Exportar registro bibliográfico

Avaliação do potencial terapêutico das células-tronco mesenquimais no transplante de medula óssea alogênico experimental (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: SIUFI, JORGE LUIZ CURADO - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: DOENÇA ENXERTO-HOSPEDEIRO; TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA; CÉLULAS-TRONCO
  • Language: Português
  • Abstract: A doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH) é uma complicação mediada por células T que ocorre nos transplantes de medula óssea (TMO) devido à incompatibilidade no MHC (Major Histocompatibility Complex) entre doador-receptor. A presença da DECH diminui a eficácia dos transplantes e as técnicas atuais de profilaxia e tratamento da doença não são eficientes, principalmente nos casos graves da doença. Uma possibilidade para a profilaxia e tratamento da DECH é a utilização de células-tronco mesenquimais (CTMs) derivadas da medula óssea e expandidas in vitro. As CTMs são células que possuem capacidade de auto-renovação e diferenciação em tipos celulares específicos como osteócitos, adipócitos e miócitos, entre outros. As CTMs possuem importante potencial regulador dos tipos celulares envolvidos na resposta imunológica e aparentemente não são aloreativas, pois não expressam moléculas de MHC classe-lI e moléculas co-estimulatórias da resposta imune. O objetivo deste estudo foi avaliar o potencial profilático e terapêutico das CTMs no TMO alogênico experimental. Para isto, camundongos da linhagem C57BL/6 foram utilizados como doadores de medula óssea, esplenócitos e CTMs, e camundongos das linhagens Balb/c e FVB GFP+ foram utilizados como receptores dos transplantes. As análises de sobrevida mostraram que todos os camundongos Balb/c e FVB GFP+ dos grupos Controle Irradiado, TMOa e TMOa+Espl morreram dentro do período de 30 dias depois de realizados os procedimentos deirradiação e/ou transplantes. Enquanto isto, todos os camundongos dos grupos TMO singênicos sobreviveram por longo período após os transplantes. O grupo de camundongos induzidos à DECH de intensidade grave que recebeu prevenção com CTMs (TMOa+Espl+CTMs) apresentou certa redução na incidência e no acometimento da DECH. Apesar de todos os camundongos Balb/c morrerem precocemente devido à ausência de reconstituição medular ou devido à incidência da doença, 38,5% dos camundongos FVB do grupo TMOa+Espl+CTMs viveram por longo período de tempo. Os camundongos induzidos à DECH de intensidade leve que receberam CTMs (TMOa+CTMs) foram os que apresentaram os melhores resultados quanto à prevenção da doença. Desta vez, 28,6% dos camundongos Balb/c e todos os camundongos FVB GFP+ (100%) sobreviveram por longo período de tempo após os transplantes alogênicos. As análises histológicas dos orgãos dos camundongos mostraram que os grupos que receberam CTMs (TMOa+CTMs e TMOa+Espl+CTMs) apresentaram achados histopatológicos menos conspícuos do que os camundongos dos grupos que não receberam CTMs (TMOa e TMOa+Espl). Conseqüentemente, as alterações físicas observadas nos camundongos também mostraram maior comprometimento dos indivíduos dos grupos que não receberam prevenção com CTMs. A análise in vivo dos fatores solúveis presentes no soro dos camundongos mostrou a desregulação do perfil das citocinas no microambiente da DECH, observado noscamundongos dos grupos TMOa e TMOa+Espl. Todavia, este perfil das citocinas foi encontrado menos desregulado, sendo que as citocinas pró-inflamatórias e de subtipo TH1/TH2 estudadas foram encontradas em menores concentrações nos grupos que receberam CTMs (TMOa+CTMs e TMOa+Espl+CTMs). Por fim, os camundongos FVB dos grupos TMOa+CTMs e TMOa+Espl+CTMs que sobreviveram por longo período de tempo, voltaram a apresentar sintomas clínicos tardios da doença, atingindo o óbito dias depois. As análises histológicas mostraram que os camundongos apresentavam hiperplasia linfocitária no baço e intestino delgado, e acometimento grave do fígado indicando presença da doença em fase crônica. As CTMs são importantes componentes celulares que além de beneficiar a reconstituição medular pós-transplante, pode ser candidatas ao tratamento e prevenção da DECH aguda
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 28.10.2009

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SIUFI, Jorge Luiz Curado; COVAS, Dimas Tadeu. Avaliação do potencial terapêutico das células-tronco mesenquimais no transplante de medula óssea alogênico experimental. 2009.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.
    • APA

      Siufi, J. L. C., & Covas, D. T. (2009). Avaliação do potencial terapêutico das células-tronco mesenquimais no transplante de medula óssea alogênico experimental. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Siufi JLC, Covas DT. Avaliação do potencial terapêutico das células-tronco mesenquimais no transplante de medula óssea alogênico experimental. 2009 ;
    • Vancouver

      Siufi JLC, Covas DT. Avaliação do potencial terapêutico das células-tronco mesenquimais no transplante de medula óssea alogênico experimental. 2009 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020