Exportar registro bibliográfico

Avaliação quantitativa da fadiga muscular em pacientes com diferentes formas clínicas de miopatia mitocondrial (2008)

  • Authors:
  • Autor USP: BARROS, PATRÍCIA DE SÁ - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RNP
  • Subjects: MIOPATIAS MITOCONDRIAIS; FADIGA MUSCULAR (AVALIAÇÃO); DINAMÔMETROS
  • Language: Português
  • Abstract: A fadiga muscular é definida como qualquer perda da capacidade de produzir força induzida por exercício, que reduz o desempenho muscular. Estudos de quantificação da fadiga muscular nas diversas formas clínicas de miopatia mitocondrial (MM) são escassos. O objetivo deste trabalho é obter um método confiável, reprodutível, de baixo custo e fácil aplicação para avaliação objetiva e comparativa da fadiga muscular em grupos de pacientes com diferentes formas clínicas de MM. Neste estudo, foram selecionados 71 pacientes adultos com miopatia, apresentando fraqueza muscular ou intolerância ao exercício (IE). A amostra controle foi composta por 123 voluntários saudáveis. Os pacientes selecionados para o estudo foram divididos em 4 grupos: MM com oftalmoplegia externa progressiva (PEO); MM com IE sem PEO; outras miopatias com IE e endocrinopatias com IE. O grupo controle foi subdividido em subgrupos. As avaliações realizadas consistiram de quantificação da fadiga pelos testes dinamométricos, avaliação da gravidade da fadiga (FSS), escala numérica da fadiga, mensuração da dor pelo inventário breve da dor (IBD), avaliação da capacidade funcional (Brooke e Vignos) e das atividades da vida diária (Barthel), bem como a qualidade de vida relacionada à saúde (SF-36). A presença da fadiga muscular foi avaliada através da realização da contração voluntária da máxima (CVM) de preensão palmar, no lado dominante do paciente. Neste estudo foi realizado 3 testesdinamométricos: teste da CVM durante 5 minutos, teste de 10 minutos utilizando 45% da CVM sustentada durante 60 segundos. Não houve diferença significante entre as idades dos pacientes e controles. A maioria dos pacientes e controles apresentava como lado dominante o lado direito. A força muscular de preensão palmar no início do teste foi maior nos controles que nos pacientes. A CVM inicial dos pacientes com MM com PEO diferiram significantemente dos controles, enquanto que os pacientes com MM sem PEO, outras miopatias com IE e endocrinopatias permaneceram iguais aos controles. O teste de CVM durante 5 minutos demonstrou coeficientes de correlação bastante significantes, o que indica que as medidas obtidas no teste são estáveis e reprodutíveis. Quanto ao teste de 10 minutos utilizando 45% da CVM, os resultados demonstraram que as medidas que se referem às CVM na metade e no final do teste apresentam coeficientes de correlação consistentes e significantes. No teste da CVM sustentada durante 60 segundos, os índices de correlação apresentaram magnitude moderada. A comparação do teste da CVM durante 5 minutos entre os grupos demonstrou a ocorrência de fadiga precoce no grupo de pacientes. A comparação entre o grupo de pacientes separadamente e controles no teste da CVM durante 5 minutos não demonstrou diferença significante. No teste de 10 minutos utilizando 45% da CVM a comparação entre pacientes e controles demonstrouhaver diferença significante, indicando haver maior fadigabilidade no grupo dos pacientes. Em adição, o grupo denominado outras miopatias com IE diferenciaram do grupo controle, não sendo visível esta diferença nos demais grupos. A comparação entre o grupo com MM com PEO, pacientes com IE e grupos controles demonstraram diferença significante. No teste da CVM sustentada durante 60 segundos não houve diferença significante entre os grupos analisados. A média da FSS em todos os grupos foi similar. Os grupos demonstraram resultados similares com relação à escala numérica de fadiga. Nossos achados não demonstraram diferença significante entre os grupos com relação à IBD. A maioria dos pacientes avaliados apresenta mínima ou nenhuma incapacidade funcional segundo a escala de Vignos e Archibald. Entretanto, a qualidade de vida dos pacientes demonstrou estar muito comprometida. Concluímos que entre os 3 testes dinamométricos de medida da fadiga muscular realizados, apenas o teste de CVM sustentada durante 5 minutos apresentou elevada confiabilidade. O teste da CVM sustentada durante 60 segundos não foi capaz de induzir fadiga precoce nos grupos de pacientes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.12.2008

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BARROS, Patrícia de Sá; SOBREIRA, Cláudia Ferreira da Rosa. Avaliação quantitativa da fadiga muscular em pacientes com diferentes formas clínicas de miopatia mitocondrial. 2008.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2008.
    • APA

      Barros, P. de S., & Sobreira, C. F. da R. (2008). Avaliação quantitativa da fadiga muscular em pacientes com diferentes formas clínicas de miopatia mitocondrial. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Barros P de S, Sobreira CF da R. Avaliação quantitativa da fadiga muscular em pacientes com diferentes formas clínicas de miopatia mitocondrial. 2008 ;
    • Vancouver

      Barros P de S, Sobreira CF da R. Avaliação quantitativa da fadiga muscular em pacientes com diferentes formas clínicas de miopatia mitocondrial. 2008 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021