Exportar registro bibliográfico

Linhaça e lignanas: efeito do consumo sobre indicadores nutricionais e inflamatórios (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: CASSANI, ROBERTA SOARES LARA - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: LINHAÇA; SEMENTES; LIGNINA; NUTRIÇÃO; FATORES DE RISCO (USO)
  • Keywords: enterodio; enterolactona; enterolignanas; Fatores de risco nutricionais; indicadores nutricionais; inflamatórios e metabólico; lignanas; semente de linhaça; enterodio; enterolactone; enterolignanas; flaxseed; inflammatory and metabolic disorders; lignans; nutritional indicators; utritional risk factors
  • Language: Português
  • Abstract: Dislipidemia e aumento de depósito de gordura visceral encontram-se associados à ocorrência do processo inflamatório subclinico. A prevenção e o controle destes fatores de risco nutricionais (FR) tornam-se fundamentais para a redução da morbi-mortalidade a eles relacionada. Indicadores nutricionais, inflamatórios e metabólicos parecem estar associados com o estilo de vida. A utilização do ?-3 é amplamente reconhecida por seu papel na redução destes FR. A semente de linhaça tem sido reconhecida como um alimento rico em fibras e ?-3, entretanto, um novo constituinte de sua composição nutricional tem merecido atenção, pelo seu papel antiinflamatório e antioxidante. Este componente é chamado de lignanas, um polímero complexo e o principal constituinte não-carbohidrato de plantas vasculares. Está ligado a fibras de celulose, e é responsável por reforçar a estrutura das paredes celulares, o que previne o colapso das mesmas. Lignanas, em contato com a microflora intestinal humana transformam-se em enterolignanas, especialmente, enterodiol e enterolactona. O presente trabalho tem por hipótese que o teor de lignanas dietético pode interferir no perfil metabólico, e alterar fatores de riscos envolvidos no estado nutricional, e consequentemente na saúde. O conhecimento de que diferentes características na composição nutricional de macronutrientes da dieta poderiam modificar o perfil inflamatório, independentemente, da presença das enterolignanas provenientesda semente de linhaça também constituíram o objetivo deste estudo. Por 42 dias, foram avaliados 52 funcionários, pertencentes ao sexo masculino, com idade média de 37± 9 anos, de uma indústria de grande porte, na cidade de Itu-SP. Os voluntários foram divididos em 4 grupos de pesquisa, sendo, um grupo controle, e três grupos com dietas isocalóricas e diferentes proporções no % de carboidratos (CH), e acréscimo de semente de linhaça em pó ou arroz cru triturados (protocolo simples cego). Foi preenchida ficha de coleta de informações sobre dados pessoais e conhecimento de fatores de risco (hipertensão, dislipidemia e diabetes), comportamentos de risco (tabagismo e sedentarismo) e antecedentes familiares. Foi também realizada avaliação clinico -laboratorial, no qual se obteve o registro de medidas antropométricas, medida da pressão arterial e coleta de sangue venoso em jejum de 12 h para avaliação de indicadores bioquímicos referentes à FR cardiovascular, tais como, colesterol total e frações (LDL-c e HDL-c), triglicérides, glicemia, insulina, Homa-beta e Homa-IR, ácido úrico, bem como, para avaliação de indicadores inflamatórios (Proteína C Reativa (PCR), Fator de Necrose Tumoral (TNF-‘alfa’) e Isoprostane Sérico), hormonais (Leptina e Adiponectina) e nutricionais (Enterodiol e Enterolactona séricas e urinárias). Observou-se que para redução significativa das medidas antropométricas estudadas e indicador de estresse oxidativo não houvediferenças entre os grupos que receberam intervenção dietética. Entretanto, para a melhora do perfil bioquímico, inflamatório, hormonal e nutricional, diferentes respostas foram encontradas. Os grupos que receberam dietas com redução de CH total (32% e 35%) mostraram benefícios, no que se refere ao perfil bioquímico, especialmente, colesterol total, LDL-c e ácido úrico, como também, para o perfil hormonal, referente aos níveis de adiponectina (p <0,05). Com relação aos níveis de PCR e TNF-‘alfa’, apenas os grupos que tiveram acréscimo de semente de linhaça na dieta apresentaram redução significativa (p<0,05). Para os níveis de triglicérides, somente o grupo com adição de semente de linhaça e 32 % de CH total apresentou diminuição significativa (p<0,05). Foi observado que com 32 % de CH total ingerido e adição de um alimento rico em lignanas constituiu-se uma estratégia nutricional relevante, para prevenção primária de fatores de risco metabólicos e controle da inflamação subclinica, o que pode contribuir na redução da morbi-mortalidade a eles associada
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.09.2009
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CASSANI, Roberta Soares Lara; MARCHINI, Júlio Sérgio. Linhaça e lignanas: efeito do consumo sobre indicadores nutricionais e inflamatórios. 2009.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/tde-04042012-125620/ >.
    • APA

      Cassani, R. S. L., & Marchini, J. S. (2009). Linhaça e lignanas: efeito do consumo sobre indicadores nutricionais e inflamatórios. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/tde-04042012-125620/
    • NLM

      Cassani RSL, Marchini JS. Linhaça e lignanas: efeito do consumo sobre indicadores nutricionais e inflamatórios [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/tde-04042012-125620/
    • Vancouver

      Cassani RSL, Marchini JS. Linhaça e lignanas: efeito do consumo sobre indicadores nutricionais e inflamatórios [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/tde-04042012-125620/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021