Exportar registro bibliográfico

Tratamento térmico pré e pós-cura de diferentes compósitos: análise térmica, reistência à flexão e grau de conversão (2008)

  • Authors:
  • Autor USP: GOMES, MAURICIO NEVES - FO
  • Unidade: FO
  • Sigla do Departamento: ODM
  • Subjects: ANÁLISE TÉRMICA (ODONTOLOGIA); RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS (ODONTOLOGIA); MATERIAIS COMPÓSITOS (ODONTOLOGIA)
  • Language: Português
  • Abstract: O objetivo deste estudo é realizar a caracterização térmica, resistência à flexão e o grau de conversão de um compósito nanoparticulado (Filtek Supreme XT: FT) e um microhíbrido (Esthet X: ET), cor A2, submetidos a diferentes tratamentos térmicos. Os grupos experimentais foram: G1: sem tratamento; G2: pré-aquecimento à 68°C com dispositivo Calset; G3: pós-aquecimento em forno MP-130, 10°C/min até 140°C e G4: pré e pós-aquecimento. Depois da fotoativação, foram realizadas análise termogravimétrica e calorimetria exploratória diferencial (DSC) para determinar a estabilidade térmica dos compósitos, temperatura de transição vítrea (Tg), pico de exotermia e calor liberado após fotoativação. O ensaio de resistência à flexão foi realizado 24h após armazenagem dos corpos de prova em água destilada a 37°C. A análise do grau de conversão foi realizada com espectrofotômetro FT-Raman. Análise de variância e teste de Tukey (p<0,05) demonstraram que os compósitos FT e ET têm 25,8% e 23,7% de matriz orgânica em peso respectivamente e estabilidade térmica até 200°C. O pico exotérmico do G2 (63,5°C) é maior do que G1 (60,9°C). Os grupos G3 e G4 não apresentaram pico exotérmico e calor liberado. A tg é de aproximadamente 160,5°C para o FT e de 161,4°C para o ET. A resistência à flexão (MPa) e grau de conversão(%) foram respectivamente: G1 (149,1; 60)=G2(152,5; 56,4) e G3 (170,5; 72,6)=G4 (178,2; 71,8) . O compósito ET apresenta maior grau de conversão que FT. À partir dacaracterização térmica foi possível observar que o pré-aquecimento em condições não isotérmicas não promoveu maior conversão e resistência à flexão. O tratamento térmico deve ser realizado acima de 160°C
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.06.2008
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GOMES, Mauricio Neves; FRANCCI, Carlos Eduardo. Tratamento térmico pré e pós-cura de diferentes compósitos: análise térmica, reistência à flexão e grau de conversão. 2008.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23140/tde-17092008-101643/ >.
    • APA

      Gomes, M. N., & Francci, C. E. (2008). Tratamento térmico pré e pós-cura de diferentes compósitos: análise térmica, reistência à flexão e grau de conversão. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23140/tde-17092008-101643/
    • NLM

      Gomes MN, Francci CE. Tratamento térmico pré e pós-cura de diferentes compósitos: análise térmica, reistência à flexão e grau de conversão [Internet]. 2008 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23140/tde-17092008-101643/
    • Vancouver

      Gomes MN, Francci CE. Tratamento térmico pré e pós-cura de diferentes compósitos: análise térmica, reistência à flexão e grau de conversão [Internet]. 2008 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23140/tde-17092008-101643/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021