Exportar registro bibliográfico

As muitas vozes da morte: uma leitura da poesia de Ferreira Gullar (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: PAIVA, CARLYNE CARDOSO DE - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLT
  • Subjects: LITERATURA BRASILEIRA (CRÍTICA E INTERPRETAÇÃO); POESIA; MORTE
  • Language: Português
  • Abstract: Nas obras iniciais (A Luta Corporal, 1953 e O Vil Metal, 1960) de Ferreira Gullar, o tema da morte na poesia de Ferreira Gullar conflui para uma reflexão sobre a transitoriedade dos seres e objetos perante a inexorabilidade do tempo. Nos Poemas de Cordel (1962-1967) e Dentro da Noite Veloz (1975), o poeta, com vestígios de sua poesia engajada, dá voz, identidade e nome ao homem comum que vive na sociedade e conseqüentemente à morte deste homem considerado trivial pelo meio em que está inserido, remetendo-nos à maneira como o início do século XX é diagnosticado por Ariès (1977): o período em que a morte se esconde, e que ele denomina como sendo a morte invertida. Desde então a sociedade expulsa a morte dos cidadãos comuns, sobrando apenas reverências aos homens de Estado. Gullar também denuncia a falta de atenção e desvelo da sociedade para com o homem sem status social. Em sua contestação, o poeta imortaliza, nomeia e dá identidade ao cidadão anônimo, que passa a ter voz no poema. Para preservar-se de uma ameaça de aniquilação pessoal, Gullar concebe o Poema Sujo (1975), composto de memória, perda, elaboração do mundo perdido e amor à vida. A partir de então, o tema da morte passa a ser cada vez mais constante na poética de Gullar. Não somente com a ameaça da própria morte, mas com a perda concreta de amigos e familiares, essa passa a ser concebida em sua poesia, com maior intensidade e sensibilidade. Em um crescente, a morte toma forma Na Vertigem do Dia(1980) e Barulhos (1987), adquirindo maior vigor em Muitas Vozes (1999). Em Rainer Maria Rilke e a morte (2004), há um diálogo iminente entre a poética de Gullar e Rilke. Neste, a morte aparece como uma figura alegórica que está em toda a parte, seja no interior, seja no exterior do indivíduo, sempre conspirando para que o momento fatal se realize. Ela é um germe que nasce no coração do homem e que se desenvolverá ) no decorrer de sua existência, tomando-lhe o corpo. No tom apropriado e na medida correta, Gullar homenageia e dá voz aos conceitos rilkeanos, sem com isso ferir-se enquanto poeta. Sob o prisma conceitual do lírico alemão, concede vida singular e respeitável à suposta circunstância da morte concreta de Rilke
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.04.2009
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PAIVA, Carlyne Cardoso de; BOSI, Viviana. As muitas vozes da morte: uma leitura da poesia de Ferreira Gullar. 2009.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde-24112009-104107/ >.
    • APA

      Paiva, C. C. de, & Bosi, V. (2009). As muitas vozes da morte: uma leitura da poesia de Ferreira Gullar. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde-24112009-104107/
    • NLM

      Paiva CC de, Bosi V. As muitas vozes da morte: uma leitura da poesia de Ferreira Gullar [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde-24112009-104107/
    • Vancouver

      Paiva CC de, Bosi V. As muitas vozes da morte: uma leitura da poesia de Ferreira Gullar [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde-24112009-104107/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021