Exportar registro bibliográfico

A não-infância: crianças como mão-de-obra em Mariana (1850-1900) (2008)

  • Authors:
  • Autor USP: TEIXEIRA, HELOíSA MARIA - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLH
  • Subjects: TRABALHO DE MENOR; ESCRAVIDÃO
  • Language: Português
  • Abstract: Nossa pesquisa investiga a criança - escrava, ingênua ou livre, com idade inferior a 15 anos - inserida como mão-de-obra nos domicílios de Mariana, Minas Gerais, durante a segunda metade do século XIX. Esta localidade, desde o declínio da mineração, passou a ter a produção de alimentos como atividade econômica principal. O período contemplado foi de transição do sistema escravista para o sistema livre de trabalho. A cessação do tráfico internacional de escravos, a liberdade concedida a crianças nascidas de mães escravas e a escravos com mais de 60 anos foram partes de um processo de transição gradual, cujo corolário foi a abolição da escravatura. De 1850 a 1871, os senhores tinham no tráfico interno e na reprodução natural a esperança de perpetuação do regime, mas, depois da Lei Rio Branco, a segunda possibilidade foi eliminada pelo ventre livre. Tal lei, entretanto, permitia aos escravistas a utilização da mão-de-obra dos ingênuos até que estes completassem 21 anos. O senhor que desejasse manter a utilização da mão-de-obra coercitiva teria algumas dificuldades (a maior delas, talvez, fosse a elevação dos preços dos cativos). Nesse contexto, muitos projetos buscaram contornar a ausência do escravo. Entre eles, alguns idealizavam o uso da mão-de-obra nacional, especialmente de livres pobres, libertos e ingênuos. Dentro dessa alternativa, a criança, que poderia ser educada desde cedo para o trabalho, tinha papel relevante. Nossa pesquisa demonstra que entreos fatores pelos quais a criança se inseria no mundo do trabalho, estavam o cativeiro, a orfandade, a ilegitimidade e a pobreza. Os pequenos trabalhadores executavam tarefas ligadas à roça, ao pastoreio e aos serviços domésticos. A documentação revelou poucas crianças com idade inferior a 7 anos inseridas na labuta, mas o número de trabalhadores aumentava progressivamente nas faixas etárias seguintes. Percebe-se que ) dos 12 aos 14 anos, os menores já têm suas profissões descritas nos documentos. Investigamos uma extensa gama de fontes primárias. Foram inventários post-mortem, matrículas de escravos e de ingênuos, registros de compra e venda de escravos, processos judiciais, cartas de alforria, mapas de população, listas de habitantes, o Recenseamento Geral do Império de 1872 e os relatórios de presidente da província. Tais documentos, cartoriais ou oficiais, possibilitaram-nos vislumbrar as características do trabalho infantil na Mariana oitocentista
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 11.03.2008
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TEIXEIRA, Heloísa Maria; MOTTA, Jose Flavio. A não-infância: crianças como mão-de-obra em Mariana (1850-1900). 2008.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-10072008-105745/ >.
    • APA

      Teixeira, H. M., & Motta, J. F. (2008). A não-infância: crianças como mão-de-obra em Mariana (1850-1900). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-10072008-105745/
    • NLM

      Teixeira HM, Motta JF. A não-infância: crianças como mão-de-obra em Mariana (1850-1900) [Internet]. 2008 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-10072008-105745/
    • Vancouver

      Teixeira HM, Motta JF. A não-infância: crianças como mão-de-obra em Mariana (1850-1900) [Internet]. 2008 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-10072008-105745/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021