Exportar registro bibliográfico

Tradução e validação do instrumento SHE - Subjetive Handicap of Epilepsy para a língua portuguesa (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: MONTEIRO, EDNA DE ALMEIDA - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RNP
  • Subjects: EPILEPSIA; QUALIDADE DE VIDA; CIRURGIA; VALIDADE DO TESTE
  • Language: Português
  • Abstract: O construto Qualidade de Vida (QV) e o impacto da cirurgia de epilepsia é relativamente pouco explorado e merece ser amplamente discutido, principalmente em países em desenvolvimento. Objetivo: Realizar a tradução, adaptação e validação do instrumento The Subjective Handicap of Epilepsy para a língua portuguesa e verificar suas propriedades psicométricas como instrumento específico de avaliação da qualidade de vida em indivíduos brasileiros portadores de epilepsia, que se encontram em seguimento clínico e cirúrgico. Metodologia: Foram utilizadas as seguintes técnicas de análise para a validação do SHE: Alfa de Chronbach para avaliar a consistência interna da escala; Coeficiente Kappa para avaliar a concordância das respostas do instrumento quando aplicado em três grupos de pacientes; Gráficos de Bland e Altman e coeficiente de Lin para avaliar a concordância dos domínios; Mapas de Correspondência para verificar o comportamento da escala utilizada; Coeficiente de Correlação de Spearman dos escores do SHE e do ESI-55 para avaliar a validade concorrente entre as escalas. Na primeira etapa foram incluídos 206 indivíduos que se encontram em avaliação pré-operatória, 120 indivíduos um ano após a intervenção cirúrgica e 46 com epilepsia controlada (grupo controle). Na segunda etapa foi feita a avaliação de confiabilidade através da comparação teste-reteste, para analisar o grau com que o instrumento pôde reproduzir os resultados em três grupos de pacientes comintervalos diferentes entre a primeira e segunda aplicação. A terceira etapa teve como finalidade verificar a validade concorrente entre os instrumentos SHE e o ESI- 55. Para tanto foi avaliado um grupo de 38 indivíduos durante a internação e aplicado o questionário de qualidade de vida (ESI-55). Resultados e Discussão: A média de idade foi de 36,53 anos (+/- 8,49) no Grupo Pré e 36,96 (+/- 8,90) no Grupo Pós, diferenciando do Grupo Controle que obteve uma média de idade de 31,00 (+/- 11,43). A consistência interna foi alta, indicada pelo Alfa de Chronbach variando entre 0,72 a 0,92. Análise fatorial de quatro fatores sem e com Rotação Varimax permitiu a extração dos seis domínios, que foram concordantes com a versão original do instrumento. De maneira geral pode-se notar que os coeficientes Kappa para cada questão apresentam concordâncias predominantemente leves e moderadas no grupo internado e a média dos coeficientes é de 0,31 apresentando assim uma concordância suave, enquanto nos grupos avaliados nos ambulatórios isso não ocorre, mostrando uma associação positiva 0,51 no grupo com intervalo de sete dias e 0,69 no grupo controle com intervalo para o reteste de trinta dias. A média dos coeficientes de kappa substancial encontrada no grupo controle reforça a idéia de que as pessoas com crises epilépticas controladas estão mais adaptadas em todas as esferas da qualidade de vida, sobretudo há uma tendência em se manter estabilidade nocotidiano. Observou-se que as correlações mais expressivas encontradas entre o ESI-55 e o SHE foram Estado Geral de Saúde e Saúde Mental (ESI-55) com todos os domínios do SHE. Nos seis domínios de QV analisados através do SHE, foram verificadas melhoras nos escores no Grupo Pós quando comparados com o Grupo Pré. Esses achados pressupõem que a cirurgia de epilepsia bem sucedida é uma modalidade terapêutica que contribui para a melhora da qualidade de vida. No grupo Pós as modificações na vida do indivíduo foram grandes e, geralmente, para melhor. Considerações Finais: Por fim pode-se concluir que o SHE é sensível para avaliar qualidade de vida em indivíduos portadores de epilepsia antes e depois do procedimento cirúrgico
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 28.04.2009

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MONTEIRO, Edna de Almeida; HALLAK, Jaime Eduardo Cecílio. Tradução e validação do instrumento SHE - Subjetive Handicap of Epilepsy para a língua portuguesa. 2009.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.
    • APA

      Monteiro, E. de A., & Hallak, J. E. C. (2009). Tradução e validação do instrumento SHE - Subjetive Handicap of Epilepsy para a língua portuguesa. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Monteiro E de A, Hallak JEC. Tradução e validação do instrumento SHE - Subjetive Handicap of Epilepsy para a língua portuguesa. 2009 ;
    • Vancouver

      Monteiro E de A, Hallak JEC. Tradução e validação do instrumento SHE - Subjetive Handicap of Epilepsy para a língua portuguesa. 2009 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021