas convectivos de mesoescala observados na região subtropical da América do Sul / (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: SAKAMOTO, MEIRY SAYURI - IAG
  • Unidade: IAG
  • Sigla do Departamento: ACA
  • Subjects: METEOROLOGIA DE MESO-ESCALA; METEOROLOGIA SINÓTICA; AMÉRICA DO SUL
  • Language: Português
  • Abstract: Neste estudo são analisados os sistemas convectivos de mesoescala (SCM's) subtropicais, de origem continental e oceânica, observados na América do Sul durante o South American Low Level Experiment (SALLJEX), realizado no verão de 2002/2003. Nesta análise são avaliadas a distribuição espacial, variabilidade de urna, ciclo de vida, deslocamento e parâmetros morfológicos dos SCM's continentais e oceânicos, sendo também investigadas as origens das fontes de umidade que contribuem para a gênese desses sistemas. Outros aspectos explorados são a caracterização das condições sinóticas com atenção à identificação dos fatores pré- condicionantes e mecanismos de gatilho à convecção; a avaliação das condições dinâmicas e termodinâmicas observadas durante a gênese do sistema convectivo e sua evolução ao longo do ciclo de vida. Além disso, são realizadas simulações numericas dos SCM's com enfoque na verificação da qualidade da previsão de precipitação em função da capacidade do modelo em reproduzir as condições atmosféricas essenciais à geração da convecção. Os resultados mostram que os sistemas convectivos continentais não são mais numerosos que os oceânicos, e em ambas as regiões, SCM's com maior duração apresentam taxas de expansão maiores nas primeiras horas do seu ciclo de vida. O jato de baixos níveis (JBN) afeta a formação de sistemas continentais, porém, seu efeito sobre os SCM's oceânicos é mínimo. O Oceano Atlântco Tropical, a região Amazônica e o OceanoPacífico subtropical, são as principais regiões de origem da umidade para a gênese dos sistemas convectivos, contudo, a atuação dessas fontes depende da região de formação do sistema e das condições sinóticas. O aquecimento diurno da camada limite convectiva, o jato de baixos níveis, o cavado em 500 hPa e a circulação transversa são os pré-condicionantes identificados na formação dos SCM's continentais ) noturnos. Em relação aos mecanismos de gatilho, os principais fatores são os sistemas frontais e o fluxo catabático dos Andes. Sistemas convectivos que apresentam ciclo de vida mais longo são gerados em um ambiente em que se identificam mais de um fator pré-condicionante e de gatilho atuando de forma conjunta. Além disso, o cisalhamento vertical do vento em baixos níveis parece ser um dos diferentes na fase inicial dos SCM's de maior duração. Os resultados das simulações numéricas sugerem que quando as características sinóticas e de mesoescala que atuam como pré-condicionantes ou mecanismos de gatilho são mais bem definidas, o desempenho do modelo melhora sensivelmente, pois a simulação consegue reproduzir com mais precisão as condições ambientais observadas durante a gênese do sistema convectivo. Assim, sistemas com maior duração tendem a ser mais simulados.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.12.2009

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SAKAMOTO, Meiry Sayuri; AMBRIZZI, Tercio. Sistemas convectivos de mesoescala observados na região subtropical da América do Sul /. 2009.Universidade de São Paulo, São Paulo,, 2009.
    • APA

      Sakamoto, M. S., & Ambrizzi, T. (2009). Sistemas convectivos de mesoescala observados na região subtropical da América do Sul /. Universidade de São Paulo, São Paulo,.
    • NLM

      Sakamoto MS, Ambrizzi T. Sistemas convectivos de mesoescala observados na região subtropical da América do Sul /. 2009 ;
    • Vancouver

      Sakamoto MS, Ambrizzi T. Sistemas convectivos de mesoescala observados na região subtropical da América do Sul /. 2009 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021